Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A bruxa mau e a fada Sininho

A bruxa  Zilda era  malévola e invejosa morria de ciúmes da fadinha mágica Sininho. Porque ela era muito linda e possuía muitos talentos, dentre eles, fazer mágica era sua especialidade.
A velha bruxa todos os dias ficava em frente seu espelho mágico e falava: _espelho meu, espelho meu! Existe alguém mais bela nesse reino do que eu?  Sua feiura era tamanha que o espelho se quebrou diante de sua própria imagem. Ela ficou furiosa. E foi maquinando um plano para se livrar da fadinha.
A fadinha era amável com todos e adorava realizar os desejos de seus amigos, pois era uma pessoa do bem e se alegrava com a felicidade dos outros.
A bruxa ficava estourando de raiva quando via a fadinha feliz da vida e a cada dia conquistando novos amigos.
Então ela teve uma ideia.___Dessa vez acabo com ela. Já sei vou fazer um jantar especial na minha casa e a convidarei para saborear comigo, aproveito e coloco uma porção mágica para ela perder os poderes e depois a transformarei num monstro horrível. Rá, rá, rá, rá.
A mesma de imediato foi logo pegando seu enorme caldeirão , a colher de pau e começou a separar os ingredientes para aprontar o cardápio. Pegou seis aranhas, três orelhas de morcego, um gambá,  algumas baratas, olhos de jacaré, bastante pimenta do reino e malagueta, unhas de defunto, cabeça de bode , xixi de cabra e um pouco de capim para incrementar na sopa. Em seguida preparou um bolo formigueiro cheio de insetos: moscas, minhocas, uma nojeira. Pôs no fogão para assar.
Enquanto isso a fadinha cuidava do jardim e conversava com as roseiras e as borboletas. De longe a bruxa espionava tudo o que ela fazia. Quando foi ficando à tardinha, o sol já estava desaparecendo e ela já se despedia de seus amigos para ir pra sua casa, de repente apareceu a  bruxa e disse:_Oh, senhorita fada, não sabia que estava por aqui!
Hoje é  meu aniversário gostaria que você comparecesse em minha casa para a gente jantar e saborear um delicioso bolo de chocolate.
A fadinha, inocente, sem perceber qual seria a intenção da bruxa aceitou o convite . Chegando lá a bruxa fez questão de preparar o prato e servir. Porém, a fadinha respondeu:__ Muito obrigada, já estou servida. A bruxa insistiu, mas que desfeita é essa fiz o jantar com tanto carinho.
A fadinha respondeu:___ Desculpe-me, mas estou cheia. Para você não ficar chateada vou degustar do seu bolo, parece tão saboroso que deu água na boca.
A bruxa espertalhona rapidamente foi logo partindo o bolo que estava enfeitiçado e ela havia colocado também porções mágicas para envenenar a fada mágica.
Mas, a borboletinha amiga da Sininho viu tudo o que bruxa havia planejado, então falou no ouvido dela:_ cuidado, amiga isso é um truque dessa malvada! Não coma pode estar envenenado!
A fada ao receber a fatia do bolo comentou:___ Muito gentil de sua parte me dar o primeiro pedaço de seu bolo. Vamos fazer assim:___Come você o primeiro pedaço , depois eu saboreio o segundo.
A bruxa ficou de calça justa, sem saber o que dizer e fazer porque queria convencer a fada  a comer o bolo a todo custo.
Mas, a fada foi mais inteligente que ela e não comeu.
Ela bolou outra ideia e trouxe uma taça de suco de uva e outra de sangue de vampiro envenenada.
Ela falou:___ Sininho você é minha convidada especial , não aceito não como resposta, vamos provar do refresco de uva.
A bruxa  se confundiu e entregou para a fada a taça do suco de uva e tomou a outra taça com a porção envenenada.
E adivinha o que aconteceu? O feitiço caiu contra o feiticeiro, a bruxa perdeu seus poderes e acabou se transformando num monstro do mar  desapareceu daquele reino e nunca mais se ouviu falar dela.
E a fada mágica?
Continuou maravilhosamente linda e muito feliz sempre fazendo o bem àqueles que a procuravam e cada vez mais crescia em inteligência, bondade e sabedoria.
Moral da estória: o mal por si se destrói. A bruxa provou do seu próprio veneno. Nunca devemos desejar ou  fazer para os outros o que não queremos  para nós.
Valdizia Barros
Enviado por Valdizia Barros em 03/07/2018
Reeditado em 08/07/2018
Código do texto: T6380941
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Valdizia Barros
Paulo Afonso - Bahia - Brasil, 40 anos
66 textos (2018 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/07/18 13:55)
Valdizia Barros