Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavra Solta - Lampião e Mané Severo

Palavra Solta - Lampião e Mané Severo

*Rangel Alves da Costa


A manhã já arribava em sol. O cachorro latia sem parar. Coisa mais estranha, ele logo pensou. A mataria parecia zunir, as folhagens pareciam gritar. Ao abrir a porta, até onde os olhos puderam avistar, não quis acreditar no que via. As pernas logo estremeceram. Era corajoso demais, sertanejo demais, mas o avistado desconsertava de tudo. Adiante, surgindo de dentro dos matos, aqueles homens e suas estranhezas. Uns carrancudos, cabeludos, todos paramentados de brilhos e trançados. Roupas grossas, sujas, mas brilhosas pelos adornos dependurados. Armas, punhais e cartucheiras. Passos apressados seguindo naquela direção. “Deus do céu!”, imaginou que dizia. Os dedos anestesiados já não sabiam o sinal da cruz. “Deus do céu!”. E de repente ouviu: “Tá com medo, cabra?”, indagou o da frente. Era Lampião. Então a cangaceirada se aproximou mais até receber uma ordem: “Esse não. Num quero desgraceira aqui!”. E se voltando para o bando, ajuntou: “Esse é Mané Severo, protegido do Coroné Edvaldo de Água Branca. Um sertanejo arretado. Gente da gente!”.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 14/01/2020
Código do texto: T6841948
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 56 anos
10432 textos (325751 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/01/20 08:49)
Rangel Alves da Costa