Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

sou início e fim, meio das coisas, achado de luzes, perdido em lampejos.

se sou, sou parte. Se tenho a posse, sou dono; se me falta é porque não ganho, se tenho é porque me sobra.

das sombras permeio igualdades, e se não me faço rei de povo nenhum, é porque não tenho terras e assim posso semear a discórdia entre os brandos e oclusos.

sou a borda e o voo. Parecido com borboletas.

tenho rainhas fogosas e pajéns de cama.

sou a guarda e o pão.

guerreiros, imponho a minha porta e venço os inimigos apenas quando sonho que sou príncipe de galenas e mares desfeitos na areia.

sou assim. sempre de guarda, sempre afoito, modelado em meio de medo.

espero a sombra dela para fazer a minha. espero os lábios delas para tentar ser feliz.

mas qual! felicidade eu só compro.

vou às esquinas sem vida e, na balança da vida, faço a prosa e o verso.

faço a luz e por isso, sou o início e o fim, sou o início da premissa, da espera e da tristeza, de entender as estrelas só quando o dia tende a cair.

mas não posso poupar regras. pois sou o primeiro a quebrá-las.

sou isso, sou aquilo. Tenho moedas e por isso compro dengos.

rezo por zeus - deus dos aflitos.

não há fim, princípio, não existe, igualdade é rala e quando de perdão eu peço, e dizem lá:

"lá vai o homem de seis moedas e duas tristezas"!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 03/03/2020
Reeditado em 03/03/2020
Código do texto: T6879245
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2478 textos (32451 leituras)
1 e-livros (150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/09/20 03:27)
José Kappel

Site do Escritor