Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E O BURRO SOU EU

Quanto mais cedo encaramos o nosso dia-a-dia
Procurando atempadamente cada serventia
Logo alguém se borrifa para esta prontidão:
- Ok, ok, mas tenho cá uma crise que me deu!
- Pois, pois, mas enquanto uns se esforçam, outros não
E… o burro, sou eu!

Quanto mais nos empenhamos em ser solidários
Procurando descobrir os apoios necessários
Logo alguém reage, por dá cá aquela palha:
- Ok, ok, mas deita para cá o meu!
- Pois, pois, esta mísera vida é um Deus me valha
E… o burro, sou eu!

Quanto mais nos aplicamos em cumprir cidadania
Procurando um mundo melhor e sem fantasia
Logo alguém faz de conta, assobiando pró lado:
 - Ok, ok, cada um que trate daquilo que é seu!
- Pois, pois, é assim que vemos o mundo lixado
E… o burro, sou eu!

Quanto mais se diz que prolifera a exploração
Procurando, para todos, uma honesta ambição
Logo alguém encolhe os ombros troçando:
- Ok, ok, mas eu orgulho-me de ser plebeu!
- Pois, pois, é assim qu´a corrupção vai medrando
E… o burro, sou eu!

Quanto mais se desmascaram injustiças e horrores
Procurando mentalizar as pessoas para os valores
Logo alguém enche o peito s´ envaidecendo:
- Ok, ok, mas nunca me armei de fariseu!
- Pois, pois, é assim que a impunidade vai crescendo
E… o burro, sou eu!

Quanto mais alertamos para as maledicências
Procurando apontar o dedo às prepotências
Logo alguém o contesta, com toda a lata:
- Ok, ok, mas antes assim do que ser pigmeu!
- Pois, pois, por estas e outras, a ostentação mata
E… o burro, sou eu!

Quanto mais denunciamos o qu´a violência faz
Procurando consciencializar para a busca da paz
Logo alguém protesta, de forma pachorrenta:
- Ok, ok, dentro da minha casa é um céu!
- Pois, pois, co´ esta hipocrisia já ninguém aguenta
E… o burro, sou eu!

Quanto mais revelarmos a desumana desventura
Procurando agitar as consciências para a cultura
Logo alguém levanta a voz do sensacionalismo:
- Ok, ok, o prazer da vida é o melhor troféu!
- Pois, pois, e assim se aprofunda o consumismo
E… o burro, sou eu!

Quanto mais constatamos o vício da alienação
Procurando diminuir o excesso da endeusação
Logo alguém faz questão de embandeirar:
- Ok, ok, o meu coração não ensandeceu!
- Pois, pois, mas os chavões tendem a aumentar
E… o burro, sou eu!

Quanto mais testemunhamos o valor da harmonia
Procurando sensibilizar o mundo para a poesia
Logo alguém s´ assume como farol da verdade:
- Ok, ok, mas ninguém me obrigue a ser Orfeu!
- Pois, pois, e assim vai a presunção e a vaidade
E… o burro, sou eu!

Frassino Machado
In ODIRONIAS
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 03/12/2019
Reeditado em 03/12/2019
Código do texto: T6809772
Classificação de conteúdo: seguro
Compartilhar no WhatsAppCompartilhar
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FRASSINO MACHADO
Odivelas - Lisboa - Portugal
2239 textos (54233 leituras)
20 áudios (1058 audições)
2 e-livros (27 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 22:32)
FRASSINO MACHADO

Site do Escritor