Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

José Saramago fez a morte cair de joelhos diante da sinfonia de Bach


“Por um instante a morte soltou-se a si mesma, expandindo-se até às paredes, encheu o quarto todo e alongou-se como um fluido até à sala contígua, aí uma parte de si deteve-se a olhar o caderno que estava aberto sobre uma cadeira, era a suite número seis opus mil e doze em ré maior de johann sebastian bach composta em cöthen e não precisou de ter aprendido música para saber que ela havia sido escrita, como a nona sinfonia de beethoven, na tonalidade da alegria, da unidade entre os homens, da amizade e do amor. Então aconteceu algo nunca visto, algo não imaginável, a morte deixou-se cair de joelhos, era toda ela, agora, um corpo refeito, e por isso é que tinha joelhos, e pernas, e pés, e braços, e mãos, e uma cara que entre as mãos escondia, e uns ombros que tremiam não se sabe porquê, chorar não será, não se pode pedir tanto a quem sempre deixa um rasto de lágrimas por onde passa, mas nenhuma delas que seja sua. Assim como estava, nem visível nem invisível, em esqueleto nem mulher, levantou-se do chão como um sopro e entrou no quarto…” José Saramago – As intermitências da morte (2005)

O escritor José Saramago, Prêmio Nobel de Literatura pelo romance Memorial do Convento, encontrou-se com a morte nesta terça, 18 de junho. E desta vez, não foi possível driblá-la com as palavras. O próprio Saramago uma vez filosofou acerca da mortalidade humana ao dar uma entrevista sobre o livro As intermitências da morte, em São Paulo: “O ser humano alimentou sempre a esperança de conseguir a imortalidade, mas sem a Morte a Vida seria um caos”.

Infelizmente, não é fácil lidar com as perdas de quem admiramos. Conheci Saramago em 2000, durante uma coletiva de Imprensa para o lançamento do seu livro “A Caverna”. Espero ler as outras obras que ainda não li dele. Até agora só O Ensaio sobre a Cegueira e o Memorial do Convento, que me provocam imagens e reflexões até hoje…
Brenda Marques Pena
Enviado por Brenda Marques Pena em 18/06/2010
Código do texto: T2327128

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Brenda Mar(que)s, Recanto das Letras 2010). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Brenda Marques Pena
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 38 anos
267 textos (19373 leituras)
7 áudios (365 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/19 12:33)
Brenda Marques Pena