Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Racismo instituído

Quando cheguei em Fortaleza em 2005, tinha uma semana que havia chegado, passando pela rua de cima,  uma senhora acenou com mão me chamando:

  —Ei mulher você trabalha onde?

 Eu levantei minha cabeça e olhei bem fundo nos olhos daquela criatura e respondi:

—Não trabalho na casa de ninguém.

Você mora onde?

Ela estava querendo saber quem eu era.

Eu sou mãe de Larissa de Almeida, mesmo assim ela não se tocou e pediu pra pegar no meu cabelo que estava no ombro e bastante cacheado, ela tocou e me disse:

É mole!

Eu perdi o respeito e lhe disse você imaginava o quê?

Falei com uma agressividade tão grande que essa criatura me deixou em paz.

Isso é o quê? Afago?

Em outro tempo, lembro que lecionava numa escola daí uma criança me chamou e disse:

 —Tia a senhora é tão bonita por que esse cabelo curto?

Eu pedi a atenção da turma repeti a pergunta do aluno e respondi:
 
 —Porque o cabelo é meu a vida é minha e eu faço o que quiser pois vivemos num país livre e o que faço com meu cabelo, maneira de vestir entre outras coisas precisa ser respeitado.
Se não fosse dessa forma o mundo seria muito chato o que nos "une" são as diferenças.

Alguns alunos bateram palmas pra mim, outros resmungaram:

—  Valha! Como a tia é grossa!

´Sofri sim chorei sim, mas aprendi a não abandonar meu sotaque baiano, a deixar meu cabelo grande cacheado quando queria e cortar bem curto também.

E no primeiro dia em sala de aula procurava deixar bem claro que era baiana, neta de uma negra chamada Clara, e que eu também era negra soteropolitana, que era diferente e que eles me respeitassem.
Clara de Almeida
Enviado por Clara de Almeida em 08/04/2021
Reeditado em 08/04/2021
Código do texto: T7226755
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre a autora
Clara de Almeida
Salvador - Bahia - Brasil, 58 anos
227 textos (7431 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/04/21 10:51)
Clara de Almeida