Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entrevista
José Inácio Vieira de Melo
Por Lima Trindade

José Inácio Vieira de Melo, nas palavras de Marcos Lucchesi, é um escritor que emociona. Sua lírica tenta desvendar o grande mistério da existência humana, fazendo da palavra canto e sagração. Dia 21 de julho, a partir das 9h30, ele estará lançando seu quarto livro, “A infância do Centauro”, na LDM Livraria Multicampi. Nesta entrevista, concedida ao escritor Lima Trindade – mestre em Letras pela UFBA e editor da revista eletrônica Verbo21 –, ele fala da infância no sertão, a influência que recebeu da Música Popular e sua visão do momento literário na Bahia e no Brasil.

LIMA TRINDADE - Poderíamos dizer que o tema da sua poesia, neste último livro, é o da não-memória, uma volta a um estado espiritual, infância que não é passado?

JOSÉ INÁCIO VIEIRA DE MELO – Sim. É um mergulho na noite dos tempos. Digo isso no poema “Meu cavalo e eu – Centauro do Sertão”. Pois bem, esse centauro encarnado, escarlate, é a personificação de um vaqueiro aboiando sua memória de volta ao caos primordial, é a representação de um peregrino que questiona os códigos da existência e mergulha no sol para se purificar e descobrir-se o Cavaleiro de Fogo. Lembrar, porém, que depois da noite dos tempos, surge a consciência dos dias.

LT - O eu lírico também é impreciso, abarca contrários, coexistem nele o homem urbano e dos sertões, criança e adulto, pai e filho. É este um sinal da maturidade chegando?

JIVM – É uma busca. As várias faces do ser se estranhando e, paradoxalmente, dialogando, percebendo os limites, as urgências circunstanciais da nossa condição de passageiros do desconhecido. É também uma tentativa de chegar ao cerne do sentimento ou, quem sabe, a uma compreensão de tudo isso, todos os conflitos, todas as dores. O Sertão do qual falo não é geográfico, é um modo de enxergar o mundo. Para mim, tudo é Sertão. Pra todo canto que olho, só enxergo Sertão. O ser do qual falo está perdido no tempo, mas é indagado em uma outra perspectiva, é visto nas esferas do delírio e por isso não tem idade e é atemporal. É criatura, mas também é criador. Como estou me aproximando da casa dos quarenta anos, pode ser que aponte para uma maturidade.

LT - Como foi o seu primeiro contato com a poesia e com  a palavra escrita?

JIVM – Lembro-me de que, na casa de meus pais, havia uma coleção com os poetas românticos Castro Alves e Gonçalves Dias. Eu tinha uns oito anos e folheava sempre aqueles livros. Depois, já com uns doze, uma outra linguagem me trouxe a poesia dos livros. Comecei a ouvir com paixão a Música Popular Brasileira. Sobretudo os cantores nordestinos. De Luiz Gonzaga aos que estavam surgindo... gente como Alceu Valença, Zé Ramalho e, principalmente, Raimundo Fagner, musicador de poemas de Cecília Meireles, Patativa do Assaré, Florbela Espanca, Ferreira Gullar e tantos outros. Ouvia o Fagner berrar seus aboios, ia conferir no encarte do disco e encontrava quase sempre “música de Raimundo Fagner sobre poema de...” Aí eu corria para a livraria e buscava aquele poeta.

LT - Acredita na renovação da linguagem enquanto conteúdo. Aliás, vê diferença entre fundo e forma?

JIVM – A linguagem não é estática, está sempre se renovando para expressar os sentimentos que atravessam os tempos e que são sempre os mesmos. Podem aparecer revestidos de outras necessidades circunstanciais, mas os conflitos e os prazeres do homem – no tempo e pelos tempos – são os mesmos. E a poesia é a prova disso. Basta conferir em Homero, em Shakespeare, em Whitman, em João Cabral. Quanto à forma e ao conteúdo, acredito numa poesia poliédrica, na qual a maneira de abordagem tem vários lados e ângulos, regidos por um ritmo interno – a pulsação do poema – que expressa um assunto, podendo ser qualquer um.

LT - “A infância do Centauro” traz muitos poemas dos seus livros anteriores. Esta me parece uma tendência de vários poetas atuais, reescrever a obra incessantemente, como fizeram Whitman e Baudelaire ainda no século XIX. É esse seu caminho? Qual critério de seleção você adotou para esta antologia?

JIVM – Sinto-me escrevendo sempre o mesmo livro. E continuo nesse ofício movido por uma necessidade. Se pudesse, deixaria de escrever e iria fazer outras coisas, mas é que não tem jeito. A vida só tem sentido, para mim, se for dentro da poesia. Então vou cumprindo minha sina, escrevendo e reescrevendo meus versos. Uma vírgula aqui, um ponto ali, um adjetivo acolá... O critério de seleção é pessoal e nem sempre corresponde com o gosto de outros leitores especializados. Por exemplo, o Marco Lucchesi está organizando uma antologia com 45 poetas do  Brasil que começaram a escrever a partir de 2000. Dos quatro poemas meus, do livro “A terceira romaria”, que foram escolhidos por ele, apenas um entrou em “A infância do Centauro”.

LT - Quais são os poetas que você mais admira e o porquê?

JIVM – São tantos. De Homero a Kavafis, de Whitman a Pessoa, de Jorge de Lima a Cecília Meireles, pela imensa contribuição que deram à poesia do ocidente. Mas vou falar apenas daqueles que têm chamado a minha atenção ultimamente. Gerardo Mello Mourão e Francisco Carvalho são dois poetas pelos quais tenho admiração. O primeiro, por ter construído uma poesia plural, livre de amarras, e que por isso se fez planetária; o segundo, pela simplicidade com que vem tecendo a sua poética, onde o místico e o erótico surgem e ressurgem, representados por metáforas que causam em mim grande fascínio. O poeta pernambucano Alberto da Cunha Melo, pelo rigor de suas retrancas, imbuídas do conflito existencial; o poeta baiano Ruy Espinheira Filho, pelo sinceridade que transborda do seu lirismo. Há um poeta português, Herberto Helder, que causou uma verdadeira revolução na minha maneira de pensar poesia. Ele escreve palavras soltas e vai repetindo-as alternadamente, como se estivesse remoendo-as surrealisticamente. O sumo de tudo isso é uma poesia sofisticada e de alto nível.

LT - Além de atuar como escritor, você desenvolve um significativo trabalho como agitador cultural e editor de revista, tendo ainda organizado uma antologia como novos poetas baianos. Considerando sua experiência, é possível se definir uma tendência literária predominante na poesia contemporânea?

JIVM – Não vejo uma tendência predominante. Poderia dizer, repetindo Stuart Hall, que há uma fragmentação da identidade, e estaria politicamente correto, mas prefiro pensar que nós, contemporâneos, estamos formando uma identidade, cada qual a sua maneira. Quanto à classificação, só com o tempo é que se pode estabelecer, e tem muita coisa pela frente para a minha geração.

LT - Na sua opinião, qual é o status da literatura baiana de hoje nos grandes centros culturais brasileiros?

JIVM – Status de província. Os escritores baianos não são lidos nem na Bahia, quanto mais no resto do país. Existe meia dúzia de escritores baianos que são efetivamente lidos no Brasil. Outros são reconhecidos, mas pouco lidos. Esse processo não é diferente no Ceará nem em Pernambuco. Isso acontece em quase todo o país. Pergunto a você, qual o escritor de Santa Catarina, vivo... sobretudo poeta, que é lido em todo o Brasil? Não existe.

LT - Consideraria o nordeste atrasado em termos de mercado editorial? Qual a razão para os leitores nordestinos comprarem tantos livros de escritores cariocas, paulistas e gaúchos, mas consumirem pouco as pratas da casa?

JIVM – Realmente, o nordeste não tem um mercado editorial, até porque os leitores são poucos. O empresário vive de lucro, então não é maluco de investir em empresas que fazem um produto que não tem saída: o livro. Eu não sabia que os nordestinos liam tanto os escritores de São Paulo e do Rio.

LT - Acredita que o problema passe também pelo campo da política?

JIVM – o maior problema é político. Os caciques do nordeste não querem leitores, querem currais eleitorais. Essa mudança de governo, na Bahia e no Brasil, não mudou em nada a realidade. Aqui na Bahia, parece que só fez piorar.

LT - De que maneira a realidade social interfere no seu trabalho? Ou não interfere?

JIVM – Interfere na medida em que sou um cidadão e que sofro na pele as circunstâncias das decisões dessa gente. Agora, na minha poesia não sinto uma interferência dessa realidade. Como esclarece o Gerardo Mello Mourão, na contracapa de A infância do Centauro, “a vera e mera poesia não se infecciona nem se deprava com teses e causas sociais ou ideológicas, que serão boas ou ruins, mas não são a coisa do poeta e da poesia”. O meu trabalho caminha por essa seara.

LT - Acredita que a literatura tenha o poder de transformar o homem?

JIVM – Eu só considero como literatura textos que sejam capazes de despertar no homem o pensamento e a vontade de buscar novos horizontes. Para mim, enquanto poeta e leitor, a poesia é salvação.

Fonte: Verbo 21 - Site Literário

Valdeck Almeida de Jesus
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 19/09/2007
Reeditado em 19/09/2007
Código do texto: T660026
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Valdeck Almeida de Jesus
Salvador - Bahia - Brasil, 51 anos
1310 textos (615057 leituras)
26 áudios (5243 audições)
99 e-livros (63450 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/12/17 21:20)
Valdeck Almeida de Jesus

Site do Escritor