Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entrevista para Thomas Milz ( Jornalista da Alemanha)

No dia 04 de maio de 2018 foi publicada, no endereço eletrônico: http://weltkirche.katholisch.de/Aktuelles/20180504_Indigene_Heilkraft_aus_dem_Schrebergarten  a entrevista que cedi ao Jornalista alemão Thomas Mils. Thomas chegou à horta quando eu atendia a um visitante que precisava de confrei para tratar uma ferida aberta no pé. Ele ficou admirado com o fato de termos mais de 100 espécies de ervas medicinais e condimentos em um espaço muito reduzido.  Abiaxo a reportagem: 

REPORTAGEM ORIGINAL PUBLICADA EM JORNAL ALEMÃO
Poder de cura indígena do jardim de partilha
1311866.jpg
No meio do mundo concreto cinza da capital brasileira Brasília, um pensionista criou um pequeno jardim com plantas medicinais tradicionais. Nela ela está curando a loucura das pessoas da cidade.
"A planta Merthiolate iria ajudá-lo." O fruto da árvore coral, latin "Jatropha multifida", insira-o em álcool e, em seguida, aplicar na pele, aconselha os visitantes Sandra Fayad. O diabético sofre de pés abertos e a medicina clássica não bate nele, ele reclama. "O merthiolate é o curador de feridas perfeito", afirma Fayad.
Também o Jambu, o "Acmella Oleracea" da Amazônia Pará, em alemão "Para-Kresse", seria adequado. "Quando os índios se ferem em combate, aplicam uma pasta de jambu em suas feridas. Ele atordoa e puxa a infecção para fora. ”A indústria farmacêutica do Brasil transformou-a em uma pasta sexualmente estimulante para as mulheres. "E um Botox natural, porque congela as rugas faciais". Uma planta para todos os fins, Fayad jura.
"Living Museum" ( Museu Aberto) fica na placa na entrada do jardim, que mede 4,30 por 10 metros, mais as faixas laterais da entrada. "Em 50 metros quadrados, tenho aqui 100 plantas e vegetais e duas dúzias de plantas medicinais indígenas tradicionais", disse a pensionista.  A Horta fornece comida para sua família inteira; O resto ela põe na rua às nove horas da manhã. Todos podem se servir.
Cada planta, incluindo variedades raras, tem uma placa com o nome latino. O museu da horta de Fayad está sempre aberto para visualização. Mas as pessoas apressadas da cidade geralmente ignoram isso. "Recentemente, um vizinho perguntou se o jardim era novo. Eu o criei há doze anos. "Naquela época, ela havia desistido de seu trabalho em um banco. Finalmente, hora de voltar às suas raízes.
Fayad cresceu no campo entre as plantações de alimentos de seu pai. Mais tarde, ela resumiu seu conhecimento da natureza em um livro. Ela também escreveu vários volumes de poesia e um livro infantil. E ela escreveu a história de vida de seus pais, imigrantes da Síria. Mas o grande amor dela é as plantas.
Ela gostaria de estender o jardim para as propriedades vizinhas. "Mas eles não querem, isso é muito trabalho. Sua vida frenética não lhes dá tempo. ”Em vez disso, compram no supermercado a comida embalada em plástico com todos os produtos químicos. "As pessoas querem seguir o caminho fácil hoje."
Mas quando estão doentes, os vizinhos ainda procuram os conselhos dela. Às vezes é câncer ou diabetes, para o qual ela tem uma "insulina natural". Para as mulheres na menopausa, recomenda o chá da "Cavalinha", a planta de canudinho. Nos homens, essa planta alivia o desconforto da próstata e infecções uretrais.
Muito mais frequentemente, mas as pessoas só vêm falar. Então ela faz "ajuda emocional". "Eles acreditam que o ambiente verde das árvores, plantas e pilhas de compostagem os ajuda." Muitos reclamam da solidão, problemas familiares, preocupações financeiras. E especialmente depressão, "a doença do mundo moderno", disse Fayad. "Eles trazem tudo isso, confessam literalmente." Ela mantém-se emocionalmente em equilíbrio com a jardinagem. "As pessoas não querem agarrar a natureza com suas próprias mãos."
De tempos em tempos, há também indígenas que vivem fora de Brasília. Em seguida, trocam experiência. "Eu escrevo tudo o que eles dizem. O conhecimento dos povos indígenas é tão impressionante. "Mas essa não é uma via de mão única. "Às vezes eles me pedem mudas e sementes que eles mesmos não têm."
Mas também há algumas pessoas na cidade que pensam em alternativas, diz Fayad. Com eles, ela construiu dez jardins semelhantes em Brasília. Um ao lado de uma farmácia de saúde natural, um ao lado de uma instituição para deficientes e mais em instalações sociais. "A ideia de que você pode cuidar de si e de sua saúde no meio da cidade grande é multiplicada."
Um "micro-ecossistema funcional" que ela chama de horta, onde vivem formigas, abelhas, pássaros, vermes, lagartos e borboletas. "Um oásis no meio da loucura urbana", diz ela com uma risada. "Quando eu digo aos visitantes que as plantas estão falando comigo, eles acham que sou louca. Somente as crianças adoram a ideia e pedem aos pais que voltem. "As crianças ainda entendem o que é importante na vida.
Thomas Milz (KNA)
 http://weltkirche.katholisch.de/Aktuelles/20180504_Indigene_Heilkraft_aus_dem_Schrebergarten
          Povos indígenas - 04.05.2018
 
 
Sandra Fayad Bsb
Enviado por Sandra Fayad Bsb em 27/05/2018
Reeditado em 27/05/2018
Código do texto: T6348109
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Sandra Fayad Bsb
Brasília - Distrito Federal - Brasil
700 textos (257203 leituras)
32 áudios (9463 audições)
5 e-livros (3877 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/08/18 01:49)
Sandra Fayad Bsb

Site do Escritor