Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prendam o mijão!


Dirigia-me à parada de ônibus costumeira na Estrada da Cacuia, quando, de um instante para outro, senti uma brutal vontade de mijar.

Fiquei apavorado. Afinal, mijar na rua dá cana, e a polícia carioca está de olho nos mijões — no último dia 9 prendeu três na Zona Sul, todos da classe média alta, e não é improvável que esteja em curso alguma ação na Ilha do Governador, de helicóptero e tudo.

Antigamente era a maior moleza. Em caso extremo, a gente corria para trás de uma árvore providencial, fingia não estar nem aí para o ar de reprovação dos transeuntes, e ficava tudo certo. Era só não olhar muito para os lados ao guardar o boneco e seguir em frente, cabeça erguida, racionalizando o caso como um pecado venial.

Nisso as mulheres sempre levaram nítida desvantagem na hora do aperto; a menos que estivessem em grupo, voltando para casa depois de uma grande farra com os amigos. Nos meus tempos de biriteiro e mijão de rua fiz muita paredinha para essas companheiras de infortúnio. Hoje são senhoras que regulam comigo em idade e têm verdadeiro pavor da minha memória de cronista.

Na literatura, temos em Vidas secas, de Graciliano Ramos, a mijada antológica de sinha Vitória atrás de uma igreja, e não me consta que por causa disso tivesse arrumado encrenca com o soldado amarelo.

Mas agora a ordem é prender os mijões, lavrar a ocorrência e levá-lo à presença do juiz. Pelo que declarou à imprensa um policial, serão fatalmente condenados a distribuir cestas básicas ou a prestar serviços comunitários em áreas carentes.

Se querem saber, acho um exagero. Mijar na rua não pode ser caso de polícia, mas sim de banheiros públicos bem-cuidados nos principais logradouros da cidade e de campanha nacional criativa, sem esculhambação moral.

Quanto a mim, aflito como estava, mijei num terreno baldio ali perto, sob o olhar solidário (mas também irônico, muito irônico) de um cão sem dono.

[17.12.2005]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 03/10/2007
Código do texto: T678574

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 69 anos
166 textos (17340 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 01:18)
Luiz Guerra