Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESSA É DO MEU PAI, NESTOR TANGERINI

A escolinha do Prof. Tangerini:

A INSTRUÇÃO NA PANDEGOLÂNDIA

Esquete de Nestor Tangerini
Peça: Na Dura! [Teatro de Revista]
Companhia Teatral Jardel Jércolis.
Teatro Santana
São Paulo, SP, 1937


                                  INTÉRPRETES                      CRIADORES
                                  Diretor...................................  Pepito Romeu
                                  Inspetor.................................  João Silva
                                  Professora.............................  Viana de Souza
                                  1º aluno.................................   Elvy Dorly
                                  Ministro................................   Matinhos
                                  Sua Excelência.....................   Nino Nelo
                                  Outras alunas.......................    Figurantes

1ª parte

                                  Sala de lições, de escola secundária.

                                  ALUNAS, DIRETOR, INSPETOR E PROFESSORA

                    Alunas, às carteiras; Inspetor, à mesa da mestra; Diretor e Professora, um à esquerda e outro à direita do Inspetor. Todos de pé.

ALUNAS: – (cantando)   Pô, pô, pô, pô, pô, pô!
                                         O hino que nós cantemo             Bis
                                         em lovô do Inspetô!

DIRETOR: – (às Alunas, depois de palmas moderadas, dele, de Inspetor de      Professora).  Queiram  sentar-se.  (Alunas sentam-se)  Muito bem.  (Ao Inspetor) Então,  Sr. Inspetor,  qual  a sua impressão  a  respeito  da  escola  que  tenho a honra de dirigir?
   
INSPETOR: – (posudo) A minha  impressão eu lha darei após ligeiro      interrogatório aos alunos; ao qual passo a proceder.

DIRETOR: – Perfeitamente.

PROFESSORA: – Pois não.

INSPETOR: – (a uma aluna) Aí a menina.

ALUNA: – (levantando-se) Eu, Sr. Inspetor?

INSPETOR: – A senhorita,  sim. Diga-me: quem foi  que roubou  a taça  da Comuna Francesa? (a Aluna  leva os  braços  aos olhos  e põe-se a soluçar).
                                 

INSPETOR: – (à Aluna) Está chorando?

ALUNA: – Não fui eu, não, senhor!... Juro por Deus que não fui eu!...

AS OUTRAS: – Não foi ela, não! Não foi ela!

INSPETOR: – (à Professora)  Como é, Professora?   Que explicação me dá, diante  de tal resposta?

          PROFESSORA: – Sr. Inspetor,  a aluna  é filha  de família  tão distinta,      que      não acredito haja roubado a taça.
                   
INSPETOR: – (ao Diretor)  E o Sr., seu Diretor?  Que me diz  diante do que acabo de ouvir?
                                   
DIRETOR: – Também não creio que a pequena tenha praticado ação tão feia. (CORTINA).
                                                       
                                             LOCUTORA
                                  (que surge de entre a cortina)







Em face do presenciado
(coisa incrível, seu registro),
o Inspetor, apavorado,
vai direitinho ao Ministro. (Sai, por entre a cortina que se abre).
               
2ª parte
                               
Sala de audiência do Ministro.

INSPETOR E MINISTRO

              (sentados)

INSPETOR: - Creia,  Sr. Ministro,  que o fato que lhe venho relatar é de
                       molde a lavrar o descrédito da instrução.

MINISTRO: - (solene) Ouvi-lo-ei atentamente,  esperando seja o seu re
                        lato proveitoso à nossa reforma de base. (Onde há um as-
                        terístico, modernizou-se a fala).

INSPETOR: - Inspecionando a Escola Modelo, perguntei a uma aluna -
                       em aula – quem roubara  a taça da  Comuna Francesa;  a
                       pequena  cai  em pranto  e jura-me  não ter sido dela. As
                       colegas a defendem. Interpelo a  Professora  sobre seme-
                       lhante resposta e a mestra me declara não acreditava que
                       a aluna  tão distinta tivesse roubado  a taça. Dirijo-me ao
                       Diretor –  e este  me responde  não crer,  também,  que a
                       aluna houvesse  praticado ação tão feia. E tenho dito,  Sr.
                       Ministro.

MINISTRO: - Bem...  Vamos fazer  uma coisa:  (em tom  confidencial)
                       para evitar escândalo, eu pago a taça. (CORTINA).

                                            LOCUTORA
                                 (que surge de entre a cortina)





O Inspetor, decepcionado
com o gênio ministerial,
retira-se e, inconformado,
vai correndo ao maioral. (Sai, por entre a cortina, que se abre).

3ª parte

Sala de audiência de Sua Excelência.

                                  INSPETOR E EXCELÊNCIA
                                            (sentados)

INSPETOR: - Creia,  Sr. Presidente,  que o fato  que lhe venho relatar é
de molde  a lavrar  o descrédito da Instrução,  em prol de
                       cuja eficiência muito se empenha Vossa Excelência.

EXCELÊNCIA:  - (solene) Ouvi-lo-ei  com a particular atenção que me-
                          recém  de mim  os problemas  de cúpula. (Onde há um
                          asterísco, modernizou-se a fala).

INSPETOR: - Inspecionando a  Escola Modelo, perguntei a uma aluna –
                       em aula – quem roubara a taça da Comuna Francesa; a
                       pequena cai em pranto e jura-me não ter sido ela. As colegas
                       a defendem. Interpelo  a Professora  sobre semelhante
                       resposta  – e a mestra  me declara não acreditava que a aluna
                       tão distinta não houvesse roubado a taça. Dirijo-me ao Diretor
                        – e este  me  responde  não crer,  também,  tivesse a
                       aluna praticado ação tão feia. Vou então ao Sr. Ministro –
                       e  o Sr. Ministro  me responde que  – para evitar escândalo
                       – pagaria a taça. E tenho dito, Excelência.
 
EXCELÊNCIA: - (como que admirado) O Ministro disse isso?
         
INSPETOR: - Sim,  Excelência:  que pagaria a taça foi o que o Ministro
                        me respondeu.

EXCELÊNCIA: - Então pode ir sossegado – porque o Ministro é sério e
                             paga no duro.

- CORTINA –

..............................................................................................................................

Obs.:
Vários humoristas se dizem autores deste esquete. Por estar defendendo a obra e a memória de seu pai, o escritor Nelson Marzullo Tangerini está sendo boicotado pela imprensa brasileira.


ARQUIVO FAMÍLIA TANGERINI

nmtangerini@gmail.com, nmtangerini@yahoo.com.br
Nelson Marzullo Tangerini
Enviado por Nelson Marzullo Tangerini em 10/11/2008
Código do texto: T1275397
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Marzullo Tangerini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
310 textos (24098 leituras)
9 e-livros (127 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/10/19 16:15)
Nelson Marzullo Tangerini