Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O RANGER DO MEU PORTÃO

     De início, não me incomodava. Mas, passado algum tempo, foi me perturbando. Era um som choroso, desagradável. Arrumei, então, o lubrificante apropriado e coloquei-o nas dobradiças. E quem disse que adiantou? O portão continuava a ranger. Mais suave, contudo, ainda a ranger. Deste modo, permaneceu. Felizmente, aos poucos, voltei a me acostumar, aceitando aquele ruído até não mais o achar tão irritante. Talvez, por começar a considerá-lo útil, uma vez que ele anunciava quase sempre a chegada de algumas visitas, principalmente os amigos. E, como morava em companhia apenas da minha mãe, era aquele som que tranqüilizava-me, também, quando eu aguardava o seu retorno de algum lugar que tivera ido. Isso aconteceu por vários anos. (Estamos falando de uma época em que não havia ainda a telefonia móvel). Todavia, o tempo passou. Até quando uma ocasião atrás acabei perdendo, de forma inesperada, essa querida mãe e companheira. Jamais posso esquecer o ruído causado pelo portão naquele seu último dia. Foi, sem dúvida, o mais tristonho de todos.
     Hoje, tudo é diferente. Os visitantes já não aparecem com freqüencia. Preferem telefonar. Fiquei sozinho com uma imensa tristeza. E ansioso na expectativa, como nunca, de ouvir a qualquer momento o barulho - que também mudou - deste meu portão. Agora, soa como se fôra uma sonora risada.
EVERTON CERQUEIRA
Enviado por EVERTON CERQUEIRA em 15/11/2007
Reeditado em 30/03/2008
Código do texto: T738410

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EVERTON CERQUEIRA
Salvador - Bahia - Brasil
160 textos (34579 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 11:06)
EVERTON CERQUEIRA