Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BARATA PEIDONA

Ela vivia na minha instante de livros lendo Franz Kafka,era feia e repugnante,só de vê-la causava-me arrepios e nojo,o seu odor fedorento sentia-se à distancia.

Má-dona o nome que a dei,era uma barata cascuda diferente de todas os insetos que já vi,pois está além de ler também soltava muitos peidos.

Outro dia,distraida,relendo a metamorfose,má-dona sentou num tubo de colar 'superbonder' que estava aberto,sabe o que aconteceu com a coitada? Suas duas bundinhas colou uma na outra,obstruindo completamente o aurifício pequeno dela.

É agora? Como ela vai fazer para defecar? E principalmente,como ela vai fazer para soltar aqueles peidos fedorentos que só barata cascuda solta?Pois dona barata peidava mais do que defecava.

O jeito foi chamar o doutor 'sabetudo' que veio voando e disse-lhe a queima-roupa que nada podia fazer por ela.Quando ela ouviu aquele diagnóstico ficou desesperada,em estado de choque!

Pálida e sentindo fortes dores na região cutanea,dona barata começou a inflar feito um balão,seus gases nocivo à saúde,crescia,ganhava peso,avolumava-se de forma rápida e espantosa.

Até que,não suportando mais aquela pressão,ela explodiu como uma bomba H. Naquele momento,metada da raça humana foi exterminada e a outra,transformada num imenso inseto monstruoso...



FIM!
Joelson Gomes da Silva
Enviado por Joelson Gomes da Silva em 12/01/2021
Reeditado em 13/01/2021
Código do texto: T7158347
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Joelson Gomes da Silva
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 51 anos
1024 textos (23389 leituras)
5 e-livros (130 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/21 07:10)
Joelson Gomes da Silva