Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

APOSTILA 7

CEFET – Diretoria de Graduação - Departamento de
Linguagem e Tecnologia - Curso de Letras
Disciplina: Linguística Histórica
Profa.: Rosane V. G. Beltrão
Aluno: Luís Antônio Matias Soares

ATIVIDADES – APOSTILA 7

1 – De acordo com os conhecimentos construídos a partir dos estudos sobre a “História da Língua Portuguesa”, realizados até o momento, estabeleça uma relação entre a APOSTILA 7 e as anteriores.

O primeiro aspecto observável nos textos é que temos de um lado uma livro escrito em 1981 (Melo) e, de outro, uma obra mais recente (Filho), datada do ano de 2002. Entre a publicação das duas transcorreu um período de tempo que se estende a mais de duas décadas e suficientemente grande para que se tenha processado inúmeras mudanças de pontos de vista, formas de compreensão do tema e de conceitos no estudo da Linguística Histórica.
Um aspecto interessante a se destacar inicialmente reside na utilização dos termos adotados pelos dois autores para designar o latim falado pelas classes superiores e pelos populares romanos. Em certos momentos, por exemplo, Filho substitui o termo vulgar por coloquial e o termo culto pelo termo literário. Melo, no entanto, utiliza-se sempre dos termos latim vulgar e latim culto, apontando constantemente a idea da existência de uma língua melhor e outra pior (um dos sentidos da palavra vulgar).
Apesar de menos detalhista, isto é, de fazer menos uso dos aspectos descritivos os fatos históricos, as análises de Filho baseiam-se em conceitos/concepções econômicos, políticos e sociais que – cada uma a seu modo - influenciaram os estudos e a percepção da língua portuguesa dentro da disciplina linguística histórica.
Já o texto de Melo é recheado de uma infinidade de detalhes nos aspectos informativo-históricos, o que também tem o seu lado interessante. Ele é muito mais descritivo e comparatista - bem como muito mais ufanista em relação às questões de Portugal e da língua portuguesa - enquanto que Filho é mais centrado e se mostra com uma maior isenção em suas análises.
     
2 – Faça uma leitura cuidadosa dos poemas dos três autores – Bilac, Teles e Veloso. Facilmente você perceberá nestes textos diferentes abordagens sobre a história da língua portuguesa. Apresente um comentário crítico a respeito dessas abordagens.

Adotando, nesse momento, a posição diacrônica muito comum no estudo e nas pesquisas históricas e linguísticas, veremos aqui três distintas visões ou versões a respeito da língua portuguesa e brasileira esboçadas igualmente em três momentos diversos da poesia e da história da língua portuguesa no Brasil.

Temos então três poetas de épocas e escolas literárias diversas.

O primeiro deles é poeta Olavo Bilac, nascido em 1865 e falecido em 1918, pertenceu ao parnasianismo. Esta escola literária se define por uma (A História do Parnasianismo, 2008) estética de caráter quase que exclusivamente poético e originária de uma reação aos abusos sentimentais produzidos pela escola Romântica. O Parnasianismo se formou no Brasil lado a lado com importantes acontecimentos históricos: a abolição da escravatura em 1888 e a Proclamação da República em 1889. Caracterizou-se pela metrificação rigorosa, rimas ricas e preferência pelo soneto.

O soneto de Bilac, denominado “Língua Portuguesa”, é composto por 14 versos distribuídos em dois quartetos e dois tercetos. Nele, Bilac aborda a língua portuguesa tanto sob aspectos históricos quanto sentimentais. O primeiro verso se refere à língua portuguesa, “Última Flor do Lácio, inculta e bela”. O português foi a última língua derivada do latim falado por soldados e mercadores romanos da região do Lácio, na Itália. Bilac nos apresenta o seu amor pela língua através de variados paradoxos linguísticos que vai dispondo aos poucos no corpo do poema, como: “És, a um tempo, esplendor e sepultura” (berço do nascimento de uma nova língua, no caso, o português, e morte de outra, o latim); “Tuba de alto clangor, lira singela, que tens o trom e o silvo da procela e o arrolo da saudade e da ternura” (a língua é rica o suficiente para poder se expressar tanto quando diz coisas grandiosas quanto quando se refere a sentimentos de amor e ternura, como aquela palavra que representa o conteúdo do sentimento da saudade). Para o poeta a língua ainda não fora lapidada o bastante, assemelhando-se ao cascalho ou ao ouro bruto. Decerto que tem já o seu valor, visível na graça e na exuberância de suas expressões, nas canções que entoam os seus músicos e poetas, nas emoçoes e nos versos que exprimem sentimentos, mas pode se valorizar ainda mais, principalmente nas terras brasileiras recheadas de uma beleza ainda selvagem e pouco tocada pela mão do homem. Bilac informa que a lingua foi trazida de Portugal, tranplantada e implantada na nossa terra ao afirmar: “Em que da voz materna ouvi: meu filho! E em que Camões chorou, no exílio amargo, o gênio sem ventura e o amor sem brilho”. Dá finalmente a entender a genialidade de Luís de Camões ao levar a língua portuguesa a exprimir a força e o engenho da epópeia lusitana.

O segundo poema chama-se “Língua” e foi composto por Gilberto Mendonça Teles. O poeta (Wikipédia, 2012) nasceu em Bela Vista, Goiás, a 30 de junho de 1931. É poeta e crítico literário, conhecido, principalmente, pelos estudos sobre o modernismo e a vanguarda na poesia.
“Esta língua é como elástico
Que espicharam pelo mundo”

Nos versos iniciais, o autor informa que o português é uma língua muito comprida tanto no tempo quanto no espaço. Ela se origina e se estende do latim coloquial ou vulgar falado pelos soldados e mercadores romanos, passando por sua transformação/adaptação nas línguas européias (o português, o galego, o espanhol, o italiano, o francês e o romeno), para, em seguida, ser transplantada e implantada nas diversas regiões do mundo: Brasil, África e Ásia.

“No início era tensa,
De tão clássica”

O autor deixa registrada a separação entre o português literário ou culto (também chamado de português padrão, castiço ou clássico) e o português coloquial, popular ou vulgar, utilizado pelos cidadãos no dia a dia.

“Com o tempo, se foi amaciando,
Foi-se tornando romântica,
Incorporando os termos nativos
            E amolecendo nas folhas de bananeira
            As expressões mais sisudas”

Aos poucos, a língua portuguesa implantada em nosso pais foi-se afastando daquela concepção de língua clássica e culta e se abrasileirou, isto é, adaptou-se ao nosso clima, ao nosso modo especial de ser tropical e menos sisudo que o dos homens da Europa. Teles nos diz que a língua foi se amanciando e amolecendo as expressões sisudas.
Outro ponto interessante advém da mistura das culturas. Nesse sentido, uma série de expressões e palavras de todos os povos ajudaram a criar o português brasileiro. Essas colaborações vieram não apenas dos nativos da nossa terra, mas de todos os homens do mundo, africanos, asiáticos e europeus de todas as nacionalidades, credos, línguas e dialetos que fizeram dessa a sua terra.

“Um elástico que já não se pode
Mais tocar, de tão gasto
Nem se arrebenta mais, de tão forte.
Um elástico assim como é a vida
Que nunca volta ao ponto de partida”

Um língua, portanto, de que não se perde e nem se arrebenta mais, da qual não mais nos perderemos devido ao fato dela já se achar incrustrada no inconsciente e no falar dos brasileiros. E assim pois, exatamente como a vida é, jamais retornará ao ponto de partida, seguindo sempre em frente  adiante, se enriquecendo dia após dia nessa miscelânea de culturas que habita entre nós.

O último poema, “Língua”, pertence ao Tropicalista baiano Caetano Veloso. Veloso (Wikipédia, 2012) nasceu em 1942, em Santo Amaro da Purificação. É músico, produtor, arranjador e escritor brasileiro. Com uma carreira que já ultrapassa quatro décadas, o músico construiu uma obra musical marcada pela releitura e renovação.

“Gosto de sentir a minha língua roçar
A língua de Luís de Camões”

Nesse verso inicial Caetano procura tanto retirar a língua portuguesa do assento do falso trono onde ela possa se imaginar encontrar quanto declarar que a língua culta/literária é também bastante bela, já que a língua português que Camões ajudou a criar e usou é de fato aquela designada sob o título de português culto. Mas ao mesmo tempo, Caetano busca também trazer Camões e a língua culta a um ponto mais popular: ele “roça” a própria língua na do autor português, trazendo-a para mais perto de um falar natural e popular.

“Gosto de ser e de estar”

O autor utiliza-se neste verso de dois verbos de extrema importância na nossa língua: os verbos ser e estar. Ambos nos remetem a alguns conceitos filosóficos bastante interessantes e que perpassam por toda a filosofia e o pensamento humano: somos seres do tempo e de fora do tempo e estamos aqui e no futuro, somos agora mas somos também possibilidade de futuro, temos essência (ser) e existência (estar).

“E quero me dedicar
A criar confusões de prosódia
            E uma profusão de paródias
            Que encurtem dores
            E furtem cores como camaleões

Estas confusões de prosódia e profusões de paródias bem que nos servem para encurtar as nossas próprias dores, como numa outra versão da fábula da cigarra e da formiga na qual a música da cigarra ajudava a formiga a prosseguir em seu trabalho sem esmorecer.

"Gosto de Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa"

Referências ao poeta Fernando Pessoa e ao músico Noel Rosa da escola de samba Vila Isabel.

"E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior
E quem há de negar que esta lhe é superior
E deixa os portugais morrerem à míngua”

O último verso é lembrança intertextual de um verso de Mário de Sá Carneiro, poeta português e amigo de Fernando Pessoa que se suicidou bem jovem:

“Se acaso em minhas mãos fica um pedaço de ouro,
Volve-se logo falso... ao longe o arremesso...
Eu morro de desdém em frente dum tesouro,
Morro à míngua, de excesso”

Caetano deixa aos portugais (e seus ais, seus choros e lamentações) morrerem mesmo à míngua de excesso, pois a língua de que ele se utiliza já é bem portuguesa. E é para ela que o próximo verso foi composto:

"Minha pátria é a língua portuguesa"

Referência intertextual ou dialógica a um artigo escrito pelo poeta Fernando Pessoa, denominado: “A minha pátria é a língua portuguesa. Caetano altera e cria ao afirmar que “a minha pátria é a minha língua”, já não tão apenas portuguesa, mas uma mistura de ritmos e modos bem brasileiros. Esta frase ainda guarda certa ressonância com uma outra pertencente ao poeta Olavo Bilac (Wikipedia, 2012): “A Pátria não é a raça, não é o meio, não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos: é o idioma criado ou herdado pelo povo.”

“Fala Mangueira
Flor do Lácio Sambódromo
Lusamérica latim em pó

Caetano a tudo junta e remexe numa ânsia/mistura de tropicalismo e antropofagia (digerir a cultura dos outros povos e misturá-la com a cultura popular e a identidade nacional): a escola de samba do morro da Mangueira, o português (expresso mais uma vez como a última flor do Lácio; Portugal e América (a lusamérica); o latim em pó e, talvez, uma ressonância ao nosso guaraná em pó.

  O que quer
O que pode
Esta língua”

Enfim, tudo o que quer é exatamente o que pode esta língua. E ela pode chegar aonde quiser...

Referências:

- FILHO, Paulo Bearzoti. História externa da língua portuguesa. In: _________ Formação linguística do Brasil. Curitiba: Nova Didática, 2002. p. 07-14. Capítulo 1.

- MELO, Gladstone Chaves de. Iniciação à filologia e à linguística portuguesa. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1981.

- Olavo Bilac. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Olavo_Bilac Acesso em 27 de abr. de 2012

- A história do Parnasianismo. Disponível em
http://www.jornallivre.com.br/156866/historia-do-paranasianismo.html. Acesso em 27 de abr. de 2012

- Gilberto Mendonça Teles. Disponível em
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gilberto_Mendon%C3%A7a_Teles Acesso em 28 de abr. de 2012

- Caetano Veloso. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Caetano_Veloso Acesso em 28 de abr. de 2012
Luís Antônio Matias Soares
Enviado por Luís Antônio Matias Soares em 02/05/2012
Código do texto: T3645545
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Antônio Matias Soares
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 56 anos
369 textos (72040 leituras)
7 e-livros (440 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/02/19 20:41)
Luís Antônio Matias Soares