Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O diabo nas entrelinhas

          — O amor corrompe a mente. Se tu não me amasses eu a respeitaria e poderias ser minha eleita...

          Tento digerir esta frase de José Mojica Marins em “Esta noite encarnarei no teu cadáver”. Avant-garde até para o Brasil contemporâneo, Zé do Caixão devia ser um figura bem corajoso pra lançar tal obra em 1967.

         Questiono outro axioma que é peculiar à nós lusófonos: a saudade. Volta e meia aparece algum poeta de facebook repetindo a velha ladainha que só nós temos um vocábulo para tal sentimento que não pode ser classificado como positivo ou negativo. A saudade representa a ausência, o que não é e nunca foi ou será. Ora, nada mais  é que vontade do passado como ele realmente não era, mas sim como gostaríamos que tivesse sido levado a cabo.

         Fora os devaneios de intelectual de apartamento, o futuro é sempre promissor. Uma esquina, um amigo, uma cerveja e, dependendo da sorte, uma garota que te beija. Risos. É importante ter algo a dizer.

         Sintonizo na UVB-76 e tomo a marginal como pista de atletismo. O cheiro podre do rio me lembra as praias de Caraguatatuba onde passei algumas festas de ano novo na infância. Naquela época eu era feliz e não bebia. O suor limpa as toxinas do sangue e do pensamento. Com ideias claras planejo o presente. Disco no teclado virtual e aguardo dar linha.

         — Oi! É hoje... Sem atraso, te espero.
Rodrigo Margini
Enviado por Rodrigo Margini em 08/11/2019
Código do texto: T6790044
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rodrigo Margini
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 28 anos
140 textos (1779 leituras)
1 e-livros (10 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/11/19 23:26)
Rodrigo Margini