Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Após algum  tempo morando sozinho na Itália, Gordo encontrou  sua cara metade, a Anna, que morava em outra cidadezinha, bem pequena também, Moricone, com as mesmas características de Nerola.

Bem, chegou a hora do casamento e fomos pra lá para antes dele, conhecer a Anna e sua família.

Aí começou tudo...

Gordo me instruia antes da chegada e encontro com a futura sogra dele, para que eu dissesse ou desse a entender que era bem católica, pois lá são todos bem carolas... 
Isso para deixar uma boa impressão minha nela!

Foi tudo bem, mas era  final de agosto, um  calor daqueles de fazer o inferno ficar humilhado e eu, o que mais queria era passear por Roma ou ir para alguma praia ali perto...

Mas a época era de casamento e seus preparativos...E que preparativos!!!

Para dar uma idéia, além de todos daqueles normais, há um tal de rinfresco, que é uma festinha , na manhã do dia do casamento, onde chegam na casa  da noiva, todos os vizinhos e parentes para dali irem à igreja. 
 
Antes, são servidos doces, tortas, vinhos e tudo mais...

Imaginem só!  Pobre noiva! 
Isso não tem nada de prático, pois no dia do casório é sempre uma baiiita correria, com vestido, cabelos e tudo o mais!

Para isso, toda a vizinhança passa uma semana pelo menos, preparando os docinhos, bolachinhas e todo o resto que elas próprias consumirão no dia e durante meses , creio eu, pela quantidade que é feita.

Fui convidada pela Agnese, mãe da Anna, que hoje infelizmente já  faleceu, para ajudá-la a fazer os "tramezzini", que são tipo torradinhas, mas com uma pasta colocada nelas e enfeitadinhas.

Eu, que não estava nem ali para aquela tradição, pensei:

- Quem será que acha que eu vim do outro lado do mundo pra ficar parada aqui, fazendo "tramezzini" pra encher o pandulho dessa montoeira de mulheres, vizinhas que não eram nada minhas, nem ao menos conhecidas?

Aí, tive a brilhante idéia e quando a Agnese me explicava como deveria ser feito, eu fazia nada entender, como se não fosse capaz de fazer aquilo, ou de entender o que ela me dizia em italiano... 

Deu certo! 

No mínimo deve ter rendido entre as vizinhanças ótimos comentários...

Assim, poupei meu suor e aproveitamos  muiiiiiiito melhor o tempo, passeando por Roma!!!

Coitada da Agnese se matou pra preparar tudo aquilo ...

Uma linda festa de casamento,  mas que aconteceu, mesmo sem a minha ajuda!

Temos que ser práticos,não? 

Afinal,  apenas o filho era meu, mas a tradição era deles...

Hoje, Anna já aderiu, mesmo morando no exterior à muitas das tradições de sua sogrinha, pois  garanto, são muiiiiiiito mais práticas! (Chica)

Foto: Uma vista de Moricone(Itália)



Rejane Chica
Enviado por Rejane Chica em 30/09/2008
Reeditado em 04/10/2008
Código do texto: T1204712
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rejane Chica
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1387 textos (157953 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/19 13:41)
Rejane Chica