Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema quase alheio

Quem me dera meu amor, ah quem me dera!
Se o dia fosse como o luar.
Se o inverno fosse como a primavera,
Mil perfumes ele iria exalar.

Se eu fosse seu amado, ah quem me dera!
Doces beijos em você iria dar.
Novos dias, novos tempos, nova era,
Entre nós sempre iriam perdurar.

Levo a vida à baila, contigo em deleite no pensamento,
O contínuo intenso desejo, enfim causa-me enjôo.
Cedo a olhares estranhos; de ti aparto minguado,
Em festa adiada por outros, saio em ignoto vôo...

Formidável viver desprovido de toda lembrança,
Amando quem me quiser, sem muitas verdades.
Pode guardar o que  foi um sonho feito herança,
Vá aos poucos se fartando de infindas verdades.

                                         1º e 2º Estrofes: Valério Márcio
                                         3º e 4º Estrofes: Nelci Nunes


Valério Márcio
Enviado por Valério Márcio em 20/10/2008
Código do texto: T1238070
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Valério Márcio
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
539 textos (59787 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/05/21 06:18)
Valério Márcio