Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Livro infanto juvenil- Alê, Marcelo, Ju & Eu, de Jane Tutikian



 Ensaio sobre o livro Alê, Marcelo, Ju & Eu,  de   Jane Tutikian

Este trabalho se propõe fazer uma analise do livro Alê, Marcelo, Ju & Eu de Jane Tutikian, essas considerações serão compostas da seguinte forma: síntese do livro na seqüência dos capítulos, personagens principais, estrutura narrativa e um comentário crítico embasado nas teorias estudadas nas aulas de Literatura Infantil Brasileira. A apreciação da obra seguirá de perto a maneira em que foram discutidas e analisadas as obras lidas durante o semestre.

1 Síntese

      “Num mundo de agendas, roller, Shopping, muito gel nos cabelos, roupas pretas, vários brincos nas orelhas, rock, escola e, sobretudo, muitas perguntas”  estão inseridas Bia, Alê e Ju  três  adolescentes de treze anos que moram no mesmo condomínio  e estudam  na mesma escola na sexta série. São amigas, como somente as adolescentes sabem ser,  respondem a  agenda uma da outra, o antigo questionário com os  ares de modernidade do século XXI, dividem as crises e os sonhos. Bia  e Alê se conhecem desde crianças, se gostam  muito, mas brigam algumas vezes, pois Alê apresenta uma  personalidade muito forte.

       As duas adolescentes descobrem  a personagem Ju   mais tarde, quando  ela  se muda para o prédio e vai estudar no mesmo colégio de Bia  e  Alê.  A personagem Bia, no inicio possuía muito ciúme  de Ju, porque acreditava que  Alê preferia  a Ju  a ela, no entanto com a convivência, Bia depois de algumas reflexões e analises,  aceita  Ju como amiga e  se tornam inseparáveis, até  que surge Marcelo na vida das meninas e então....

No segundo capìtulo com o sugestivo título: Gente nova sonho novo, entra o personagem Marcelo e cria certa desordem na  vida  das adolescentes,  uma vez que as três amigas  se apaixonam pelo garoto. Marcelo é aluno novo na escola, logo se torna popular entre os colegas, pois parece  um pouco mais velho que os colegas da  sala de aula,  também sabe contar histórias  da sua família e dos lugares pelos quais percorreu, é filho de militar, sempre  está sendo transferido das escolas. Então se torna fascinante aos olhos das meninas que viviam entre condomínio, escola e shopping. Assim a personagem Bia o descrevia:Acho que essa é  a palavra. Era lindo! Sabia a história da família. Sabia um monte     de coisa que eu não sabia! Gostava de um monte de coisas que eu também gostava!  Não pensava que pudesse existir um menino assim! E ele estava ali, na minha  sala, atrás de mim, ao lado da Ju e da Alê.

     Nesse capítulo, ao mesmo tempo, há a professora Aretê que leciona história, e segundo a personagem Bia, é diferente das outras professoras, pois conta  os  fatos de uma forma mais interessante torna-os  diferentes  dos  livros de História, mostra a narração dos eventos históricos com mais vivacidade, faz com que os alunos sintam-se  pertos da história. Além disso, era simpática e ajudava os alunos, promovia festas. Foi na aula da professora Arete que aconteceram as apresentações dos alunos  para o personagem Marcelo e também o começo do encantamento das meninas pelo aluno novo.

   No inusitado terceiro capitulo: Odeio shopping. Amo shopping, a personagem  Bia  precisa ir ao shopping com a mãe  para fazer compras e essa ida  induz a um paradoxo,  pois ao mesmo tempo em que a menina ama shopping, ela odeia  ir ao shopping com  a  mãe. O que leva a personagem a algumas reflexões  e imaginações, a principal delas é: a mãe a  atormenta   para comprar vestidos e sapatos de  patricinha  ao quais   odeia, pois   se   acha gorda, feia enfim desengonçada. Entretanto, Bia  tem uma surpresa encontra Marcelo, mas acontece, somente um oi, a personagem sente-se mal, afinal está com a mãe, uma figura normalmente  figura paradoxal para  os  adolescentes. Assim Bia  sente-se:Eu respondi oi, mas me odiei porque não estava arrumada nem nada e porque    estava ao lado    da minha mãe e porque não parei e  não disse  mais nada. Não verdade, não podia parar nem dizer. Mais um pouco e eu  morria mesmo. E isso nunca tinha acontecido assim.

     Ao termino desse capitulo surgem uma série de reflexões e questionamentos  da personagem, em que Bia se define como esquisita e gosta de tudo ao  avesso e  é dada a extremos ou chora  até  alagar o mundo ou então dá grandes gargalhadas. Sente-se boba, na maioria das vezes, sente-se magoada, pois as amigas a  acham egoísta. Termina  esse capítulo sem muita certeza de nada.

       No capitulo Sou Burra, mesmo! Ao voltar das compras com a mãe, vê as amigas andando de  roller  em frente ao condomínio em que moram, fala para  Alê a Ju que encontrou  O Marcelo, elas demonstram indiferença. Bia percebe  o distanciamento entre  amigas, mas não entende. No capítulo Coisas no ar, a personagem  sente alguma coisa mudando na relação com as colegas, contudo não identifica os problemas. Na escola, já não senta ao lado das colegas, as meninas  Alê a ju também estão discordando em tudo que falam ou fazem.

     A professora  Aretê  nota as mudanças,  então chama às meninas para  conversar e tenta  entender o que  está sucedendo, discorre sobre as paixões na adolescência e importância das amizades,  porém as meninas não falam nada, se  mantém  distantes. Assim  a professora propõe uma festa  em que a temática era  amizade e pede  a  todos para  escrever  bilhetes com mensagem  carinhosa  para os colegas. Quando  a personagem Bia  chega em casa pede a agenda de Alê para modificar algumas respostas e, além disso,   tentará descobrir  os motivos pelos quais as amigas parecem tão afastadas. Então se desvenda as razões do alheamento entre  amigas, Alê escreve na última página muitas vezes o nome de Marcelo. Assim, ao mesmo tempo deduz que Ju deve, igualmente, gostar de Marcelo e esse  seria  o motivo do distanciamento entre elas. Bia  fica muito triste, decepcionada e  escreve na agenda, várias vezes,  que nunca mais quer vê-las.

      Nos capítulos De coração para Coração e Ser é que é a aventura, são basicamente as preparações para a festa, a ansiedade da espera  e o desencanto de Bia com as colegas, ao mesmo tempo  a dor de vê-las somente de longe. Do mesmo modo,  tem  certeza que gosta de Marcelo, mas adora as amigas e sente muita a falta delas. Bia resolve não  escrever  muitos bilhetes para os amigos, faz um para Marcelo sem assinatura: “Tenho uma amiga, nesta aula, que gosta de ti”

      No capítulo Ser é que é a aventura, são remiscências da  personagem Bia sobre sua aparência  e o que vai vestir na festa. Resolve  ir de preto e com gel no cabelo. Fica fazendo considerações de como a  mãe não consegue vê-la com uma adolescente  e  gostaria de conversar mais vezes com ela, porém não consegue falar, conclui os pensamentos com a certeza que os pais são importantes na sua vida. O capitulo termina  com a personagem Bia  pensando que nunca “ficou” ou beijou um garoto  vai  a festa, unicamente, para encontrar o Marcelo.

     No capítulo Tudo o mundo menos eu! Aconteceu a festa, no entanto para a Bia não “aconteceu” nada, pois todos os colegas estavam iguais a ela, de preto e com gel no cabelo,  Marcelo não a olhou e riu do  seu bilhete, também mostrou aos colegas. A personagem se sentiu  mal, porque recebeu vários bilhetes dos colegas com mensagens  dizendo coisas boas a seu respeito. Então, julga-se muito egoísta, pois não fez  nada para os colegas. Saiu cedo da festa e chorou na  cama, uma vez que  refletiu  sobre seus erros, afinal  tinha  perdido até   as melhores amigas.

    No capítulo Que ressaca!  Foram os dias após  a festa, sem grandes novidades. O personagem Marcelo estava cada vez mais popular e Bia  se  tornava mais   invisível  para ele. Aparecem os novos amigos da personagem que são um grupo de intelectuais com poucas afinidades em comuns com ela, contudo, mesmo sem entendê-los, permanece no  grupo. Bia começa a usar aparelho nos dentes, ao qual detesta.

       No último capítulo Alê, Marcelo, Ju & eu, o adolescente Marcelo chega triste na aula e comunica a nova transferência  do pai,  sendo assim  necessita mudar de escola, todos ficam abatidos com a notícia. Bia fica imensamente magoada, mas não quer chorar na frente dos outros, vai para o banheiro,  ao mesmo tempo vão as duas amigas Alê e Ju, então choram  abraçadas e retomam a amizade. A turma combina  junto com  a professora  Aretê de levar Marcelo ao aeroporto. No final, fazem uma despedida alegre, contudo todos estão tristes Entretanto, assim que o avião levanta vôo, só  havia  mais  uma história para ser contada, entretanto essa historia seria contada do jeito de cada adolescente. Quanto as adolescentes Alê, Bia e Ju estavam juntas novamente, afinal havia o roller, as agendas, o rock...E os meninos.Era o primeiro sonho, o que agora ele estava mais  claro e mais nítido  Não havia   do que fugir, não  havia o que conquistar. Lá de dentro, o Marcelo abanava para nós, para Alê, Ju e eu. Éramos, enfim, os quatro, amigos, e gritávamos que nos escreveríamos muitas e muitas e muitas cartas, como realmente fizemos.

1.1  Personagens

          Os personagens do livro são delineados pela ótica do narrador, pois é texto em primeira pessoa. Assim, todas as apreciações das personagens serão vinculadas às percepções desse narrador, e a partir da visão de mundo inerente a ele. Bia constitui-se   na personagem principal,  então toda a história é retratada  a partir  das suas  impressões,  ponderações. Parece  uma personagem estereotipada, já que reflete de uma  forma  muito simplificadora  a figura de adolescentes em crise  existencial.

        É  como se autora pasteurizasse  na figura da Bia, todas as falhas dos adolescentes: ela é gorda, baixa, possui cabelo curto, também odeia se arrumar, também mostra um humor ácido e é egoísta, tímida. Essa  personagem  adolescente está sempre  em processo de meditação solitária, contudo o que a faz inverossímil  são as reflexões da  personagem  no  decorrer do livro, são  muito profundas, e acredita-se, dificilmente, uma adolescente de treze anos teria essas reflexões, por exemplo:Sou mesmo esquisita. Esta é a verdade. Parece que gosto de tudo às avessas. Tudo   ao contrário. Quando alguém cai, na minha frente, não me controlo: eu rio. Quando alguém chora sempre acho  que é muito pouco. Mas. Em compensação, quando eu choro, quase alago o mundo, fico mais infeliz do que o maior das infelizes.

O restante das personagens aparecem superficialmente descritas. Há algumas informações sobre a  adolescente Alê como: independente, bonita, divertida e alguns dados sobre  sua família  e também que era  uma  menina atípica para a idade de treze anos, pois adorava  a família de Bia, porque  havia perdido o pai, a mãe trabalhava muito e irmão mais velho não possuía interesse por ela. Entretanto, não existe  uma descrição mais minuciosa sobre  essa personagem. A personagem Ju possui o perfil pouco desenvolvido no livro, é,  em síntese,  delicada, chora bastante, tem cabelos longos devido à religião (testemunha de Jeová), mora com  a avó, uma vez que os pais moram no interior.  A avó aparece  levemente   descrita como  uma pessoa jovem e amiga da neta. Os outros personagens surgem  com uma  apreciação superficial nos diferentes capítulos do livro analisado, conforme o interesse  do narrador.

1.2 Estrutura  Narrativa

O livro é composto  de  treze  capítulos, geralmente curtos, todos interligados, mas com uma certa independência, pois podem ser lidos individualmente  sem prejudicar a interpretação. Os títulos dos capítulos são conectados a temática  tratada  e  possuem  nomes  originais. A narração constitui-se em primeira pessoa feita pela  personagem Bia. Há, um mínimo,  de diálogos  entre as personagens, toda a narrativa parte das considerações  do narrador. Não  há definição de espaço geográfico  e a localização temporal se faz pelas  marcas sociais  implícitas no texto, por exemplo: roller, shopping, gel nos cabelos, vários brincos nas orelhas,  que leva a pressuposição que se trata de um texto do  final século XX e início do século XXI.

1.3 Comentário crítico

    O livro é classificado como uma novela infanto-juvenil datado de 1999 de uma autora premiada, conhecida e reconhecida nos meios acadêmicos, no entanto, apresenta algumas incoerências que pode desagradar o leitor infanto-juvenil. A primeira delas é o  excesso de discurso indireto, não  há quase diálogos, isso restringe ação da narrativa. Tudo é retratado pela visão reflexiva da personagem feminina narradora. Sendo assim, o leitor infanto-juvenil inserido num mundo virtual, dinâmico e rápido em que um simples toque o leva a diferentes lugares  na  Internet, teria dificuldades em lidar com o tom reflexivo desse livro.A segunda ocorrência que levaria o leitor ao enfado constitui-se na  linguagem, a narrativa possui um tom farsesco, uma quase imitação da forma dos jovens falarem. As orações são totalmente entrecortadas por pontos finais, há, além disso, o uso excessivo de pontos de interrogação e exclamação, e não existe o uso de nexos de ligação entre as frases. O que torna o texto ruim para qualquer leitor. Acredita-se que os adolescentes dessa faixa etária (12, 13,14 anos), não são tão infantis lingüisticamente, apesar da vivência no universo virtual que induz a redução na maneira de escrever.

Por outro lado, a narrativa apresenta intertextualidade que é uma marca dos jovens e dos tempos virtuais do século XXI. A modernidade do texto está exatamente nessa concepção dinâmica quando dialoga com outros textos literários do universo dos leitores adolescentes e assim, ao mesmo tempo, o localiza num determinado espaço temporal. O narrador cita, As viagens de Gulliver, quando diz: “... com um único olhar, ainda menor do que os pequenos da terra de Gulliver”.  Também o Sítio do Picapau Amarelo8 é uma projeção constante da personagem quando cita  várias vezes “independência ou morte”, uma fala da boneca Emilia.

        Do mesmo modo, as referências musicais que aprecem no texto, “Dormi ouvindo o Lulu cantar aquela música da onda no mar”9, também  são um fator de aproximidade com o leitor infanto-juvenil. Sendo assim, termina-se essa apreciação enfatizando que a narrativa  constitui-se em  um texto leve, divertido, e principalmente adequado ao publico infanto-juvenil, sem voltar-se para nenhum ensinamento pedagógico.O livro possui com fim utilitário  unicamente  o prazer da leitura


BIBLIOGRAFIA

LAJOLO, Marisa &  ZILBERMAN, Regina. Literatura  infantil brasileira: história & histórias. São Paulo: Ática, 1985.

 LAJOLO, Marisa &  ZILBERMAN, Regina. Um Brasil para crianças: pra conhecer melhor a literatura infantil brasileira - histórias, autores e textos. São Paulo: Global, 1986.

TUTIKIAN, Jane.  Alê, Marcelo,  Ju & Eu.  Porto Alegre: Ed. WS, 2000.

 URBANO, Zilles. (Org). Gratidão do ser: homenagem ao irmão Elvo Clemente. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1994. p.75-83
.
 ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. São Paulo: Global, 1981. p.43-81.



Marisa Piedras
Enviado por Marisa Piedras em 11/11/2007
Reeditado em 10/02/2008
Código do texto: T732906
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Isa piedras-). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marisa Piedras
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
310 textos (41260 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 04:32)
Marisa  Piedras