Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROFESSORA JOSEFINA

A minha primeira professora era proprietária de um Educandário. Lá mesmo morava. A escola, apenas a sala de visitas. As carteiras eram banquetas , fazendo par com as cadeiras da sala de jantar,  e mais uns tamboretes. O piso da sala e de todas as partes da casa até onde os nossos olhos abelhudos podiam voar, era de barro, bem vermelhinho. Especialmente às segundas-feiras por causa da lavagem do domingo.
Às sete horas da manhã, pontualmente, as crianças sentadas, quietas, lápis, papel e livro de leitura a postos esperavam a entrada triunfal da mestra. Vestida numa saia preta até o meio da canela, blusa de cambraia bordada, muito bem passada e engomada, abotoada até o pescoço e cheia de bordadinhos delicados. Os sapatos de Josefina eram fechados, baixinhos, limpíssimos. Os cabelos da professora repartidos do lado direito, dois grampos de cada lado acomodavam a única rebeldia e aspereza daquela criatura. O rosto empoado a tornava acinzentada. Usava um relógio de pulso. Só. Os livros sobre a mesinha. Caminhava sem arrastar os pés. Emanava respeitabilidade, sapiência. O riso simples, corretíssima. Sentava com as pernas bem juntinhas. Cumprimentava os alunos como se fossem príncipes. Levantava-se. Todos já entendiam: hora de cantar “Ouviram do Ipiranga às margens plácidas/de um povo heróico o brado retumbante”. Retumbava a voz do menino mais envolvido. Josefina , em  tom baixo,  mas audível. Os olhos negros percorriam a saleta. Verificava,  sem constrangimentos,  se todos acompanhavam. Murilo abria e fechava a boca, fingindo e correndo atrás do “penhor dessa igualdade...” Os alunos, tesos, apalermados diante de tanta riqueza, pujança, resplandecência, justiça, luta e morte. Ainda bem que,  assim gigante, a pátria era uma mãe gentil.
Chamada pausada, livro de leitura e tabuada. Era uma mãe gentil, na tabuada, a minha querida professora.
Uma coisa me alegra, Josefina, é fazer justiça, resgatar você da ingratidão histórico-pedagógica.


                                                           março de 2005




TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 07/11/2007
Reeditado em 07/11/2007
Código do texto: T726952
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1684 textos (177223 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/12/17 23:05)
TÂNIAMENESES