Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nossa Atenas

Como acontece n'algumas cidades históricas, edifícios antigos e modernos se entrelaçam entre si. Aqueles como memória e estes como urgência da especulação imobiliária. Nossa história se passará em Atenas, onde a acrópole parece vigiar os prédios que vão sendo construídos enquanto lá tudo tende à imobilidade.
Certa noite, contam que os fantasmas de Aristóteles e Platão se encontraram em um bar. Depois de umas tantas taças de vinho, não ousaram beber cerveja, ambos começaram a se questionar sobre o que ocorreu com a cidade depois de dois mil e tantos anos. Quem puxou a conversa foi Platão:
- Acho que não estou em Atenas.
- E por que não estaria?
- Sei lá, só não me identifico com isso que vejo.
- Mas você não disse que os sentidos eram falhos?
- Sim, eu sei... Mas não é a mesma cidade. Admita, ela também não te intimida?
- Bem, a acrópole ainda está lá. Meio acabadinha, mas é ela. Disso não há menor dúvida.
- Olha Ari, eu sei que nós tivemos nossas brigas e que tem pontos nos quais a gente não bate, porém me entenda. Essa não é a NOSSA Atenas. Tudo aqui está impregnado de um vazio tão tóxico.
- Ela mudou, homem. Isso é da natureza. Substância e acidente.
- Tá, então me diz, o que fazia aquela Atenas ser a NOSSA Atenas?
- Nada. Atenas já estava dada como fato concreto, cara. Era a gente que a apreendida por meio dos sentidos e nesse processo se aprendia junto como membro de algo.
- Você é muito chato!
- O que eu fiz agora?
- Ari, a IDEIA daquela cidade era outra, a aura... Ali tudo tendia ao eterno. Olha lá a acrópole. Tá ali, ruínas! E mesmo esses monturo exposto sobressai disso aqui ao redor. Mas as pessoas passam ao largo.
- Platão, meu querido. É a vida. Todo movimento vai seguindo. Já ouviu falar de samba?
- Que é isso?
- É um ritmo que os bárbaros cantam. Mas tem um que diz: deixa a vida a me lavar... É isso. Se vocé fica procurando uma Atenas que só existe na sua cabeça, dá ruim. Vai por mim.
- Lá vem você criticar minha doutrina das ideias...
- Nao, rapaz. O que eu estou dizendo é que, vai, falando sua língua, a imagem sensível de Atenas sempre será inferior àquela Atenas ideal ou cidade ideal, sei lá. Por isso eu digo. Se prender é bobagem.
- Mas as pessoas, Aristóteles. Olha como elas se comportam. Parece que o tempo todo se preocupam com esse invólucro imperfeito. E ficam reproduzindo a própria imagem vez após vez. Não tem nada que as solidifique em nada. É só imagem. Cópia da cópia da cópia. Já ouviu falar de Instagram?
- Já.
- Então! Quer coisa mais vazio do que aquilo? E pra que?
- Sei lá. Tudo é mímese.
- Mímese, meuzovo!
E ficaram discutindo a noite toda. No fim Aristóteles teve que levar ele pra casa carregado. Se ele fosse vivo, teria pedido um Uber.
Tiago da Silva
Enviado por Tiago da Silva em 12/09/2019
Código do texto: T6743316
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tiago da Silva
Afogados da Ingazeira - Pernambuco - Brasil, 28 anos
453 textos (11377 leituras)
3 áudios (299 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/09/19 15:48)
Tiago da Silva