Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Etimologia da Língua Portuguesa Nº 144

          Etimologia da Língua Portuguesa por Deonísio da Silva Nº144.


      Carteira, hoje designando entre outras coisa pequena bolsa de couro para guardar documentos e dinheiro, veio do Grego khartes, folha de papel. Jeitinho, segundo se diz, “especialidade brasileira”, formou-se de jeito, do Latim jactu, declinação de jactus, jato, arremesso, aparência e aspecto.

      Acender: do Latim accendere, queimar, iluminar.Veja-se que está presente neste verbo o mesmo étimo de candeia, vela, lamparina, e também árvore, cujo pau seco dá boa luz, sem fumaça. O verbo está presente em numerosas expressões, como em “ ânimos acesos”, isto é, exaltados, e em “acender uma vela para Deus e outra para o diabo”. A expressão veio da França para Portugal, e daí ao Brasil, mas os personagens foram trocados: na França, diz-se acender uma vela a São Miguel, outra à sua serpente.

      Bombástico: do Latim, medieval bombax, algodão, pelo Francês antigo bombace, e daí ao Inglês bombast, servindo o adjetivo bombastic para qualificar a linguagem empolada, sem conteúdo, como as mangas estufadas dos vestidos de algodão. Pode ter tido influência de um dos sobrenomes do médico  e alquimista suíço Teofrastus Bombastus von Hohenheim, mais conhecido por Paracelso(1493-1541), porque suas teorias, contrárias à medicina em vigor, produziam polêmicas. Mas bombástico mudou de significado pela semelhança com bomba, do Grego bómbos, ruído do trovão e das tempestades, e máquina para elevar a água, que deu a bomba hidráulica no Português , e do Latim bombus, zumbido das abelhas. Como bomba veio a designar também artefato explosivo, a notícia  em destaque, anunciada por antigos jornaleiros, passou a ser chamada bomba, dando bombástico para um assunto que mexe com a vida de muitos .


      Carteira: do Grego khártes, folha de papel, originalmente feita de entrecasca do papiro, pelo Latim charta, já designando não só papel, mas também documento e mapa. Carteira tomou no Português dos primeiros tempos o significado de bolsa de couro, de tecido, de papel ou de outro material para guardar joias, documentos, dinheiro. O formato dos primeiros bancos escolares, uma caixa com tampa, sob a qual eram guardados livros, lápis, cadernos etc., ensejou que a mesma palavra os designasse: carteira . E, como os documentos pessoais fossem  acomodados em bolsas pequenas, estas também tomaram o nome de carteira de identidade, carteira  de motorista, cujas variantes são carteira nacional de habilitação e cédula de identidade. Um dos primeiros dicionários de Português define carteira assim: “ É uma boceta fechada com chave dentro, na qual se mandam cartas de segredo”. Como depois a palavra se tornasse palavrão, passou a ser substituída por outras, como caixa e carteira. Até o mito passou a ser designado caixa de Pandora, quando na verdade o recipiente se parecia com jarro, sendo conhecido em Portugal por jarro de Pandora, a primeira mulher, que, contrariando ordem divina, abriu a caixinha, soltando todos os males, menos a esperança, tida por um mal também porque pode nos enganar a respeito do futuro. Carteirada e carteiraço designam abuso de autoridade mediante o constrangimento imposto por autoridade.

      Fértil: do Latim fertile, declinação de fertilis, indicando a fecundação, seja da terra e dos animais, seja das pessoas.   A infertilidade de muitos casais levou ao surgimento de clínicas especializadas em fecundação assistidas.

      Jeitinho: de jeito, do Latim jactu, declinação de jactus, jato, arremesso, lançamento, aparência, feitio, aspecto. No grau normal está presente em expressões como: “tem jeito de anzol” (parece-se com anzol), “tem jeito para a coisa” (oficio em que a pessoa é hábil), “faz tudo com muito jeito” (com cuidado), “deu um jeito no problema” (encontrou a solução), “vai com jeito” (vai com cuidado). Diz-se ainda no aumentativo, “olha o jeitão dele”. Mas é no diminutivo que se consolidou como recurso e marca do brasileiro., ao designar modo habilidoso de resolver um , o problema, raramente de forma lícita, o clássico jeitinho.

      Ponta: do Latim puncta, estocada, picada, mas também  extremidade de alguma coisa, como ponta de espada. Está presente em expressões como “ter a lição na ponta da língua” sabê-la bem; “andar na ponta dos pés”, andar com cuidado, para não ser percebido; ponta de estoque restos de mercadoria; segurar as pontas , resistir.Esta última terá nascido das lides náuticas e da pecuária e da pecuária, por designar ato de segurar as pontas ou  das cordas às quais está amarrado o barco ou segurar os laços onde estão presos os animais, especialmente os rebeldes, na doma.

        Deonísio da Silva da Academia Brasileira de Filologia, é escritor, doutor em Letras pela USP, professor( aposentado ) pela UFSC (SP), autor de textos e vídeos da Universidade Estácio de Sá (RJ), diretor-adjunto da Editora da Unisul (SC) e colunista da BabdNews, com Ricardo Boechat e Pollyanna Bretas. Alguns dos seus romances e contos foram publicados também em Portugal, Cuba, México, Alemanha, Suécia etc., e é autor de De Onde Vêm as Palavras (17ª edição ). www.lexikon.com.br

                                             Revista Caras
                                                2014









Deonísio da Silva
Enviado por zelia prímola em 16/11/2018
Código do texto: T6504417
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
zelia prímola
Recife - Pernambuco - Brasil, 79 anos
92 textos (2484 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/02/19 06:58)
zelia prímola