Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CLARA NUNES

                                Crônica sobre Clara Nunes
                                   (por Artur da Távola)
 
Clara Nunes ousou cantar samba e temas afro-brasileiros em fase na qual o gênero viveu período de esquecimento, abandono, desinteresse. O fenômeno deu-se pouco depois do movimento conhecido como tropicalismo, quando, por causa da ampliação do processo de internacionalização, a indústria do disco buscou um som próximo do mercado internacional, foi invadida pelo rock; intelectualizou-se.
Os anos finais da década de sessenta, marcam:
A emersão de Roberto Carlos que se afasta dos ritmos nacionais;
O sucesso da tropicália que embora brasileiríssima no conteúdo popular de suas manifestações, estranhamente afastou-se de nossos ritmos. Foi fase de preponderância do discurso literário.
A expansão das multinacionais do disco, com produtos de consumo internacional;
A internacionalização dos fenômenos sociais e existenciais mercê da entrada em funcionamento do satélite artificial;
O sucesso do rock como espetáculo de multidões, a somar não apenas música porém inúmeros outros elementos peculiares do então nascente espetáculo de multimídia.
Tais fenômenos ampliam-se a partir de fins da década de sessenta, agudizam-se na de setenta e de certa forma se diluem na de oitenta, obtendo, em contrapartida, maior participação no metabolismo geral do consumo de música. Clara Nunes surge de dentro desse quadro adverso para o samba. E vem à tona luminosa, iluminada e bela.
Estava o Brasil sob fera ditadura militar. A música e a arte foram as formas possíveis de expressão do protesto, embora sob crescente censura. Os meios de comunicação ajudaram a resistência democrática, ao apoiar manifestações artísticas de rebeldia, em todas as direções. Nada obstante a sua importância, tais manifestações, quando no campo da música popular, raramente apareciam dentro dos ritmos brasileiros típicos. Parece que a predominância do discurso impunha a libertação dos rigores métricos derivados da obediência ao ritmo. Os novos tempos traziam sopros de internacionalização e como era importante observar o protesto, deixou-se de observar a falta de ritmo brasileiro na maioria das manifestações.
Fiel ao samba permaneceu muito pouca gente dentre os que valentemente utilizaram-se do protesto musical como forma de discurso político possível. Chico Buarque de Hollanda, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro e alguns outros dentre os compositores deferidos pela elite e, é claro, o povo em suas manifestações. Para este o samba jamais deixou de existir e resistir.
Passou a ser “político”, igualmente, um tipo de discurso de liberdade existencial, de defesa do meio ambiente, de defesa de princípios pacíficos e anti-militaristas. Sem rtimo de samba, porém.
Clara Nunes enfrenta essa situação. Sua forma de protestar vem através de uma resistência cultural tanto na manutenção do ritmo do samba como na afirmação de valores afro-brasileiros. Para surpresa dos estrategistas do mercado, ela deu certo em plena era de ascenção do rock.
Começava a fase da maturidade da artista, quando morreu. O Brasil sentiu profundamente a perda de sua notável representante.
Quando Clara clareou, começos da década de setenta, refugiava-se o samba, na sempre heróica resistência negra, através dos pagodes, das rodas de samba, do partido alto, das escolas de samba ou de cantoras importantes mas marginais do mercado como as grandes Clementina de Jesus, Dona Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Elza Soares, esta, com notável senso rítmico, contudo marcada pelo be bop (nada contra) na interpretação.
A figura de comunicação de Clara Nunes trazia ao povo brasileiro uma personagem simbólica de algumas de suas características: a mestiçagem, o cabelo crespo, a sensualidade expressa na feminilidade, a boca atraente, saudável, pronta para o riso, o corpo sólido e forte, o olhar repleto de graça e bondade, já que malícia, picardia, ironias e deboches não eram peculiares a seu rosto e às suas expressões faciais. Mistura de mulher ao gosto conservador com a graça ingênua e irresistível da feminilidade interiorana. Flor de brasilidade.
Tais características físicas, apresentavam-se em moça sem qualquer arrogância, feliz pelo sucesso; havendo partido da atividade de operária tecelã para a vitória em arte musical, a única, ao lado do desporto, capaz de trazer pessoas de origem humilde a formas de subida de status, ademais negadas à maioria do povo por um processo social discriminatório e injusto, feito, todo ele, para privilegiar classes dominantes, oligarquias e elites econômicas.
Dona de tais características peculiares, ademais alma sadia, enorme coração e sentimento popular, eis o tempero necessário para a plena aceitação de seu povo.
Estrela de seu povo, assim luziu, linda, Clara Nunes.
O povo percebia na figura de comunicação de Clara Nunes uma forma de identificação. Era alguém como qualquer outra e que conseguira o sucesso mas uma vez conseguido, jamais se tornara "um ou uma deles". Mantivera características de simplicidade, cordura e limpeza d'alma indispensáveis à aceitação dos vitoriosos. Mais: sua arte trazia o canto do povo e não o das elites. O povo identifica com clareza os artistas que o representam.
Os meios de comunicação, dominados pela intelectualidade ou pela ideologia da classe média, em geral destacam, apenas, artistas afinados com esses dois universos (intelectualidade e classe média). Eles acabam por funcionar como poder, distribuindo títulos de qualidade e determinando quem é "bom", quem é o "melhor" etc. Nem sempre, porém, ou quase nunca, o povo se guia por tais ditados. Ele possui formas próprias de identificação que resistem às imposições ou disposições do poder cultural. Assim ocorreu com Clara Nunes. Era no máximo "aceita" pelo poder cultural. Este, jamais a deferiu como artista maior, acabando por render-se quando as evidências de seu sucesso e a profundidade de sua aceitação, impuseram-lhe a personalidade artística.
Clara emergiu do povo para as elites, o que acentua a sua força pois em geral artistas não deferidos pelos meios de comunicação custam muito mais a aparecer e mesmo quando refulgem nem sempre conseguem durar na preferência popular. Ela conseguiu. Por si mesma. Mercê dos dons, da missão e das mensagens com as quais o Mistério a dotou.
Como cantora, Clara Nunes possuía voz de soprano lírico dramático. Não era impostada por estudo e técnica. Espontânea, natural, com índices razoáveis de intensidade e extensão para o canto popular mas, sobretudo, ressaltava-se-lhe o timbre de teor morno e sedutor. Com seu amadurecimento vocal, os registros médios e os pianíssimos ficaram muito belos como sonoridade. Havia um halo de energia positiva no que emitia e isso se transmitia para a população
A feminilidade saltava-lhe através das formas discretas mas expressivas e sensuais com as quais movia o corpo ao ritmo das músicas, ao cantar. A sensualidade de Clara Nunes jamais foi explícita, extrovertida ou artificialmente acentuada. Fluía naturalmente, a partir de sua moderação. Estava na respiração, no olhar, na feminilidade natural.
Incorporou, ademais, Clara, a seu canto, outro elemento provindo das camadas populares e peculiares aos setores oprimidos e marginalizados da sociedade brasileira: os pontos de umbanda, a espiritualidade, a roupa branca. Em fase de valorização de idéias e comportamentos oriundos do materialismo, ela ousou trazer a religiosidade profunda dos segmentos negros da sociedade brasileira, fundindo-os no produto final e mesclado das várias formas afro-brasileiras que fez questão de divulgar.
Tais elementos, objetivos e subjetivos, talvez expliquem parte dos mecanismos de comunicação inclusos na figura e na arte de Clara Nunes. Alguma coisa de funda e comovente toca a sensibilidade de quem a escuta. Há muito de fêmea e de guerreira de flores a escapar de seu canto. Há algo de ingenuidade e meninice. Há a simplicidade das regiões do interior do País. Há negro e branco. Em suma, trata-se de artista capaz de sintetizar inumeráveis profundidades em seu modo de ser e de se expressar. Emblema polissêmico de um povo e de um país. Imortal, portanto.

Fonte:
http://www.arturdatavola.com/Cronicas_2004_P_3html#clara
Ulisses Júnior
Enviado por Ulisses Júnior em 12/11/2007
Código do texto: T734283
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ulisses Júnior
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 39 anos
83 textos (124040 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/17 21:38)
Ulisses Júnior