Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Perdas

Uma das coisas da vida para as quais nunca estamos preparados, são as perdas. Perder nunca é fácil. Seja o que for.
Logo que nascemos, já experimentamos o quanto pode ser traumatizante uma perda. Começamos, de cara e sem aviso prévio, perdendo o nosso lugar tão quentinho e tranqüilo dentro da barriga da mãe. Ainda por cima damos de cara com um médico carrasco que sem termos feito nadinha de errado, já sai nos tapeando a bunda! Buááááá!!!
Quando somos crianças somos obrigados a aprender a dividir. Saco!!
O brinquedo que era meu, agora vou ter de dar para outra criança brincar. De novo, não contávamos com isso.
Temos de dividir a mãe com outro irmãozinho que chega. Mas vem cá, a mãe não era minha?? Lá vem o beiço...
Quando adolescentes, perdemos a inoscência de achar que todas as pessoas são boas e que as pessoas "más" só existem nos filmes.
É a fase dos primeiros namoros, do primeiro contato com o sexo oposto (ou o mesmo, dependendo do gosto de cada um) e também dos primeiros pés na bunda. Putz! Perdi de novo...
Quando adultos, bah! Aí sim que começa o show.
Perde-se oportunidades, amigos, que descobrimos que não eram tão amigos assim, amores (quem nunca levou um fora?), perde-se pessoas que amamos e que foram dessa prá melhor (não preciso dizer que prá este tipo de perda, além de nunca estarmos preparados, mesmo, é a mais difícil de aceitar, não é?), perde-se a razão, perde-se a vaga no estacionamento, ou a liquidação do Shopping, puxa estas duas são prá matar!
E pior, quando perdemos aquilo que na verdade nunca havíamos chegado a ganhar!
Acontece que na vida, sempre temos algo a perder. Quem não tem é porque nada tem, nada conquistou, nada construiu!
Mas uma das coisas, que não me importaria nada de perder é o medo.
Medo de muitas vezes não conseguir lidar com, ou não suportar, tantas perdas.
Agora, por outro lado ganhamos, quando, apesar de tudo, não perdemos a esperança, a fé, a persistência para conquistar tudo aquilo que sonhamos. Principalmente, quando não perdemos a teimosia.
Teimosia que nos faz seguir em frente e insistir nesta coisa tão maravilhosa chamada vida! Que apesar de todas as perdas, é o maior presente que ganhamos!
Sabrina Jung
Enviado por Sabrina Jung em 11/11/2007
Reeditado em 11/11/2007
Código do texto: T732647

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e link para o blog: tagarella.blig.ig.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sabrina Jung
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 46 anos
67 textos (13777 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 18:32)
Sabrina Jung