Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PROJETO DE VIDA continuação I: ACORDO ENTRE O ALUNO-O PROFESSOR & Competências socioemocionais em foco Entusiasmo, assertividade, autoconfiança, foco e empatia.

#FormacaoAprofundada_Módulo4_em breve!
Módulo 4 da Formação Aprofundada – Projeto de Vida – 1ª Edição/2019

Em breve o conteúdo será atualizado. Por favor aguarde.

Agradecemos pela sua compreensão

https://avaefape.educacao.sp.gov.br/mod/page/view.php?id=2957
______________


FALE CONOSCO
 

PRECISA DE AJUDA? FALE CONOSCO!
O “Fale Conosco” é uma ferramenta digital que permite às equipes de coordenação, pedagógicas e técnicas de um determinado programa, ação e/ou curso:

Oferecer suporte técnico, administrativo e/ou pedagógico aos usuários;
Esclarecer dúvidas relacionadas ao curso e/ou ação em que você está envolvido(a);
Manter o registro, o histórico e o acompanhamento de todo o processo.
Como usuário da ferramenta, você poderá:

Esclarecer dúvidas;
Solicitar suporte técnico e/ou pedagógico para dificuldades relacionadas aos cursos e/ou ações em que está envolvido(a);
Enviar sugestões, críticas e/ou solicitações.
EXISTEM DUAS MANEIRAS DE VOCÊ TER ACESSO ÀS RESPOSTAS DE SUA OCORRÊNCIA:
Pelo e-mail cadastrado na Secretaria Escolar Digital (SED). Neste caso, se servidor(a) SEDUC, você deverá utilizar obrigatoriamente um e-mail institucional Microsoft (@educacao.sp.gov.br ou @professor.educacao.sp.gov.br);
Pelo próprio Portal de Atendimento da Secretaria da Educação.
DICAS IMPORTANTES PARA FACILITAR O SEU ATENDIMENTO!
Sempre envie suas dúvidas, críticas e/ou sugestões por meio do “Fale Conosco”, pois a ferramenta, além de manter o registro de toda a conversa, ainda nos permite ter acesso aos seus dados;
Sempre mencione o nome do curso, ano e edição, e/ou da ação sobre o(a) qual está se referindo;
A resposta não acontecerá em tempo real e nem será automática. Cada ocorrência será lida, analisada individualmente e, se for o caso, encaminhada para as equipes responsáveis;
Você poderá enviar uma ocorrência a qualquer dia e horário. No entanto, as respostas serão enviadas em dias úteis e em horário comercial.
E LEMBRE-SE! AGORA FICOU MAIS FÁCIL FALAR COM A GENTE!
A senha do e-mail institucional é a mesma utilizada para acessar o Portalnet (GDAE), a Secretaria Escolar Digital ou o Outlook.
Ative e verifique seu(s) e-mail(s) institucional(is). A ativação dos e-mails institucionais dos servidores SEDUC é feita por meio da plataforma Secretaria Escolar Digital: https://sed.educacao.sp.gov.br/.
Em caso de dúvidas para abrir a ocorrência, ligue para 0800 77 00012 e contate a equipe de suporte.
E então? Precisa falar com a gente? Clique aqui!

___________________

Não está familiarizado com o AVA-EFAPE?
Para conhecer melhor o ambiente, leia o Guia de Utilização do Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA-EFAPE.
______________

NOTA Nº 1 Pedagogia da Presença
Também conhecida como Presença Pedagógica, é o fundamento da relação entre quem educa e quem é
educado, e traduz a capacidade do educador de se fazer presente na vida do educando, satisfazendo
uma necessidade vital do processo de formação humana. A essência da Pedagogia da Presença é a
reciprocidade.
Na prática, a Presença Pedagógica se traduz no compartilhamento de tempo, experiências no exercício
de interação, abertura, confiança e compromisso com o estudante, fortalecendo o vínculo interpessoal e
a mediação de conflitos e da aprendizagem. Ela trata da qualidade das interações e da mediação do
professor e envolve:
• O exercício do acolhimento e da abertura para construir uma relação de confiança com os
estudantes;
• A mediação do professor nas situações de conflitos relacionais, buscando envolver os(as) jovens na
reflexão sobre os diferentes aspectos e na resolução do problema, em vez de agir como o único
resolvedor;
• O compromisso do professor com relação à aprendizagem dos estudantes, traduzido na confiança
no potencial de cada um, nas expectativas elevadas sobre suas capacidades de aprender e na
persistência e no investimento em ensinar.

____________


27/11/2019 19:47 - J B Pereira
Caderno do Estudante, Projeto de Vida, SEDUC-SP _____ A atividade Histórias de vida: como ver o mundo com outros olhos?, que consta no Caderno do 1º bimestre da 3ª série do Ensino Médio, materializa bem esse eixo. Veja!_________ Atividade: Histórias de vida: como ver o mundo com outros olhos? ______ Repare que esta atividade permite ao estudante: 1 Colocar-se no lugar de outros jovens que enfrentam desafios semelhantes aos seus; 2 Refletir sobre as suas escolhas e a responsabilidade que tem sobre elas; 3 Criar estratégias para os anos que seguem o final da educação básica; 4 Conhecer trajetórias de jovens inspiradores. _____ O contrato de convivência O contrato de convivência é uma forma de materializar os valores compartilhados na escola. Você e a Coordenação Pedagógica devem conversar com todos os professores e demais profissionais e combinar como o farão. No contrato de convivência cabem combinados que vão desde o cuidado com a limpeza dos banheiros e a organização da fila no refeitório até a importância de dar ?bom dia? para quem frequenta a escola. Veja um exemplo de caminho a seguir para a elaboração do documento. Apresentar o que é contrato de convivência para representantes de turma. Leia mais... Agendar conversa dos representantes com a turma sobre o contrato de convivência. Leia mais... Realizar as conversas dos representantes com a turma sobre o contrato de convivência. Leia mais... Elaborar relatório dos resultados da conversas com a turma sobre o contrato de convivência. Leia mais... ______
 Tabular e organizar os registros coletados pelos representantes de sala. Leia mais... Ajustar e validar os registros coletados do contrato de conviência. Leia mais... Compartilhar o resultado final do contrato de convivência da escola. Leia mais... Estabelecer o prazo da validade do contrato e período para nova confecção. _______

https://avaefape.educacao.sp.gov.br/mod/lesson/view.php?id=2361&pageid=1821
_____

Veja o exemplo de um quadro preenchido para a aula O que gosto de fazer, como me vejo no presente e no futuro?

O que gosto de fazer, como me vejo no presente e no futuro?

Objetivo

Conexão dos estudantes com seus interesses, motivações e aspirações.

Competências socioemocionais em foco

Entusiasmo, assertividade, autoconfiança, foco e empatia.

Tempo previsto

45 minutos.

Repare que as competências em foco estão sempre contidas entre aquelas priorizadas para ser desenvolvidas ano a ano. Sua indicação apoia o processo de acompanhamento do desenvolvimento do estudante pelo professor.

No Caderno do Estudante também há a indicação das competências socioemocionais a ser desenvolvidas de forma simplificada. A intenção é que o estudante tome consciência do seu desenvolvimento e seja protagonista nesse processo. Além disso, há uma série de atividades ao longo dos Cadernos do Estudante que o estimulam a refletir e se apropriar desse processo.

Veja, a seguir, parte da atividade Desafio do Autoconhecimento Socioemocional, que consta no material do estudante do 6º ano do Ensino Fundamental.

A proposta é que essa atividade seja desenvolvida logo depois de os estudantes terem respondido a um exercício em que identificaram como anda o desenvolvimento das suas competências socioemocionais individualmente e, em seguida, levantaram quais são as duas que precisam de mais acompanhamento dentro da turma, de forma coletiva.

Atividade: Missão 3 – Onde estamos e para onde queremos ir!


Esta atividade permite que o estudante:

1
Trabalhe de forma colaborativa;

2
Identifique competências que precisa/quer desenvolver;

3
Compreenda melhor o conceito de competência socioemocional;

4
Relacione de forma progressiva as atividades realizadas nesse componente.

Relembre algumas informações sobre o eixo Desenvolvimento intencional de competências socioemocionais.

https://avaefape.educacao.sp.gov.br/mod/lesson/view.php?id=2361&pageid=1821

______________

Na aula Retrovisor, que está no Caderno do Estudante do 9º ano do Ensino Fundamental, este eixo se concretiza. Veja!

Aula: Retrovisor

Esta atividade permite que o estudante:

1 Conecte os conhecimentos adquiridos nos componentes com seus planos futuros;

2 Identifique fortalezas e pontos a desenvolver em cada um dos componentes;

3 Realize uma autoavaliação;

4 Crie estratégias para se conectar e se desenvolver em cada componente escolar.

Relembre algumas informações sobre o eixo Formação acadêmica de excelência

Uma formação acadêmica de excelência é aquela que se realiza por meio de práticas eficazes de ensino e de processos verificáveis de aprendizagem, que asseguram o pleno domínio, por parte do estudante, do conhecimento a ser desenvolvido desde o Ensino Fundamental à conclusão do Ensino Médio.

Um ensino que garante excelência se organiza por meio de:

1 Currículo configurado pelo Currículo Paulista

2 Documentos institucionais

3 Componentes inovadores como parte integrada

Neste contexto, cabe ressaltar que é necessário cuidar do desempenho escolar em todas as suas instâncias: na sala de aula e em todos os espaços escolares. Você pode utilizar indicadores para garantir o alinhamento entre as ações do educador e dos estudantes, com as ações e estratégias da escola e monitorar os resultados esperados.

______________

O componente na prática escolar
3.1.7. Reflexão sobre as atividades dos eixos formativos

Você conheceu alguns exemplos das muitas atividades propostas no Caderno do Estudante, as quais trabalham os três eixos estruturantes: formação para a vida, desenvolvimento intencional de competências socioemocionais e formação acadêmica de excelência.

Hora de refletir!
Depois de conhecer essas atividades, agora é hora de dar a sua cara a elas!

Utilize seu bloco de notas para:

Indicar como você organizaria cada uma dessas atividades.
Refletir também sobre outras práticas que você usa e que poderia desenvolver nesses eixos.
Caso você queira, poderá compartilhar as suas reflexões e sugestões nas redes sociais com a #inova_educacao.

______________

Gestão e mobilização dos eixos formativos

No Módulo 1, você viu que é preciso construir uma nova cultura escolar para que a escola e sua equipe promovam as condições necessárias para o trabalho com o projeto de vida de seus estudantes.

Muito já é feito pela escola e por seus professores, e o caminho aqui desenhado traz diferenciais importantes:

1
A necessidade de definição de papéis;

2
O trabalho com os alinhamentos;

3
A intencionalidade em todas as ações da escola;

4
A corresponsabilidade planejada e intencional do estudante em todo o processo de ensino e aprendizagem;

5
O monitoramento das ações pedagógicas por meio de indicadores de processo e de resultado.

Esses elementos movimentam a gestão da sala de aula. Sem eles, não há como garantir as entregas que contribuirão para que os estudantes alcancem seu projeto de vida. Tudo começa com o trabalho entre o professor e seus estudantes – e a ele retorna, num processo contínuo de retroalimentação.

Agora, assista ao vídeo com o vice-diretor Luciano André Mantovani, da E.E. Priscila Fernandes da Rocha, e com a coordenadora Rute Correia Scardua, da E.E. Educador Pedro Cia, sobre a importância do trabalho da gestão da escola para o projeto de vida dos estudantes.

_______________

Veja alguns cuidados que precisam ser tomados para as aulas do componente Projeto de Vida.

Antes da aula
Durante a aula
Depois da aula


ANTES DA AULA
Ao planejar suas aulas de forma cuidadosa e metódica, o professor já está iniciando o
exercício da Pedagogia da Presença1
.
Você, como professor, já realiza várias das estratégias que são propostas a seguir. Para
fins didáticos, o material foi sistematizado em algumas dicas, subdivididas em três
passos de planejamento a serem seguidos na etapa “antes da aula”.
Passo 1: Estudar a aula proposta nos materiais estruturados
➔ Ler e se apropriar dos materiais estruturados – Caderno do Professor e Caderno
do Estudante –, identificando o que se espera da atividade e quais recursos
serão necessários. Você, exercendo sua autonomia, pode complementar a
proposta da aula indicada no material estruturado.
➔ Preparar os materiais que serão utilizados durante a aula, antevendo possíveis
problemas em relação à estrutura disponível e elaborando “planos b”.
➔ Detalhar os objetivos e conteúdos que deseja trabalhar junto aos estudantes ao
longo da aula:
• Quais conhecimentos serão ensinados?
• Quais competências se propõe que eles desenvolvam?

1 Pedagogia da Presença
Também conhecida como Presença Pedagógica, é o fundamento da relação entre quem educa e quem é
educado, e traduz a capacidade do educador de se fazer presente na vida do educando, satisfazendo
uma necessidade vital do processo de formação humana. A essência da Pedagogia da Presença é a
reciprocidade.
Na prática, a Presença Pedagógica se traduz no compartilhamento de tempo, experiências no exercício
de interação, abertura, confiança e compromisso com o estudante, fortalecendo o vínculo interpessoal e
a mediação de conflitos e da aprendizagem. Ela trata da qualidade das interações e da mediação do
professor e envolve:
• O exercício do acolhimento e da abertura para construir uma relação de confiança com os
estudantes;
• A mediação do professor nas situações de conflitos relacionais, buscando envolver os(as) jovens na
reflexão sobre os diferentes aspectos e na resolução do problema, em vez de agir como o único
resolvedor;
• O compromisso do professor com relação à aprendizagem dos estudantes, traduzido na confiança
no potencial de cada um, nas expectativas elevadas sobre suas capacidades de aprender e na
persistência e no investimento em ensinar.
➔ Formular boas e desafiantes perguntas exige conhecimento sobre o tema da
aula, além de um planejamento adequado. Definir com precisão os objetivos da
aula é essencial para formular questões que orientem o estudante a avançar de
modo crítico, para além de suas interpretações pessoais, com relação ao tema
ou à situação-problema que será proposta. No planejamento, o professor faz
antevisões sobre os momentos de trabalho em qualquer forma de
agrupamento, procurando elaborar boas perguntas, que suscitem a discussão.
Passo 2: Planejar estratégias para a aula
➔ Planejar a aula2
com foco na aprendizagem cognitiva e socioemocional dos
estudantes, buscando variar as estratégias didáticas e praticar as
metodologias ativas.
➔ Planejar as interações pedagógicas a partir do pressuposto de que todos os
estudantes, sem exceção, possuem recursos cognitivos e emocionais para
aprender, sendo que esses recursos resultam de um investimento no seu
desenvolvimento e podem ser continuamente aprimorados.
➔ Definir objetivos e expectativas em relação à aprendizagem dos estudantes3
,
considerando o engajamento da turma e os aspectos cognitivos e
socioemocionais envolvidos.
➔ Modular o nível de dificuldade da situação-problema, levando em
consideração as capacidades e conhecimentos dos estudantes. Estimule os
estudantes a acreditarem no seu potencial para alcançar a resolução,
considerando que pode haver desafios a serem transpostos na construção da
solução; por isso, sua mediação como professor é fundamental. É justamente
a necessidade de resolver que leva o estudante a elaborar ou a acionar
saberes necessários a todo o processo.
➔ Antever ações de mediação durante o planejamento, visando à orientação
dos estudantes para a necessidade de realizarem pesquisas e outras leituras

2 Planejar a aula: planejar os momentos de abertura, mobilização da turma, abordagem dos
conhecimentos prévios, realização de atividades individuais ou coletivas, avaliação e encerramento.
3 Aprendizagem dos estudantes: nem menos do que eles podem aprender, nem muito mais do que
conseguem no momento.
que favoreçam uma compreensão maior e a apreciação fundamentada sobre
o tema e o assunto definidos, considerando a diversidade de opiniões,
abordagens e valores culturais que circulam sobre o tema e que devem ser
colocados em diálogo em seu texto. Nesse movimento, você pode solicitar
leituras prévias no modelo de sala de aula invertida.
Passo 3: Planejar a gestão do tempo, do espaço e dos recursos
➔ Definir como se realizará a gestão adequada do espaço, do tempo, dos recursos
e das atividades, de forma a melhor engajar os estudantes e atingir os objetivos
de aprendizagem propostos. Em algumas situações, de exploração de espaços
como sala de leitura, laboratório de informática etc., lembre-se de conversar
com outros profissionais da escola para combinar detalhes.
➔ Ao propor roda de conversa ou outros formatos coletivos, organize
previamente o espaço da sala de aula, cadeiras e mesas, em formato de roda
ou em pequenos times, de modo a reduzir o tempo destinado a isso. É
importante fazer combinados prévios com a turma; por exemplo, convidando-a
a participar dessa organização.
➔ Planejar a melhor maneira de agrupar os estudantes nas diversas atividades a
serem realizadas durante a aula:
• Leitura de texto individual ou coletiva?
• Realização de exercícios individuais ou em duplas?
• Busca de informações na internet em trios ou times, usando infraestrutura
da escola ou celulares dos estudantes?
• Debate de ideias em times ou com toda a turma?

___

DURANTE A AULA
Feito o planejamento antes da aula, é hora de praticar a Pedagogia da Presença no
exercício cotidiano das aulas do componente curricular Projeto de Vida.
Veja a seguir dicas para compreender os cuidados que devem ser tomados durante a
aula em relação a vários aspectos, como:
➔ Gestão da aprendizagem;
➔ Gestão relacional;
➔ Gestão do tempo e do espaço;
➔ Avaliação.
Gestão da aprendizagem
O engajamento do estudante se dá no início e durante a aula. Por isso, é essencial
partir de uma situação mobilizadora; trazer um recurso que permita o
questionamento, um desafio, uma proposta investigativa; ou simplesmente
problematizar o conhecimento prévio dos estudantes sobre o conteúdo que será
abordado. Esse movimento pode ser realizado com a turma reunida em roda de
discussão ou em pequenos times.
É interessante organizar as discussões em dois momentos: primeiro em pequenos
grupos e depois com a turma toda. Dessa forma, os estudantes têm a oportunidade de
partilhar suas percepções ou concepções iniciais antes do momento de socialização com
a turma.
Em sua mediação, o professor provoca o confronto respeitoso e empático de opiniões e
abre espaço para dúvidas, despertando a curiosidade para aprender sem, no entanto,
fazer explicações detalhadas. O importante, aqui, é conhecer o ponto em que os
estudantes se encontram, o que eles conseguem fazer ou perceber por si mesmos, como
2
mobilizam seus conhecimentos prévios, para, depois, configurar melhor a situação
problematizadora sobre a qual se desenvolverá a aula ou as aulas seguintes a essa.
Outras considerações sobre gestão da aprendizagem
➔ Trabalhe intencionalmente o protagonismo dos estudantes para que eles se
corresponsabilizem pela gestão de suas aprendizagens.
➔ Busque conhecer permanentemente os estudantes e orientar suas trajetórias de
aprendizagem nas aulas das áreas de conhecimento de forma articulada ao seu
projeto de vida.
➔ Estabeleça um pacto de trabalho com os estudantes, dialogando sobre os
objetivos de cada atividade e explicitando os objetivos de aprendizagem.
➔ Traga bons exemplos para ilustrar os conceitos.
➔ Crie oportunidades para o desenvolvimento de competências (cognitivas e
socioemocionais).
➔ Proponha metodologias ativas sempre que possível e de forma intencional.
➔ Faça boas perguntas e suscite a participação dos estudantes, sendo receptivo,
acolhendo e problematizando as respostas trazidas por eles, buscando estimulálos no sentido de escolhas saudáveis, sustentáveis e éticas.
➔ Realize orientações dos grupos de trabalho quando os estudantes estiverem
trabalhando em times.
➔ Apoie a formação, organização e dinâmica dos grupos de trabalho quando
necessário. Um dos critérios para a formação dos times pode ser envolver
estudantes que apresentem, no momento, mais dificuldades com outros que
estejam com maior desenvoltura no aprendizado de determinados
conhecimentos.
➔ Considere que os estudantes não são estanques em zonas de “quem aprende
mais” e de “quem aprende menos”, e que é importante valorizar a colaboração,
sempre.
➔ Use o erro como instrumento de aprendizagem. Em todos os campos de
conhecimento, a questão do erro é importante para a problematização, pois
qualquer processo de aprendizagem prevê aproximações aos conceitos, ideias
ou procedimentos em estudo, em um movimento constante de ensaios e erros.
3
Isso quer dizer que o erro não deve ser visto como algo nocivo: ele é um
“trampolim” para a aprendizagem. No componente Projeto de Vida, essa
atenção e cuidado precisam ser redobrados, pois não cabe considerar “certo” e
“errado” em alguns pontos do desenvolvimento de projetos de vida e sonhos. O
importante é a reflexão e a problematização.
➔ Dê suporte na identificação de fontes de informação e na seleção e análise dos
materiais a serem considerados como referência.
➔ Apresente referências de conceitos, aportes teóricos e procedimentos.
Durante o desenvolvimento dos projetos de intervenção1
, previstos no 8º ano do Ensino
Fundamental:
• Oriente-se pela metodologia de educação por projetos, que prevê etapas para seu
planejamento, desenvolvimento e apropriação de resultados.
• Apoie-os na “calibragem” do planejamento e da execução do projeto (de modo que os
objetivos sejam factíveis, os esforços dos times sejam organizados e as ações sejam
ajustadas, sempre que necessário).
• Estimule os times e oriente-os a registrar os processos vividos e os conhecimentos
aprendidos, bem como a elaborar produtos como relatórios, vídeos, ensaios, artigos,
revistas, blogs, apresentações etc.
Nas aulas que envolvam leitura e produção de textos, com base na complexidade que a
leitura pode trazer na etapa de planejamento “antes da aula”, fique atento às dicas a
seguir:
➔ Decida qual é a forma mais interessante de promover a leitura: individual, com
mais autonomia discente, em duplas, times ou com a turma toda. Nessas últimas

1 Agir de modo estruturado e sistemático para enfrentar problemas reais da escola e do seu entorno;
“colocar a mão na massa” colaborativamente a favor do bem comum; provocar impacto positivo na vida
de muitas pessoas – inclusive, na própria vida –, aprendendo atitudes estratégicas e desenvolvendo
competências cognitivas e socioemocionais; conectar-se a uma rede de contatos e de diálogo com
profissionais que atuam no mundo do trabalho: esses são alguns dos desafios que motivam os estudantes
a proporem e a desenvolverem projetos. O projeto de intervenção possibilita que a escola seja um espaço
que considere e acolha os interesses e anseios dos estudantes. O aprendizado no projeto de intervenção
promove uma dupla transformação: ao mesmo tempo em que os estudantes aprendem mais sobre si
mesmos, constroem conhecimentos e se transformam, eles aprendem meios para agir concretamente e
ajudar a transformar o mundo, colocando suas ideias em prática para resolver problemas reais da escola
e do seu entorno.
4
modalidades, a colaboração permitirá que os sentidos para os textos sejam
construídos de forma processual e compartilhada.
➔ Contextualize os objetivos da leitura para os estudantes, relacionando-os com a
situação de aprendizagem em expectativa (sistematizar um conceito, construir
uma contextualização, apreciar esteticamente e formar opinião, entre outras
finalidades).
➔ Inicie as atividades que envolvam a leitura com atitude problematizadora,
lançando perguntas e trazendo referências sobre as obras que os estudantes
lerão ou a que assistirão, ativando os conhecimentos prévios deles.
➔ Faça intervenções que apoiem os estudantes na construção de sentidos dos
textos, com questões que os ajudem a operacionalizar as capacidades de leitura,
em especial as capacidades críticas de apreciação.
➔ Oriente os estudantes a utilizarem procedimentos de leitura para estudo (como
o grifo, por exemplo), que implicam o uso de gêneros escritos de apoio à
compreensão, como anotações, paráfrases, resumos, fichamentos e esquemas,
mas sempre cuidando para tomar esses procedimentos e gêneros como matéria
de ensino.
➔ Avalie a capacidade crítica de leitura dos estudantes, com o intuito de planejar
as futuras aulas com abordagem criativa e plural.
➔ Promova momentos em que a turma possa checar suas compreensões e se
posicionar quanto ao texto, com apreciação estética e ética.
➔ Promova a análise metacognitiva, apoiando os estudantes na percepção e
apropriação dos procedimentos e capacidades de leitura de que se valeram, de
modo que possam mobilizá-los com autonomia em outras leituras.
➔ Acompanhe a produção dos estudantes, orientando-os a relerem o que estão
produzindo com o objetivo de avaliar (e problematizar) continuamente a
qualidade da construção do texto quanto à adequação dos recursos linguísticos
e de outras linguagens, tendo em vista suas intencionalidades.
➔ Promova revisões coletivas para análise (entre pares) dos textos produzidos,
considerando a sua adequação ao contexto de produção previamente definido e
ao uso dos recursos linguísticos e de outras linguagens na construção dos
sentidos intencionados, visando à prática de revisão “final”.
5
➔ Garanta a circulação das produções finalizadas, considerando os interlocutores
previamente definidos.
Gestão relacional
O estabelecimento de relações interativas de confiança se traduz em atitudes
simples, mas que requerem a atenção constante do professor. O cuidado é não
deixar os encontros cotidianos se tornarem uma rotina mecanizada que
automatize e dessensibilize as relações humanas e padronize os processos de
desenvolvimento de projeto de vida.
Outras considerações sobre gestão relacional
➔ Seja pontual e demonstre que se preocupa com a ausência ou o atraso dos
estudantes, contribuindo para que seja criada uma rotina de iniciar a aula no
horário acordado, com a presença de todos.
➔ Acolha os estudantes, criando um ambiente positivo para o início da aula,
praticando os “pequenos nadas”, como dar “bom dia”, “boa tarde” e “boa
noite”; chamar os estudantes pelos nomes e referir-se a cada um com respeito;
e cuidar da comunicação verbal e corporal para que seja realmente acolhedora.
➔ Estimule os estudantes a expor seus conhecimentos e pontos de vista,
promovendo a circulação da palavra entre eles, ouvindo-os sempre com atenção
e interesse, partindo das contribuições deles para a construção de outras, em
um verdadeiro processo de diálogo.
➔ Mostre por meio de palavras e ações concretas que acredita no potencial de
aprendizagem de cada um deles e que respeita seus sonhos e projetos, fazendo
os combinados de trabalho e estimulando-os a que se dediquem nos momentos
de maior esforço.
➔ Mostre as qualidades e acertos de cada estudante, construindo uma ponte
segura para a superação de dificuldades. Valorize o esforço envolvido no
processo de aprendizagem, deixando explícitas as expectativas que possui para
cada estudante e sua crença no potencial dele.
6
➔ Ajude os estudantes a perceber, compreender e respeitar outros valores e
pontos de vista, bem como a exercitar a empatia para com as vivências, sonhos
e projetos dos colegas.
➔ Fortaleça o sentimento de pertencimento dos estudantes à escola, valorizando
os símbolos e culturas que trazem, assumindo postura aberta e respeitosa para
compreendê-los e ouvi-los.
➔ Medeie situações de suposta “indisciplina”, ajudando os estudantes a identificar,
refletir e contribuir na resolução das situações de conflito, indiferença,
descompromisso etc., tomando cuidado para não tornar esse momento algo
moralizante.
➔ Apoie a formação, a organização e a dinâmica dos agrupamentos de trabalho, no
caso da realização de atividades que envolvam a colaboração entre os
estudantes. Nesse caso, medeie o trabalho dos grupos quanto à construção de
regras de convivência e pautas de trabalho e as reitere sempre que necessário.
➔ Oriente e acompanhe o trabalho coletivo, garantindo que cada estudante
participe ativamente, dando o melhor de si e sendo responsável pelo seu
aprendizado e, também, pelo aprendizado e bem-estar dos colegas durante as
aulas de Projeto de Vida.
No caso dos times, é preciso ter atenção a papéis que dão suporte ao trabalho,
como a responsabilidade pelo registro, o controle do tempo e a liderança. Esse
último papel é fundamental: todos os membros do time devem aprender a
liderar e a serem liderados. O papel do líder deve rodiziar a cada atividade e não
pode ser confundido com o papel de “quem manda ou toma as decisões
sozinho”. É preciso relacioná-lo à função de organizar o trabalho coletivo, dividir
as tarefas, motivar a participação de todos e assegurar a conclusão das ações.
➔ Promova momentos de reflexão coletiva sobre os significados das atividades que
envolvem a colaboração. Instigue-os a pensar sobre as diferenças entre essas
atividades e aquelas em que aprendem individualmente; o que tem sido mais
difícil para eles nos momentos em que são chamados a colaborar; o que
aprendem com essas atividades; e o que consideram que ainda precisam
aprender e fazer para que a colaboração seja mais rica para cada um e para
todos.
7
➔ Espelhe as competências, valores e atitudes que os estudantes estão
desenvolvendo.
Gestão do tempo e do espaço
O diálogo, o debate e o trabalho colaborativo são marcas dos encontros de
Projeto de Vida, e é importante que a organização da sala de aula (ou do espaço
em que serão realizados os encontros) reflita essas escolhas metodológicas. Por
isso, uma dica é preparar a sala junto com os estudantes, reorganizando o
mobiliário e os materiais necessários às atividades do dia. Lembre-se de que um
ambiente organizado é elemento facilitador para o desenvolvimento de
competências como foco e concentração. Já o contrário, um espaço
“bagunçado”, é um convite à dispersão.
Dentro das possibilidades da escola, indica-se que as atividades aconteçam não apenas
em salas de aula, podendo ser realizadas na biblioteca, no espaço de convivência, na
quadra de esporte etc. Para a maioria das atividades, recomenda-se que, na conversa
inicial e no “aquecimento” do encontro, a turma se organize em roda. Dessa forma,
todos podem se enxergar e a interação é estimulada. Para as outras etapas das
atividades, a turma se organiza conforme as indicações.
Outras considerações sobre gestão do tempo e do espaço
➔ Cuide da gestão do tempo, evitando “ladrões” como a desorganização do espaço
e dos materiais, o estabelecimento frágil ou insuficiente de regras de convívio, a
bagunça etc.
➔ Crie, com os estudantes, uma cultura de respeito aos horários de início e fim das
atividades e cuide para que os tempos previstos para cada uma delas sejam
respeitados.
➔ Explique de forma clara o itinerário a ser percorrido no encontro, destacando os
pontos que mereçam mais atenção do grupo.
8
➔ Informe o tempo previsto para cada atividade e proponha um combinado em
relação a como será feita a gestão desse tempo (se vai ficar a seu cargo ou de
algum estudante, em que momentos e como serão feitos os avisos de que o
tempo de cada atividade está se esgotando etc.); e detecte os momentos de
dispersão, chamando a atenção para o foco da atividade.
Avaliação
Todas as atividades do componente curricular Projeto de Vida preveem um
momento de avaliação, em que o estudante e o professor buscam refletir e
identificar se os objetivos de aprendizagem foram alcançados e em que medida,
bem como identificar desafios e o que precisa ser aperfeiçoado. São avaliações
não pontuadas, realizadas no decorrer das aulas e que têm como objetivo
contribuir para o percurso de aprendizagem dos estudantes e orientar a prática
pedagógica do professor.
Outras considerações sobre a avaliação durante a aula.
➔ Colabore na avaliação (avaliar os estudantes durante e ao final de cada atividade,
incluindo-os no processo de avaliação) e no processo de apropriação dos
resultados pelos estudantes, dando devolutivas relativas aos objetivos que
foram alcançados e àqueles que precisarão ser retomados.
➔ Contribua para que identifiquem as aprendizagens que estão desenvolvendo,
comemorando com eles os avanços, mesmo que pareçam pequenos.
➔ Ajude a identificar quais foram os conhecimentos aprendidos e as competências
que estão em desenvolvimento, auxiliando-os a perceber sentido em suas
vivências.
➔ Contribua para o mapeamento dos saberes dos estudantes acerca das questões
tratadas, bem como para a ampliação de tais saberes.
➔ Identifique o que os estudantes já aprenderam e o que eles ainda não
aprenderam em relação aos conhecimentos trabalhados nas últimas aulas.
Investigue, ainda, o que podem avançar com relação ao desenvolvimento das
9
competências cognitivas e socioemocionais. Essa identificação necessita de um
“duplo olhar” do professor, tanto com relação ao desenvolvimento da turma
quanto sobre cada estudante, tomando como parâmetro avaliativo o próprio
aluno em relação a si mesmo.

_____________

agir/planejar/ checar/ executar


DEPOIS DA AULA
A prática da Pedagogia da Presença não termina quando a aula acaba. Veja os cuidados
que devem ser tomados quando o professor está prestes a apagar a luz da sala de aula.
Observar e registrar
➔ Observe como os estudantes saem da aula: dispersos, cansados, explosivos ou
mais confiantes de que aprenderam algo significativo e serão capazes de se
dedicar aos estudos e seguir na construção de seu projeto de vida.
➔ Elabore e utilize anotações com pontos de atenção relacionados à melhoria das
atividades, à aprendizagem e ao engajamento dos estudantes.
➔ Faça uma autoavaliação sobre a qualidade de sua interação com a turma e como
ela está contribuindo para a aprendizagem de cada estudante.
➔ Avalie se as atividades desafiantes planejadas alcançaram o objetivo traçado
durante o planejamento, bem como se as perguntas formuladas foram eficazes
para mobilizar os estudantes.
➔ Registre o percurso de aprendizagem dos diferentes estudantes e a qualidade da
participação deles, ressaltando o desenvolvimento de competências cognitivas
e socioemocionais. Nesse registro, identifique se existem estudantes que, para
avançar, precisam de maior apoio seu ou dos colegas.
Compartilhar e dialogar
➔ Verifique as necessidades de diálogo com outros professores ou com os gestores
da escola para que, juntos, possam traçar estratégias a fim de solucionar os
desafios e promover a aprendizagem.
➔ Compartilhe o processo e os resultados com outros profissionais docentes e a
equipe de gestão da escola. Compartilhar seus registros e sua avaliação
individual ou de grupos de cada classe potencializa o trabalho de todos na
formação dos mesmos estudantes.
➔ Aprimore o planejamento coletivo com seus colegas professores que são
responsáveis pelos mesmos estudantes.
➔ Consolide a parceria com o coordenador pedagógico (como visto no Módulo 2)
para garantir esse “compartilhar e dialogar” com os demais professores e a
gestão escolar. O coordenador pedagógico deverá receber todas as informações
de como estão sendo movimentadas as aulas de Projeto de Vida. Para isso, três
ações são imprescindíveis:
• Que você tenha um tempo definido para o planejamento do trabalho com
Projeto de Vida. Se você for o único professor de Projeto de Vida da escola,
deverá dedicar tempo ao estudo das aulas e a refletir como a dinâmica das
aulas pode ser trabalhada considerando as especificidades de cada turma.
Neste tempo de planejamento deverá, ainda, alimentar os perfis dos
estudantes e destacar quais pontos do que está acontecendo no
desenvolvimento do componente devem ser socializados com os demais
membros da equipe escolar, fortalecendo a ideia de time de trabalho. Se na
sua escola houver mais de um professor de Projeto de Vida, seria
importante que vocês fizessem essa reflexão juntos, de modo que possam
trocar informações sobre as turmas e sua evolução (mas sem não comparálas) e seguirem ministrando suas aulas mais alinhados, permutando práticas
exitosas e se apoiando para os pontos de melhoria que, com certeza,
aparecerão pelo caminho.
• Que o(s) professor(es) de Projeto de Vida tenha(m) algumas ATPCs exclusivas
para este tema ao longo do ano. Esse é um espaço fundamental tanto para o
professor se sentir apoiado nas ações quanto para entender como lidar com
os entraves para a sequência de trabalho e também para, junto com outros
professores, alinhar e avaliar como caminha o trabalho, criando condições
para os ajustes necessários na escola, e não somente na aula de Projeto de
Vida. Vale aqui dizer que olhar para o que foi recomendado como elemento
de trabalho no módulo anterior do curso encontra espaço nesta ação.
• Garantir com a Coordenação Pedagógica da escola espaço na pauta das
ATPCs para a discussão de Projeto de Vida. Tenha presente que, neste
momento, a discussão será do coordenador pedagógico – que já se alinhou
com você anteriormente –, mas você terá os elementos de apoio para tocar
a conversa e seguir com o trabalho com todos. Esse movimento garante que
o professor de Projeto de Vida não fique isolado na escola, fazendo com que
a centralidade do trabalho aconteça.
Todo esse movimento deve ser organizado pelo gestor escolar e pela
Coordenação Pedagógica e deve ser de conhecimento de todos na escola.
Replanejar
➔ Identifique os conhecimentos que os estudantes aprenderam ou não, pois isso
impacta o seu planejamento para a próxima aula.
➔ Reflita sobre o que pode ser feito para continuar aprimorando sua prática.
➔ O ciclo é contínuo e se retroalimenta, como mostra a imagem a seguir.
Lembre-se!
Você não está sozinho: isso será feito com a participação dos demais professores e da
gestão escolar.
Planejar, para o professor, é diagnosticar, pensar e considerar a realidade e as necessidades dos estudantes, buscando antever os problemas e as possíveis soluções. É ser criativo na preparação da aula, tendo em mente fatores importantíssimos: o que, para que e como ensinar e de que maneira os aprendizados e o desenvolvimento dos estudantes serão avaliados. É estar aberto para analisar procedimentos que obtiveram êxito, verificar falhas no processo de ensino e aprendizagem, organizar e orientar melhor a prática didática.

Assista ao vídeo do diretor Osmar Francisco de Carvalho, da E.E. Prof. Milton da Silva Rodrigues, sobre a importância do acompanhamento para o projeto de vida dos estudantes.

FALA DA ESCUTATÓRIA E A PRESENÇA DO DIRETOR NO CORREDOR E DIANTE DOS ALUNOS E COM AS FAMÍLIAS.

https://avaefape.educacao.sp.gov.br/mod/lesson/view.php?id=2361&pageid=1831

___________
https://avaefape.educacao.sp.gov.br/mod/lesson/view.php?id=2361&pageid=1821
Enviado por J B Pereira em 27/11/2019
Reeditado em 04/12/2019
Código do texto: T6805329
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
J B Pereira
Piracicaba - São Paulo - Brasil
2307 textos (1293103 leituras)
14 e-livros (92 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/19 22:10)
J B Pereira