Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Cidade dos Corvos : Ascensão do Trono: Cap 4 : " Recepção Calorosa."

-Tom?! O que você está fazendo aqui?! Alguém chamou ele? - Falou Lindsay ainda com a arma virada para a minha cabeça.

-Não! Óbvio que não.! - Exclamou Carlos por trás do sofá também armado.

E todos olharam desconfiados para James que ergue a mão em forma de rendição.

- Eu também não chamei. - Falou James - Pensei em chamar mas não deu tempo, esqueceram? - Falou James olhando assustado.

Eu vendo a dúvida pairando sobre a cabeça deles, fui logo me defendendo.

- Escuta aqui! …… Ninguém me chamou, e esse é o problema. Será que se esqueceram de como funciona a cabeça de um Porta-Voz?! - Falei totalmente bravo com a cena que eu tinha acabado de presenciar.

Todos me olharam, ainda com o ar de dúvida, Lindsay ainda não abaixou a arma e fez algo muito pior do que atirar na minha cabeça. Ela disse:

- Tom….. se é você mesmo, diga como foi que Louise apareceu pela primeira vez a você.- Falou ela ainda com a arma apontada na minha cabeça.

- Ah vocês só podem estar com brincadeira né? - suspirei com vergonha e indignado.

Eu me lembrava muito bem,e não estava nenhum pouco confortável com a situação de relembrar, Lindsay apontou a arma ainda mais firme para mim, e eu vi que não tinha outra escapatória, eu tinha que comentar. Suspirando realmente muito envergonhado, eu disse:

- Ah…. ela apareceu para mim no banho…… - Falei baixinho.

- Onde?! - Falou Lindsay insistindo.

“Será que era por pirraça?”

- No Banho…..ela apareceu para mim no banho. - ainda diminui o tom de voz.

- Onde?! Não estou te ouvindo… diga mais alto! - Falou Lindsay insistindo.

“ Que gozação ! “

- NO BANHO!....ELA ME VIU PELADO NO BANHO! SATISFEITA AGORA?! - Eu falei bem alto.

O silencio na vasa se estendeu , e passou 5 minutos que James começou a gargalhar, e todos o reto começou a rir também. E por último, Lindsay abaixo a arma, e começou a gargalhar também, bem alto. Era uma gozação. Eu bufei e Lindsay vermelha de tanto rir disse :

- Ai…..Ai…. Seja bem vindo muleque ! - falou ela enxugando as lágrimas, e dando permissão para mim entrar. todos estavam rindo, e foi cessando lentamente até que parou de vez.

- Foi mal moleque…. tínhamos que ouvir essa história vinda da sua boca, fica bem mais divertido relembrar. Então….. você deve estar cheio de perguntas não é ?!  - Falou Carlos ainda vermelho de dar risada.

- Sim, inclusive, porque não me chamaram? Fiquei esperando por muito tempo, e ninguém não se comunicou, exceto…… - eu olhei para Lindsay e ela assentiu com a cabeça e concluiu a frase.

- Aquele dia que eu te pedi ajuda…..sinto muito te preocupar Tom, não queria me precipitar, íamos falar com você , mas por último recurso. - falou Lindsay mexendo o pé e com a cabeça baixa.

- Último recurso? - eu repeti incrédulo.

Como eu poderia ser o “último recurso”?

- Sim Moleque … depois que você partiu, fizemos uma reunião e decidimos que só chamaremos em você por ultimo recurso. - Falou Carlos me olhando bem sério.

- É…...e bota último recurso nisso….- Falou James olhando para Carlos, que assentiu com a cabeça.

- Então vocês não iam me chamar é isso? - falei totalmente confuso.

- Não! - Todos falaram firme.

- E será que não passou pela cabeça de vocês que eu sou o porta-voz e estou nessa com vocês também ? O que fizeram vocês tomarem essa decisão sem me comunicar?! - Falei totalmente sério.

Lindsay e os outros se entreolharam e James o mais velho respondeu com muita franqueza.

- As circunstâncias Tomas. - falou ele firme e sério.

- As circunstâncias… - Repeti como um robô.

- Isso! ….. vimos como saiu daqui, vimos o quanto foi pesado para você, então, decidimos fazer o trabalho duro por você , o máximo que conseguimos aguentar. - Falou Lindsay e todos concordaram com a cabeça.

- E deu certo pelo visto não é?! - falei irônico.

-Quase deu certo Tom, exceto por um mero detalhe. - Falou Lindsay tentando se justificar.

- Ah é mesmo? , que mero detalhe não é ? - falei ironico novamente.

Lindsay ergueu a sobrancelha para os outros, e James percebeu a deixa para ele falar a seguinte frase:

- Escuta moleque, você está todo molhado na casa, e aposto que Betto não vai gostar disso não é?! - falou ele erguendo a sobrancelha e esperando que eu surtasse novamente.

Eu respirei profundamente, e depois, cheguei a conclusão que era verdade, Betto era tão caprichoso quanto James ra com a sua casa, era melhor me trocar.

Eu concordei com a cabeça, e então falei:

-Sim, você está certo. Onde posso me trocar? - Falei olhando somente para o James.

E ele apontou para o quarto de Betto, e ele nem precisava me pedir, eu sabia o que tinha ue fazer.
Entrei no quarto,e era um cômodo exatamente como eu sempre pensei que seria se fosse a casa de Betto, o quarto era todo revestido de madeira, na parede havia uma espingarda pendurada, uns quadros em cima da cabeceira da cama de casal dele, um lençol extremamente branco cobria a cama, e um armário embutido de madeira maciça antiga, um ventilador de teto, e um pendurador de chapéu no canto do quarto, e as cortinas eram vermelhas, tudo ali tinha uma cara de Betto, e de repente, eu senti falta dele, muito mais do que tudo.
Para mim, ele era como um segundo avô, e por último, vinha James, que apesar da sua doçura, me protegia como um leão.
Eu suspirei, entrei no quarto lentamente, e então, segurei na maçaneta do armário, e a porta rangeu bem fraquinho, todas as roupas estavam lá, exceto sua blusa favorita xadrez preta e vermelha, eu peguei uma regata e uma calça mais larga cinza, no momento, eu teria que me adaptar com aquilo. Peguei o meu cinto, e fui para o banheiro, tomei um banho e quando eu saí vestido de Betto, todos estavam falando sem parar, e quando me viram pararam.

- Do que estão cochichando agora? - falei colocando a mão na cintura.

Eles se olharam, e quando eu aproximei,levei um leve susto, Louise estava parada ali na porta, como se ela tivesse entrado pela porta ( O que não fez ) , eu respirei fundo, e então, conclui que nem todos estavam contra mim, uma das características boas de Louise, era que ela sempre foi justa, não fazia caso ou descaso com as pessoas a não ser que elas merecessem. Louise abriu um largo sorriso, bonito e doce para mim, mas dava para perceber que ela estava bem preocupada, alguma coisa a incomodava. Não sei, parecia que ela estava triste com alguma coisa. Talvez, seja com o fato dos meus amigos, terem me traído.

Foi uma bela recepção, bem calorosa.
Thatty Santos
Enviado por Thatty Santos em 07/02/2020
Código do texto: T6860343
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Thatty Santos
Praia Grande - São Paulo - Brasil
56 textos (302 leituras)
2 e-livros (12 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/02/20 17:08)
Thatty Santos