Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DJALMÃO

Numa favela do Rio de Janeiro, Djalmão era o mais terrível dos traficantes. Tudo o que era de mal pra fazer, chamavam o Djalmão.
Num dia a tarde, Djalmão estava la no seu barraco limpando as unhas com a ponta de uma faca afiadíssima, quando entra um grupo de traficantes trazendo um cara amarrado com as mãos pra tráz.
O grupo entra barraco adentro e empurra o cara amarrado e fala pra Djalmão:
- Djalmão, pegamos esse cara rondando por aqui pela comunidade, o chefe falou pra voce comer o rabo dele.
Djalmão olha por baixo e continuando a limpar as unhas com a faca fala:
- Deixa ele ai no quarto que depois eu dou um jeito nele.
Assim que os bandidos saem, o vivente aproxima-se com as maos amaradas perto de Djalmão e fala:
- Pô Djalmão, eu só tava passeando por aqui, não come meu rabo não. Por favor.
Djalmão nem olha pro vivente e continua a limpar as unhas, quando chega novamente os bandidos trazendo mais um cara amarrado pelas mãos e fala:
- Djalmão, pegamos esse cara roubando nossas coisas aqui na favela. O Chefe falou pra voce cortar as mãos dele fora e furar os dois olhos.
Djalmão sem olhar pro cara fala:
Põe ele la dentro com o outro que depois dou um jeito.
Momentos depois chegam os bandidos novamente com outro cara amarrado pelas mãos e falam pro Djalmão:
- Djalmão, pegamos esse cara aqui mexendo com nossas mulheres. O Chefe falou pra voce cortar o saco dele e as orelhas dele.
Djalmão fala:
- Deixe ele ali com os outros dois que depois eu dou um jeito.
Sem nenhuma duvida, o primeiro vivente se aproxima de Djalmão e fala:
- Ô Djalmão, não se esqueça que o do cuzinho é eu tá?
Magrao
Enviado por Magrao em 22/10/2007
Código do texto: T704623

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Magrao
Caarapó - Mato Grosso do Sul - Brasil, 54 anos
132 textos (12390 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/17 13:33)
Magrao