Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AO INVÉS DE RIFLES, RIFES DE GUITARRA (Acordes da terra)

      Hoje em dia associo o rock and roll aos recursos naturais, ambos cada vez mais escassos: Assim como absorvemos a água para manutenção do nosso corpo e para matar nossa sede, captamos o rock and roll para estabilização mental e sintonias eletrizantes, um dueto de mente sã em corpo sã.  Mas com as “ações de desmanche” proporcionadas pelo ser humano desmontando o grande palco onde se passa o show da vida, um palco que já foi dinâmico aos rifes essenciais da sobrevivência, o maior dos palcos que tinha capacidade para milhões de pessoas, onde ainda se ouvia acordes de harmonia e perfeição. A grande arena; TERRA, que dias após dias vem perdendo seu publico mais seleto, seu publico mais harmonioso, um publico que ao ouvir o som das cachoeiras transportava os acordes para as cordas da guitarra, fazendo um som natural e puro, limpo para os ouvidos mais apurados, publico que bebia água da fonte e se banhavam desnudos em ondas sonoras, mas hoje em dia as cordas das guitarras estão nos pescoços dos desalmados, que trocam rifes por rifles, notas sinfônicas por notas cifrônicas.
     Daqui uns tempos vamos lembrar daquele copo de água que lubrificava as cordas vocais da garganta do vocalista ativista, como quem lembra de um mito cujo poster ornamenta seu quarto, pois quando ligo as “turbinas” do meu modesto som de 14 caixas acústicas me transporto por tempos áureos, e lá pertinho do meu palco hipotético, sinto o movimento da platéia  em tons vibrantes, molho a garganta para gritar em voz possante, e meus olhos acompanham aquele mito do poster que surgia dedilhando sua maquina de guerra que atirava ritmos e acordes, sons que tiravam o sono. E ao inserir uma de suas canções que falava de uma tal metralhadora (Machine gun), levei a mão no peito e vi que fui atingido com balas sinfônicas, e quando olho para o poster sinto no peito a nostalgia da magia que os tempos remotos proporcionaram.
     Humanidade por favor toque um acorde que acorde, que faça despertar do sono dos injustos daqueles que tem sede de poder, e o que me dá forças para minha sustentabilidade é uma guitarra em forma de coração que vibra com notas possantes e sequenciadas dentro do meu peito.



* O sujeito do poster, que dedilhava sua "metralhadora" era um tal JIMI HENDRIX
Rommyr Fonttoura
Enviado por Rommyr Fonttoura em 16/11/2007
Reeditado em 16/11/2007
Código do texto: T739537
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rommyr Fonttoura
Mariana - Minas Gerais - Brasil
265 textos (9913 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 23:43)
Rommyr Fonttoura