Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conversa enluarada

“Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim.”
(Thiago Amaral, “Voz da lua”)

--------

Meia-noite, à beira-mar,
em plena lua minguante,
eu ligo o alto-falante
e me desato a cantar.
Mas a platéia não há,
pois, com minha voz chinfrim,
cantando tão ruim assim,
pergunto à lua o que falo.
Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim.

A lua diz: vá em frente!
a sua voz não é ruim.
Cantar ao mar é assim:
não há ruído que agüente.
Cantando pra mim somente
eu não sei mais como eu falo.
Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim,
numa sonata sem fim,
e no murmúrio me embalo.

E, como que de um estalo,
eu solto a voz novamente.
A lua, toda contente,
acompanha quando eu falo.
Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim,
pego logo um tamborim
e acompanho o seu cantar.
Vejo a platéia no mar
num aplauso sem mais fim.

Já madrugada, e, enfim,
eu ouço o cantar do galo.
Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim,
mas o galo quer pôr fim
a esse nosso dueto.
Em noite escura um terceto
inicia o seu cantar.
O galo, junto ao luar,
e eu no mar... Que concerto!

Nesse momento me calo
e a deixo falar por mim,
lua que me trouxe, enfim,
pouco de paz. No seu halo
o São Jorge no cavalo
aplaude e sai, disparando.
O raio do sol chegando
e eu no mar, vendo a lua...
A minha alma se insinua
e eu finjo que estou cantando...
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 22/05/2006
Código do texto: T161041
Classificação de conteúdo: seguro


Áudio
Conversa enluarada - Paulo Camelo

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 73 anos
936 textos (292450 leituras)
36 áudios (11283 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/02/21 15:48)
Paulo Camelo

Site do Escritor