Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PSICANALISTA DE ÉPOCA

     Quase nunca, acontecia de um analista em meados anos 70 atender uma paciente que se queixar de seu marido estar "falido" de desejos sexuais. Que a erotização da transa não havia em quatro paredes. Tema tabu e em recesso de hoje em dia, vem a tona o não digerir do homem moderno em saber das mulheres e de seus desejos intrínsecos, reprováveis a esses que não as procuram em decorrer do baixíssimo índice da procura, principalmente em caráter de entendimento. Visto que na cura pela fala é o último toque o próprio objetivo do objeto, ou seja, verificamos por último... a boa e velha solede pergunta sobre a infância não pode ser esquecida. Muito menos as vivências do cotidiano e o calar, os lapsos, o gozo... o radical e cirúrgico silêncio e pausa tchekhoviana. O psicanalista de época é transformado na reinvenção, e o paciente em consternar que, não controla tanto assim sua mente e o que quer de momento, pois em alguma parte de seu dia, sozinho ou acompanhado apenas carrega si próprio; junto a vontade supra humana de se humilhar perante ele mesmo, realizando ou não a forma inanimado de querer ser.
JOÃO VICTOR FILGUEIRA
Enviado por JOÃO VICTOR FILGUEIRA em 04/04/2021
Código do texto: T7224037
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
JOÃO VICTOR FILGUEIRA
Ribeirão Pires - São Paulo - Brasil, 24 anos
148 textos (11305 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/04/21 06:39)
JOÃO VICTOR FILGUEIRA