Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Cidade dos Corvos - O Jantar

Entrei no quarto,era grande, tinha uma cama de casal, e cheirava limpeza,parecia que eu estava em um hotel, e o banheiro era totalmente limpo e claro, tudo branco. Eu tirei o tênis, a minha camiseta,e eu só agora reparei me olhando no espelho, que eu estava sujo e fedendo a gambá, e o meu estômago roncou quando senti o cheiro da comida entrando pelo quarto,entrei na banheira, e fiquei parado olhando para o teto somente apreciando aquele momento tão bom. Mas, ao mesmo tempo que eu estava relaxado, eu estava preocupado, a maioria dos vilões que começam bonzinhos, terminam colocando veneno em maçã,e fingindo ser encantado para matar o herói, e agora,estava acontecendo o mesmo comigo, banho, comida, casa limpa, um quarto para mim, alguma coisa havia de errado, eu tenho certeza disso. Nenhum vilão faria isso.

Após o meu banho, havia pendurado no cabina novas roupas,uma calça jeans escura, um tênis All Star, e uma blusa do Mamonas Assassinas, uma banda brasileira muito engraçada, infelizmente todos morreram. É…..eu sou bem eclético nas músicas…… vesti a camiseta, e enfim, desci para o tal jantar com a Medusa, e quando eu desci as escadas,ela estava sentada tomando um gole de vinho, e quando me viu abriu aquele sorriso hipnotizador,e fez menção que eu me sentasse.



-Essa roupa ficou perfeita em você Tom. Ficou um charme! -falou ela.



-Obrigada. - falei seco.



Algo muito de errado estava para acontecer.



-Bem, vamos atacar?! -sugeriu ela que levantou um sino dourado e tocou ele.



Logo em seguida,vieram uma mulher e um homem,ambos com uma boa aparência,a mulher vestida como uma verdadeira empregada,com um óculos quadrado, e o homem com um bigode de vovô, vestindo um terno com uma gravata branca,ambos estavam com bandejas nas mãos e o cheiro era inconfundível, o cheiro era de frango frito, e se não me engano, havia batatas fritas. Quando os dois empregados abriram a bandeja, eu havia acertado: Frango frito e batata frita, refrigerante de cola, arroz, e até feijão, com uma salada de alface e tomate,um banquete perfeito para a morte.



Foi inevitável não pensar que aquela comida estava envenenada, ou então, pensar em João e Maria, que foram comendo para ser comidos, mas o estômago estava roncando, até agora, o que eu comi era frutas roxas da floresta, e eu nem imaginei que um dia eu comeria outra coisa que aquelas frutas. A empregada serviu uma bela poção no meu prato, e eu nem esperei Medida se servir, fui logo comendo que nem um touro, e quando acabei, Medusa havia terminado o dela, e eu nem reparei se ela havia posto comida no prato dela ou não. Mas honestamente, não me interessava, eu não estava nenhum pouco interessado se ela comia ou não, e sim que agora,eu estava saciado. Após o jantar, Medusa bebeu mais uma taça de vinho,e então disse:



-Muito bem Tom, você comeu exatamente tudo. Espero que você se sinta bem vindo aqui. E tem mais, amanhã teremos uma comemoração, suas roupas serão colocadas no cabide. - falou ela sorrindo.



-Comemoração? Mas…..de que? -perguntei Curioso.



-Os negócios estão indo muito bem, e eu gostaria que você participasse Tom. Será muita honra ter o porta-voz comigo. -ela sorriu e novamente veio o arrepio.



-Mesmo correndo perigo de eu te matar? - falei olhando para os seus olhos que vibraram quando eu disse aquilo.



Medusa ergueu a sobrancelha mas não disse nenhuma palavra.



Ela tocou o sino novamente,e agora, eu achei que tu iria morrer mas veio apenas a empregada que muito gentil disse:



-Pois não Sra? - ela olho diretamente para ela.



-Leve o Tom para a cama dele por favor.-falou Medusa.



-Sim Sra. -concordou a empregada.



Eu levantei rapidamente com um movimento brusco e então falei levando minha cabeça até Medusa.



-A quem você quer enganar? Me dando banho…..comida….esse sorriso maléfico….com uma casa dessas…. você pode até achar que pode me comprar com esse papinho furado de comemoração, mas a mim você não engana Medusa!..... Não vai me tirar do objetivo principal da minha missão!.....uma hora…. A Sra vai perceber que eu não sou só mais um garoto. E não se preocupe - falei virando para a empregada - Eu sei onde fica o meu quarto - falei me virando e escutei um som de taça rompendo, Medusa havia quebrado a taça de vinho em sua mão de tanta fúria.



Eu fui me dirigindo até o meu quarto e a empregada veio atrás e como não quisesse nada, entrou no meu quarto e disse:



-Todos nós temos um ponto fraco Tomas, e vai por mim, não vai querer descobrir o fraco da Medusa afrontando ela. -falou a empregada.



-E o que você sugere? - perguntei nervoso.



-Que a observe, fique no meio dela, coma com ela, e então vai descobrir o ponto fraco dela. Agora, boa noite. -falou a empregada fechando a porta me deixando no escuro.



Eu suspirei fundo, e tirei o tênis e me joguei na cama, a cama me abraçou e eu fechei os olhos para dormir e peguei no sono, abri os olhos, e eu estava no meu quarto, e Louise estava sentada na minha cama, eu levei um susto, imaginei que nunca mais estaria presente ali e de repente, tudo ficou esquisito, aquela realidade não era mais a minha realidade. E eu ergui a cabeça rapidamente e Louise estendeu a mão me pedindo que eu parasse:



-Acalme-se Tom, não faça movimentos bruscos, apenas ouça: Sei que houve contratempos desde os Get's, mas não se preocupe,tudo está dentro do controle. - falou Louise.



-Do possível a Sra quis dizer né?! Porque não me salvou da Floresta? - perguntei curioso.



-Bem, porque, mais almas foram capturadas Tom, e também, a floresta fica no lado mais escuro da Cidade, ou seja, totalmente impossível de chegar até lá. Mas ouça quero que você se infiltre no meio de Medusa,para saber os seus passos e suas coisas, não perca Medusa de vista Tom. -falou ela me olhando séria.



-Ah é mesmo?! E eu posso saber o porquê Você mudou de ideia? Não era para mim matar? Eu não vou matar?! - falei totalmente perdido.



-Sim Tom, Você vai. Mas não agora, tem que se controlar, por hora,quero que você me relate tudo o que ela fizer. - falou Louise segurando na minha mão- pode fazer isso Tom? - Questionou ela.



-Posso fazer, inclusive,ela vai fazer um banquete amanhã, não sei quem são os convidados mas terão. -falei olhando para ela.



-ótimo…..ótimo….. sinto muito por não ter conseguido te salvar Tom. Naquela floresta. - falou Louise baixando a cabeça.



-Não se preocupe…..imagino que esse dias não têm sido fáceis para nenhum de nós. -falei suspirando.



-Não mesmo, agora, durma Tom. E até a próxima. - falou Louise me dando um beijo na testa.



-Louise!.... espera!…..minha mãe…..meus amigos….como eles estão? -perguntei.



-Estão bem, para eles você está vivendo normal. Eu tive que alterar um pouco as coisas, você acorda e age naturalmente, eles nem sabem. Inclusive, você voltou para a escola, mas, não se preocupe, suas memórias voltarão quando tudo isso acabar. -falou Louise. - boa noite Tom. - e ela desapareceu e o sono me atingiu.
Thatty Santos
Enviado por Thatty Santos em 09/01/2020
Código do texto: T6837934
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Thatty Santos
Praia Grande - São Paulo - Brasil, 21 anos
51 textos (240 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/01/20 00:12)
Thatty Santos