Sem receita mágica, mas sim, você pode ser feliz

Dinheiro, status, roupas de grife, joias, ou quem sabe um lindo modelo importado na sua garagem; que tal?

Esqueça! Não é necessário ser nenhum guru da autoajuda para saber que essas coisas não são por si mesmas capazes de fazer uma pessoa feliz.

Homens, mulheres e até crianças adoram consumir. Ir às compras parece ter o poder de nos deixar mais felizes. Entretanto, quanto tempo dura essa euforia? Menos do que a próxima ida ao shopping.

O dinheiro compra conforto, mordomias e até um relacionamento financeiro-afetivo (ou fingido) acomodado, mas sim, os ricos também choram e têm suas dores de cabeça. Pesquisas mostram que alcançado certo limite, a quantidade de moeda acumulada não determinará mais nenhuma diferença no grau de satisfação pessoal do indivíduo. Mas, aqui temos constituído um problema que dificulta a compreensão deste fato: é que a maioria da população mundial é obrigada a viver com rendas que estão muito abaixo desse limite, enquanto que uma grande parcela da mesma continua a viver em situação de extrema pobreza. Assim para esses grupos, o dinheiro pode efetivamente se transformar no meio de conquistarem a sua felicidade.

E o status social? Frequentemente ele atrai como um imã pessoas falsas e interesseiras, que vão conquistando terreno pela tática da bajulação.

É bem comum ainda que as pessoas condicionem a sua felicidade à concretização de um desejo ou sonho. Desse modo costumam afirmar coisas do tipo “quando eu me casar com o fulano eu serei feliz” ou “só serei feliz quando eu tiver a minha casa própria”. Infelizmente trata-se de pura ilusão, pois no momento em que atingimos nossas metas materiais e afetivas, passamos imediatamente a eleger novas metas como condição indispensável à nossa felicidade. Temos um feroz apetite por novidades. Daí surgem as paixões mais enganadoras.

Não há uma receita infalível que possa garantir a felicidade, todavia, existem algumas dicas que merecem a nossa atenção:

1º AMAR E SENTIR-SE AMADO: o ser humano necessita de carinho e afeto sinceros. Beijos e abraços auxiliam inclusive no fortalecimento do nosso sistema imunológico.

2º ENGAJAMENTO: engajar-se em causas sociais, realizar trabalhos voluntários etc. ajuda a nos sentirmos mais úteis e isso aumenta a nossa satisfação pessoal. Fazer o bem está diretamente ligado à felicidade.

3º ESPIRITUALIDADE: pessoas religiosas ou que cultivam a crença no “algo superior” costumam desenvolver uma fé que as auxilia a superar os momentos difíceis. Também tendem a ser mais otimistas e desapegadas dos bens materiais, causa frequente de angústia humana.

4º PAZ NA CONSCIÊNCIA: ter uma consciência atormentada por remorsos atrozes é viver permanentemente na caverna escura da infelicidade. Novamente vale recordar a regra de ouro “não façamos ao outro aquilo que não queremos que este nos faça”.

E não adianta viver no passado ou querer antecipar o futuro. Imprescindível é vivermos o hoje, procurando fazer o melhor que pudermos.

A felicidade pertence ao nosso cosmo interior, portanto, pare de procurá-la lá fora, no outro ou na coisa material.

Por fim, compartilhar é ótimo e traz alívio e alegria. O orgulho e o egoísmo são os maiores obstáculos à nossa felicidade.