Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Loucura

Eu sou assim meio louca,
um pouco certa talvez
e o mal que o mundo me fez
virou verso em minha boca.
Tantas vezes já morri,
para ser outras mulheres,
que desamor não me fere,
pois vim amando até aqui.
Por isso quando te calas
nessa distância que finges,
teu silêncio não me atinge,
mas teu olhar me apunhala...
Tu sabes quanto padeço
por tudo quanto me negas
porém quando não me enxergas
é aí que eu enlouqueço.
Eu bebo minha loucura
nos restos das tuas taças
e ainda agradeço a graça
do sabor da amargura.
-Louca! Dirão de mim
por esta forma de amar-te
sem saber que amor e arte,
misturados, são assim...
É cegueira, mais que impulso.
eufemismo e pleonasmo,
fanatismo, entusiasmo
que amolam facas nos pulsos.
Sou igual à estrela Dalva
que espera o sol pra morrer...
Eu só consigo viver
porque teu brilho me salva.
Essa mistura fatal
de relâmpago e sereno,
de antídoto e veneno,
de poesia e punhal:
é loucura que se agrava
entre o inferno e o céu,
mas é quem guia o cinzel
e reinventa a palavra.
Posso ser louca assim
neste lirismo profundo
mas no teu poço sem fundo
tu sempre chamas por mim.
Eu sei o quanto sou louca
do que me arrisco na borda
para te jogar a corda...
com que fazes minha forca.
Quem não sabe se assombra
sem saber o que é amar;
tu nasceste pra brilhar
e eu pra ser a tua sombra.
E tinha que ser assim
pra o mundo ler, afinal
o teu verso de cristal
Impregnado de mim.

Louca

Vaine Darde

Se louca é ordenar
dotes divinos e raros,
com mãos de seda criar
seres de aço e de barro;
entre orquídeas andar nua
no jardim onde te exilas
e, ao ver a fome das vilas,
morrer de estrela e de lua.
Se ser louca é amar
com devoção franciscana;
chorar rios, chorar mar
quando a aurora se engalana;
manter crença e altar
por um falso querubim
e dar asas de cetim
a quem não sabe voar,
Se ser louca é dar consolo
a quem só te desconsola
e trocar o céu dos olhos
por migalhas e esmolas;
aceitar esse arranjo
que te cega e te seduz
e ainda ser o anjo
de quem é a tua cruz:
Cala o verso em tua boca,
depõe o cinzel e a lira
que, deveras, tu és louca
e o amor é uma mentira.









Hevelyn
Enviado por Hevelyn em 26/02/2007
Reeditado em 01/03/2007
Código do texto: T394371

Comentários

Sobre a autora
Hevelyn
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 39 anos
19 textos (874 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 21:14)
Hevelyn