Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Correndo contra o tempo

Tem dias que estamos correndo contra o tempo.
Ontem foi com certeza, mais um desses dias.
Ultimamente tenho corrido sempre. De dia e de noite. Com muitos afazes. Só não sei aonde chegar.
Marquei médico para avaliação rotineira e, esperava que as obrigações do dia terminava ali.
Sim, terminou, mas demorooouuu.
O dia estava encolhendo e o congestionamento esticando como elástico, provocando angústia.
Salvador é linda, é uma cidade referencia para todos os baianos nascidos aqui ou não.
Esta cidade tem um intenso magnetismo sobre as outras da região metropolitana. É como se todos ou quase todos os habitantes tivessem nascidos aqui e, na maioria das vezes, isso é verdade, por ser mais desenvolvida e com bons recursos médicos do setor privado.
Muitos nascem Soteropolitanos e no dia seguintes já estão nas cidades residências de seus pais.
Soteropolitano é um nome por demais extenso para quem estréia em Salvador (pois o povo daqui não nasce: estréia). E, assim se tornam dela. Que por muitas vezes nem a conheçam bem na idade adulta.
Tenho orgulho da cidade em que nasci e, ao mesmo tempo sinto, que uma grande parte de mim é de Salvador.
Quando estou em outro estado e percebem meu sotaque é comum perguntarem: Você é baiana bixinha? Como está Salvador?
Acredito que todos pensem que para ser baiano tem que ser de Salvador. Isso me parece ótimo.
Se a Bahia é o coração do Brasil, Salvador é o coração da Bahia. Todos têm espaço no coração desta terra. A maioria dos baianos de Salvador quando perguntado a sua natalidade, logo respondem: Sou da Bahia, de Salvador. Cheio de orgulho e dengo.

Vamos voltar a vaca fria. Paramos na Pituba para saciar a fome. Pedimos recomendação numa loja onde encontrar um bom restaurante com comida a quilo. Alí disse a simpática moça, naquele prédio de fachada laranja.

Eu e meu colega do trabalho, fomos ao luxuoso restaurante self service, isso mesmo, estão realmente elevando os serviços e os preços. A qualidade da refeição também. Já se foi o tempo que só pobre comia a quilo. Tinha fome de leão de circo. Servi-me, como de costume e fui à mesa.

Percebi que o colega falava animadamente ao telefone com o irmão e esqueceu completamente de mim. Sentei-me à mesa acompanhara só pela minha enorme fome.

Como sempre faço, observei o entorno. Quanta gente bonita e bem vestida! Pareciam que iam para uma festa. Havia jovens, maduros e idosos. Como se fossem três grupos distintos.

Fiquei imaginando que os jovens eram passantes, os maduros trabalhadores das empresas da região e os idosos, moradores antigos.

Havia poucas mesas vazias e não tinha fila no atendimento. Senti-me especial, como se aquele lugar estivesse a mim reservado.

Sentei ao lado de uma querida avozinha, que conversava com outra avozinha da mesa ao lado. Achei muito estranho que falavam alto e não ocupavam a mesma mesa. Mais estranho ainda era o fato de que pareciam não estarem interessada, no melhor motivo de se estar ali. A deliciosa gastronomia. Não há como ficar indiferente naquele ambiente multicolorido.

Quando quase terminava a minha refeição, finalmente meu colega sentou. Fui obrigada a passar para o "segundo tempo" e me servir de uma generosa fatia de pudim de leite.

Neste instante, percebi que chegaram uma jovem, lá pelos trinta anos, em senhor idoso e um homem com cerca de 45 anos. Ele estava fardado. Deduzi que era motorista do casal de idosos.

A mocinha serviu um prato para uma senhora e para si própria, enquanto o motorista servia dois pratos para os idosos e para ele.

O motorista tratava os idosos com tanta amabilidade e carinho e era recompensado por muitos sorrisos. Sorri sozinha, não resistindo, comentei com o colega que tenho quase certeza de não ter percebido:
- Há ainda muita dignidade nesta terra.


http://www.michelonenergia.com.br
 
A Regina Michelon
Enviado por A Regina Michelon em 29/11/2007
Reeditado em 26/08/2017
Código do texto: T758003
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
A Regina Michelon
Simões Filho - Bahia - Brasil
374 textos (22991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 18:12)
A Regina Michelon

Site do Escritor