Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SUBLIME ARTE DE FLORBELA ESPANCA E CECÍLIA MEIRELES

    Oh, poesia! Fascinante exaltar de pensamentos
    Exultação na alma que não acalma até expressar
    As alegrias finitas e os indesejados lamentos
    Que machucam a essência enrubescida de tanto amar.
   
    Nesse universo de amor, saudade, solidão e sofrimento,
    Florbela Espanca, viveu entre sonhos e realidade, um apogeu,
    A princesa do conto, a poetisa que rebuscava o entendimento,
    Arfante entre amores, melancolia e na dor que nem sempre doeu.

    Permeados de encantamentos são seus eméritos versos
    Retocados por luas presenciando uma tristeza imensa
    Lastimosos seus olhos pousados nesse universo
   Também vislumbraram a felicidade de paixões intensas.

   No palpitar desse coração poético de imensuráveis emoções
   Transbordaram inspirações vibrantes e o desejo de ser feliz
   Refinava o deleite de ter o domínio em suas composições
   Sobre a plácida ideia por vezes desfazer um momento infeliz.

   Jovem e nostálgica ausentou-se dessa vida terrena
   Deslizando entre as estrelas que figuravam em seu poetar  
   Imortal seu nome reflete em cada constelação serena
   Venerável autora de obras poéticas, que fazem leitores devanear.

                                                 ( Verdana Verdannis)


   Quando a noite mais escura se fazia
   encontrei de Cecília um lindo verso
   que buscava o Absoluto no Universo
   transmutava o sofrimento em agonia.

   Se de Krishna- idealmente - foi uma filha
   foi de Ghandi ferrenha admiradora;
   do planeta cidadã e moradora,
   foi mistura de pelágio e de ilha.

   Rosas das ondas e da fugaz espuma
   cantava o mar com rimas de sereia
   e lia na leveza da precária areia
   a vã vaidade da volúvel pluma.

   Conformada, foi na vida de passagem
   atravessando a escuridade feito vento
   descobrindo seu sublime lenimento
   nos livros Veda da mística mensagem.

   Cedo foi-se essa esplêndida figura
   da paz amiga e dos seres diminutos
  - seus versos pelo mundo são arautos:
   de amor e resiliência à desventura.

                                           (Richard Foxe)


Verdana Verdannis e Richard Foxe
Enviado por Verdana Verdannis em 09/02/2020
Reeditado em 09/02/2020
Código do texto: T6862141
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Verdana Verdannis
Fortaleza - Ceará - Brasil
255 textos (27215 leituras)
59 áudios (3184 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/02/20 22:52)
Verdana Verdannis