Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Cidade dos Corvos - Sangue nas Mãos

Zoo e Boo dormiram naquela noite um sono pesado, roncaram a noite toda, depois de tudo aquilo que me aconteceu eu não tinha cabeça para pensar em dormir, a sensação era de que eu estava mais próximo da minha missão acabar. Parecia que a cada passo que eu dava, mais perto do medo e agonia eu estava,e só de pensar que em uma hora, seria a minha vida pelas almas da cidade dos Corvos, eu não via outra alternativa do que o meu corpo no chão e Medusa vibrando de felicidade pela minha morte, e todas as almas condenadas para sempre.

Eu só conseguia pensar na minha derrota,eu não tinha nenhum pouco de chance de vitória, eu só sei que não cheguei até aqui, para simplesmente desistir e enquanto houver forças, eu vou lutar, mesmo que seja impossível vencer.

Zoo e Boo acordaram e o sono não venho para mim dessa vez, e como ele não quis me prestigiar, eu decidi então levantar logo de uma vez, comi mais uma torta que Zoo havia feito, e então, finalmente falei:



-Quando vamos fazer a emboscada? - perguntei com a boca cheia de torta.



-Bem, eu não sei. O que acha de hoje? Acho que quanto antes melhor não é?-Falou Boo.



-Eu acho perfeito. - falei comendo mais um pedaço da torta.



-Então por mim tudo bem. -falou Zoo.



Após a torta e Zoo e Boo pegarem algumas armas para sairmos, eu não precisava de muita preparação,eu só tinha a minha espada, nós saímos da caverna e fomos caminhando até o local onde o primeiro capanga nos encontrou da outra vez. Caminhamos bem lentamente, fomos para o centro do local, e ouvimos uma movimentação estranha na mata, era o prato cheio para estarmos ali, Zoo piscou para mim e eu pisquei para Boo, e então, ambos me amarraram em uma árvore, e amordaçaram a minha boca, eu dei uma piscadela para os dois, e eu comecei a gritar, Boo e Zoo começaram a gargalhar e começaram com o espetáculo:



-Ora veja só, um ser humano preso na floresta! - gargalhou zoo.



-E quem poderia imaginar, uma carne viva dessas aqui, solta! -falou Boo com um olhar de desejo.



-É Boo…..acho que teremos que devora-lo! -gargalhou Zoo.



-Foi uma bela amarração que você fez Zoo, deixou de um jeito que ele nunca vai escapar - gargalhou Boo.



-Não vejo a hora de abocanha-lo! - Zoo veio para cima de mim e os capangas vieram logo em seguida.



-NÃO TOQUEM NELE! ELE É IMPORTANTE! -gritou o capanga.



-Vai ter que passar por mim antes de chegar nele! - falou Boo fazendo uma pose de pirata.



-E por mim também! - falou Zoo apontando a espada para o capanga.



-ORA NÃO SEJAM RIDÍCULOS! PASSO POR CIMA DOS DOIS! E AINDA OS LEVO PARA MADAME MEDUSA! -berrou o capanga.



-Então você trabalha para aquela megera? - falou Zoo com raiva.



-TRABALHO! E EU VIM PARA ESSA FLORESTA IMUNDA PARA ENCONTRAR ESSE PIRRALHO! E NÃO SERÃO VOCÊS QUE VÃO ME IMPEDIR! -Gritou o capanga.



-O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI…..-era outro capanga que veio na direção dos gritos.



-ESSES DOIS AÍ! NÃO QUEREM DEIXAR COM QUE EU PEGUE O MOLEQUE! -Gritou novamente o capanga.



-ESTÁ BARRADO POR UM BANDO DE DESESPERADOS?! FAÇA-ME O FAVOR!.....HMMM….. SÃO DOIS….MAS NÓS SOMOS EM 4! -gritou o outro capanga.



E então esse capanga transformou a sua boca em bicho, e piou bem alto e bem ensurdecedor o  seu pio, e então, rapidamente vieram os outros 2 capangas que faltavam. O momento perfeito para um verdadeiro banquete.



O 4 capangas vieram rapidamente em direção de Boo e Zoo, mas nem precisou, os dois vendo que eram poucos para os capangas, saíram correndo de medo, me deixando amarrado naquela árvore e amordaçado. Eu revirei os olhos de puro desprezo, e o primeiro capanga veio em minha direção:



-Ora ora ora…..não presta nem para ser comida não é mesmo? - gargalhou o capanga com puro desprezo.



-Ainda bem que a Sra Medusa vai precisar de você, porque por mim você já estaria morto. - falou o outro capanga.



-Vamos acabar logo com isso! Nao aguento mais ficar nessa floresta imunda. - falou o terceiro capanga.



-Nem eu, eu não vejo a hora de estar comendo alguma coisa. - falou o quarto capanga.



-Então vamos! Aproveitem as amarras nas suas mãos e vamos! -falou o primeiro capanga.



Eles vieram na minha direção, e então, eu comecei a gritar, e quando  chegaram um pouco mais perto, eu desamarrei as cordas nas minhas mãos,e a espada já estava na minha mão, o primeiro capanga foi golpeado na garganta que caiu duro em minha frente, o segundo capanga vendo o seu parceiro caindo no chão ensanguentado, veio com toda a fúria para cima de mim, eu não hesitei, golpeei em sua barriga e ele caiu para a direita de mim, o terceiro vindo com a mesma tentativa dos dois, foi golpeado nos joelhos e então arranquei novamente a sua cabeça, e quando o outro, o último vendo que todos os outros estavam mortos, saiu correndo tentando se livrar, obviamente eu o peguei por trás, e enfiei em seu peito e ele caiu sobre mim. Suspirando e suando bastante eu sentei no chão, e só ouvi passos próximo a mim, eu com um impulso, ergui a espada, mas não eram nenhum capanga e sim Boo e Zoo.



-Opa! opa! Calminha! Calminha! Estou aqui….somos nós-Boo ergueu os braços como sinal de redenção.



-é cara…..calma. - ergue as mãos Zoo.



-Desculpe pessoal! Eu estou em choque! - falei suspirando abaixando a espada.



-Eu faço idéia, matar tudo isso pela primeira vez não deve ser uma tarefa fácil. Mas calma, você conseguiu! Matou todos! E agora, rumo a sua liberdade. - falou Zoo.



-Foi um plano perfeito Tom, você cumpriu exatamente como disse que iria acontecer. - falou Boo.



-E vocês fugindo? Foi incrível! Até parecia que vocês estavam com medo mesmo. - sorri e fiz força para levantar.



-E realmente estávamos…..mas deixar para lá. - falou Boo.



E zoo sorriu.



-O que faremos com esses corpos?! -perguntou Boo.



-Eu não faço ideia! Será que tenho que levar até ele e….. - eu parei de falar e olhei para Boo e Zoo eles estavam perplexos - o-o que vocês estão olhando?! - indaguei e eles apontaram para trás de mim e quando eu virei eu descobri o que era.



Era o supremo vestido com a sua famosa capa preta, e ele estava sorrindo,mas mesmo ele sorrindo, não parecia que a felicidade existisse nele. Pelo menos era o que eu achava que ele não tinha. Seus olhos estavam cintilantes, a cor amarela parecia um farol, e então ele disse com sua voz grave:



-Muito bem Tom,parece que conseguiu cumprir com a sua tarefa. Agora, é hora de partimos. Seus amigos podem ir com você até o portal, a floresta precisava ser limpa por uma atitude heróica. -falou o supremo.



Eu paralisado e surpreso não me mexi em nenhum momento. E o supremo olhou para frente e depois ainda de costas para mim disse:



-Vocês não vem?- a voz dele não estava tão medonha quanto estava quando eu o conheci e ele estalou os dedos e os corpos atrás de nós sumiram.



E então finalmente eu entendi que era a hora de partir da floresta, Boo e Zoo vieram logo atrás de mim e do Supremo,e permanecemos o caminho inteiro em silêncio, o que para mim era totalmente incômodo, afinal, eu gostava muito de falar e perguntar, e de repente, a dorzinha da despedida veio de encontro no meu coração, eu não queria deixar Boo e Zoo para trás, não me imaginava sem os meus amigos. Mas era necessário, eu precisava salvar as almas futuras e as almas que estavam presas ali.



Medusa precisava ser detida……



E agora……..



Eu estava pronto!.......



Medusa que me aguarde, eu não terei medo de detê-la.
Thatty Santos
Enviado por Thatty Santos em 06/01/2020
Código do texto: T6836020
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Thatty Santos
Praia Grande - São Paulo - Brasil, 21 anos
51 textos (240 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 00:08)
Thatty Santos