Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Em todos estes anos junto à educação infantil e médio, presenciei muitas histórias. Às vezes alegres, n’outras, tristes por demais.
Não sei se por coincidência ou por obra de triste destino, as histórias mais comoventes sempre trazem como protagonista, um pai. Seja pelo lado positivo, seja pelo lado negativo. Entre muitas histórias tem uma que gostaria de dividir com vocês neste mês em  que se homenageia os pais.
Na escola, fazer qualquer homenagem aos pais, sempre foi algo que me preocupou, segundo algumas pessoas, PAI, tornara-se um "artigo de luxo", portanto, fazer qualquer homenagem, significa constranger muitas crianças que não conta com este "artigo" em casa. 
Certo dia, próximo a mais um Dia dos pais, perguntei para uma criança o que ela gostaria de ser quando crescesse, respondeu-me sem pensar: “ Eu quero ser carreteiro igual a meu pai". Fiquei super feliz, finalmente alguém não queria ser jogador de futebol, tinha orgulho do pai e queria ser exatamente igual a ele. Mas a surpresa não parou por aí. Quando disse que queria ser carreteiro, logo o imaginei guiando um grande caminhão com frases no pára-choque, em longas viagens, com uma mulher bonita na boleia e tudo que um homem das estradas tinha direito. Me enganei. Com toda inocência que existe dentro de uma criança explicou-me que não era exatamente o que eu estava pensando. A carreta do pai não passava de um carrinho feito com o baú de uma velha geladeira em cima de quatro pneus de bicicleta e um cabresto para ser puxada pelo seu guia, no caso seu pai, recolhendo materiais recicláveis nas ruas da metrópole. Entre um carrego e outro lhe dava um beijo enquanto assumia a frente da "carreta" entre os papelões e garrafas pet, se sentindo um verdadeiro motorista. Confesso que no primeiro impacto fiquei sem palavras, mas os olhos daquela criança brilhavam tanto ao detalhar o trabalho do seu pai, que não houve outra reação a não ser uma grande explosão de alegria. Estava diante de uma criança sem nenhuma riqueza material, no entanto, uma criança que tinha o mais valioso de todos os tesouros, um grande pai.
Descobri naquele momento que a maior homenagem para um pai é saber que seu filho pode orgulhar-se dele.

Feliz dia dos pais!
Renilda Viana
Enviado por Renilda Viana em 02/08/2011
Reeditado em 05/08/2011
Código do texto: T3135828
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Renilda Viana
São Paulo - São Paulo - Brasil
322 textos (56657 leituras)
8 e-livros (2009 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/05/21 20:50)
Renilda Viana