Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Passem Adiante...

" ... Nunca esquecerei a primeira vez que encontrei Bill Wilson. Eu estava sóbrio havia um par de meses e tão excitado, tão emocionado por conhecer pessoal­mente o co-fundador que despejei em cima dele o que minha sobriedade significava para mim e a mi­nha imorredoura gratidão por ele ter fundado A.A. Quando fiquei sem fôlego, ele segurou minha mão na dele e disse simplesmente: "Passe adiante".

- de uma carta enviada ao Escritório de Serviços Gerais de AA.




Este, que é o meu 100º texto postado no Recanto das Letras, não é um poema, um conto ou uma crônica, mas um convite.
Convido-os a ler a história de um homem que voltou à própria vida. E depois de lê-la, por favor, passem adiante...
A minha história começa em 1964, aos 20 anos, no Rio de Janeiro.
Bancário, inteligente e de boa aparência, eu era, entretanto, um rapaz introvertido, tímido e inseguro, e um dia aceitei o infeliz conselho de um colega de serviço para fazer uso de Dexamil, uma poderosa anfetamina que causava uma extraordinária sensação de alegria e de bem-estar ao usuário. Ora, provavelmente predisposto geneticamente à dependência, eu fui progressivamente me viciando, passando de um ou dois comprimidos diários para dez e, por fim, três anos depois, o tubo inteiro, cerca de vinte e cinco comprimidos por dia!
Quando caí na dependência total da anfetamina em 1967, eu estava casado há apenas dois anos, com um filho de um ano, e tornei-me semilouco, tinha delírios de grandeza, estranhas fantasias, alimentava-me pouco e dormia quase nada. Sou um homem de 1,74 m, peso 73 kg, mas, nessa época, cheguei a pesar 50 quilos! Abandonei a Faculdade de Direito onde cursava o 3º ano e, como era de se esperar, o casamento se desfez.
Tendo sido aprovado em concurso público para o Banco do Brasil e designado para servir inicialmente numa cidade do interior do Maranhão, acreditei que o meu casamento ainda pudesse ser salvo, mas a minha jovem esposa recusou-se a se reconciliar comigo e acompanhar-me na volta ao meu estado natal. Voltei sozinho, pois, para o Maranhão, ingressei no BB e reiniciei a carreira bancária, mas infelizmente num precário estado emocional de dependente químico.
Como as farmácias interioranas, nesse tempo, não comercializavam substâncias psicoativas, substituí as “bolinhas” por uma droga lícita e acessível a todos: o álcool. Logo me tornei um fiel súdito de Baco. Enquanto a carreira bancária se complicava, o alcoolismo progredia. Já em 1969 tive duas crises de delirium tremens. Tentei as fugas geográficas: transferências para outras cidades do interior do Maranhão e para outras capitais, como Belém do Pará e Fortaleza. Nesta, em 1973, recebi a maior bênção de toda a minha vida: a mensagem de Alcoólicos Anônimos.
Embora fosse sincero e honesto na minha disposição de abandonar a bebida, o meu grande descontrole emocional logo se revelou o maior empecilho para a manutenção de uma sobriedade definitiva. Ficava sóbrio alguns meses, mas, sufocado pela ansiedade e depressão, voltava à garrafa.
Então, a carreira bancária, tanto quanto a minha vida social e emocional, oscilou em altos e baixos, mais baixos do que altos, durante quase 10 anos. Com o exercício profissional complicado no Banco do Brasil devido à incontinência de conduta que o meu alcoolismo acarretava, ingressei por concurso no BASA – onde a minha carreira também ficou prejudicada pelo mesmo motivo – e, finalmente, sempre por concurso, ingressei em banco oficial estadual em São Luís do Maranhão.
Contudo, a partir de 1975, consegui manter uma sobriedade contínua através do Programa de Recuperação de AA. Casei-me pela segunda vez, passei no Vestibular para a Faculdade de Letras, vieram dois filhos e, em 1978, eu já era gerente de agência, tinha carro, boa casa, invejável situação social e financeira. Os dias negros tinham ficado definitivamente para trás? Infelizmente, não...
Estava com três anos de sobriedade contínua em AA quando recaí. Acometido de crises de pânico enquanto dirigia, tentei resolver o problema com comprimidos de Diazepan, exagerei na posologia, dopei-me e, então, voltei à minha desgraça engarrafada. Comecei a faltar muito na agência de onde era gerente e destituíram-me do cargo. Depois, por várias vezes, estive embriagado no recinto do banco, protagonizando cenas lamentáveis e fiquei sob a ameaça de demissão. Para evitá-la, submeti-me à Perícia Médica do INSS, fiquei em gozo de Auxlio-Doença por dois anos e, finalmente, fui aposentado por invalidez da carreira bancária. Diagnóstico: Psicose Alcoólica.
Por estranha e lamentável coincidência do destino, entre os deploráveis acontecimentos que se sucederam a essa recaída, a minha esposa, apaixonada por outro homem, resolveu deixar-me. E eu fiquei só, bebendo alucinadamente, e com a grave incumbência de cuidar de duas crianças pequenas! Eu, que mal podia cuidar de mim!...
E, então, após a decadência da carreira bancária, veio a decadência financeira, social e moral, mas ela foi quase inacreditável: de gerente de banco em 1978, com boa e confortável casa, e carro, vi-me em 1981, com dois filhos pequenos, morando em zona rural num casebre de palha sem luz elétrica, sem água encanada, desprezado e ridicularizado por parentes e amigos! Em certas ocasiões, sem uma mulher ao meu lado e sem recursos para contratar uma empregada doméstica, eu cozinhava, lavava e passava as nossas roupas! Nas raras vezes em que recorri a parentes em busca de auxílio só recebi desprezo e indiferença. Mas eu conseguia, sim – e isso, com certeza, por bondade de Deus e pela minha própria natureza, sempre muito apegado aos que me são caros – cuidar dos meus dois filhos, nunca lhes faltando casa, comida, roupa e escola.
Nunca, entretanto, perdi o contato com o A.A. nem desistia do meu propósito de recuperação, pois mantinha sempre um sonho: levar uma vida normal. Caía e reingressava, caía e reingressava... Mas, a partir de 1986, voltei a experimentar bons períodos de sobriedade contínua e uma relativa prosperidade econômica, já que houvera sido aprovado em dois concursos públicos para professor da rede pública estadual. Consegui, inclusive, voltar para a Faculdade de Letras, graduando-me em 1988.
Mas, nessa etapa, recrudesceram a minha depressão e ansiedade, e adquiri uma nova dependência: os remédios controlados.
O resultado disso foi quase trágico: passava dois, três anos sem beber, e atacava-me a depressão, ansiedade ou medo. Encurralado, procurava desesperadamente o remédio controlado, usava-o, exagerava nas doses, e dentro de mais ou menos dois dias voltava à garrafa. E bebia por quinze, vinte dias seguidos, quase sem me alimentar, dormir normalmente ou assear-me.
E nesses períodos de recaídas alcoólicas acontecia tudo: internações, acidentes, problemas de toda ordem. E justamente aí a dependência às substâncias entorpecentes se manifestava de maneira extremamente absurda e degradante: bebi álcool puro com água, desodorante, cheirei cola de sapateiro, éter, gasolina, roubei farmácias para obter o remédio controlado, roubei dinheiro, falsifiquei, vendi roupas do corpo e objetos pessoais para beber. Amanhecia bêbado, trêmulo, às cinco da manhã, e corria desesperadamente para o primeiro botequim aberto; se não tinha dinheiro, suplicava pelo copo de cachaça, tomava-o com as duas mãos, vomitava (pois o organismo, desidratado e enfraquecido, repelia o álcool), tomava outro gole e tornava a vomitar, tomava o terceiro e, enfim, esse ficava no organismo. E, principalmente nessas ocasiões, não era capaz de parar de beber sozinho; tinha que internar-me em hospital psiquiátrico para cortar o ciclo das bebedeiras contínuas, pois, caso contrário, ficaria louco ou seria vítima de um coma alcoólico.
E isso tudo acontecia com um bancário aposentado, um professor de nível superior! Mas continuei buscando obstinadamente a minha recuperação, apesar de contabilizar, em 1999, 22 internações psiquiátricas, carreira bancária melancólica e precocemente encerrada, vários acidentes quase fatais e muitas cicatrizes, tanto físicas quanto emocionais. Mas, os períodos de sobriedade em AA, embora descontínuos (em 1999, 26 anos) possibilitaram-me, apesar dos pesares, criar e educar os meus dois filhos. Cresceram, se formaram, casaram. Com mais disciplina, fé e coragem, fiz em 1999 o meu último reingresso em AA e tornei-me, a partir daí, definitivamente sóbrio. Vou contar-lhes como foi esse reingresso.
No começo de outubro de 1999 eu recaí pesadamente na bebida. Bebi durante doze dias consecutivos, mas sem sair de casa. Mandava a empregada buscar a bebida na quitanda onde tinha crédito, bebia, ouvia músicas em alto e bom som, perturbando vizinhos - a velha rotina das minhas recaídas alcoólicas! Não havia companheiros de A.A. por perto e o Grupo que eu frequentava ficava a 30 minutos de ônibus da minha casa, de modo que, quando consegui parar, ninguém no A.A. houvera sabido dessa minha recaída.
Mas, conhecedor – tanto pela experiência pessoal quanto pelo estudo da Literatura disponível em A.A. – da problemática do alcoolismo, eu não me enganava: sabia que tinha de voltar correndo para o Programa de Recuperação de A.A. Caso contrário, seria acometido de outras crises de dipsomania, uma das quais poderia me render consequências fatais ou danos físicos e mentais irreversíveis, pois, como bebia pesadamente por vários dias consecutivos, havia sempre me rondando nessas fases a ameaça de um coma alcoólico ou delirium tremens.
Deprimido, cheio de vergonha e arrependimento após 3 dias sem beber, fui à reunião de A.A., disposto a confessar a minha recaída e a fazer o meu reingresso. Precisava muito disso. A compulsão pelo primeiro gole já começava a ficar premente, enquanto a síndrome da abstinência alcoólica me acarretava um desconfortável estado de nervosismo intenso, tremores e suores frios.
Quando cheguei à sala do Grupo descobri que a reunião daquela noite não seria uma reunião comum de terapia, mas uma reunião de serviço. Em reuniões desse tipo não há depoimentos, ingressos ou reingressos. Levantei-me e saí. Esperaria a próxima reunião de terapia para reingressar. Mas, ao caminhar para o ônibus, um pensamento me fez parar. Com certeza, quando chegasse a casa iria beber, pois estava compulsivo demais! E se morresse ou enlouquecesse naquela próxima bebedeira?
Voltei para o Grupo; a reunião estava em pleno andamento, coordenada pelo meu velho companheiro Nélio S. Eu falei, trêmulo:
- Companheiro, sei que esta é uma reunião de serviço, mas quero comunicar que bebi e que preciso recomeçar o meu Programa. Se não puder fazer meu reingresso hoje, entenderei perfeitamente.
Nélio tomou um susto, mas recobrou-se e falou:
- O A.A. foi criado para ajudar doentes alcoólicos. É essa a nossa prioridade. Peço permissão à consciência deste Grupo para transformar esta reunião de serviço numa reunião de terapia.
Todos concordaram, mas quando a reunião de terapia começou e o Nélio me chamou para dar o meu depoimento e fazer o meu reingresso, eu já estava chorando como um menino...
Era o dia 26 de outubro de 1999. Daqui a dois anos terei a satisfação de comemorar dez anos sem uma única gotinha de álcool...
Essa é a minha história. Eu me recusei a desistir do meu sonho de recuperação e isso fez a diferença.
São dois os principais motivos que me levam a republicar sempre esta história, a cada cem textos postados no Recanto das Letras. O primeiro, é que suponho que a minha experiência possa ser de grande valia para os que estão nas sarjetas da vida, derrubados pela dependência química, tão desconcertante quanto dolorosa doença, que é física, mental e espiritual.
O outro motivo, mais transcendental, é que estou plenamente convencido de que por mais coragem e resistência de que eu fosse possuidor, jamais teria saído do Fundo do Poço se um Poder Superior a mim mesmo não me tivesse fornecido uma blindagem espiritual necessária para enfrentar esse tormentoso vendaval que durou mais de 30 anos.
Não sei que nome tem esse Poder Superior, só sei que ele existe, e declaro, a quem interessar possa, que a minha sobrevivência o prova.

Passem adiante...


ALCOÓLICOS ANÔNIMOS

“Alcoólicos Anônimos é uma Irmandade de homens e mulheres que compartilham suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver o seu problema comum e ajudar outros a se recuperarem do alcoolismo. O único requisito para se tornar membro é o desejo de parar de beber. Para ser membro de AA não há necessidade de pagar taxas nem mensalidades, somos auto-suficientes, graças às nossas próprias contribuições. AA não está ligado a nenhuma seita ou religião, partido político, nenhuma organização ou instituição, não deseja entrar em qualquer controvérsia, não apóia nem combate quaisquer causas. Nosso propósito primordial é mantermo-nos sóbrios e ajudar outros a alcançarem a sobriedade”
(Preâmbulo oficial de AA, Alcoholics Anonymous World Services, Inc.)

Alcoólicos Anônimos nasceu em 1935, em Akron, Ohio, Estados Unidos, quando Bill W., um homem de negócios de Nova Yorque, tendo ficado sóbrio pela primeira vez, em anos, convenceu um médico alcoólico, Dr. Bob, a parar de beber. Trabalhando juntos, o homem de negócios e o médico observaram que o seu grau de encorajamento aumentava à proporção que ajudavam outros alcoólicos a abandonarem a bebida.
Foi à luz desse princípio espiritual que cresceu a Irmandade dos Alcoólicos Anônimos, expandindo-se pelo mundo inteiro.
Em 05/09/1947, Harold W., um americano que ingressara no AA e que viera fixar residência no Brasil, fundou, junto com outros alcoólicos, o primeiro Grupo de AA do Brasil – o Grupo Central do Rio de Janeiro.
Atualmente o AA conta com mais de 90 mil Grupos em 146 países. No Brasil, estima-se que são mais de seis mil Grupos.

O PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE AA

O Programa de Recuperação de Recuperação do Alcoolismo, sugerido pelo AA, se baseia na Experiência dos seus membros, na Medicina e na Religião. O alcoolismo é visto como uma doença progressiva e incurável, mas que pode ser detida pela abstenção total do álcool sob todas as suas formas e é sugerido ao participante um programa de recuperação, baseado em doze princípios espirituais, os Doze Passos
Não se sugere nenhuma forma de conversão religiosa aos participantes, nem se prescrevem medicamentos. Trata-se de um método de tratamento do alcoolismo no qual seus participantes funcionam como terapeutas uns para os outros, compartilhando entre si as suas experiências no sofrimento e na recuperação do alcoolismo, experiências essas que se revelam altamente proveitosas para aqueles que desejam abandonar a bebida.
Todos os membros de AA são alcoólicos que hoje estão reaprendendo a viver sem o álcool. Sem sermões nem conselhos, acolhem os recém-chegados, oferecendo-lhes toda a ajuda disponível em AA. Este é, em linhas gerais, o Programa de Recuperação do Alcoolismo, de AA, que é simples, mas surpreendente: mais da metade dos doentes alcoólicos que procuram o AA param de beber imediatamente.

ONDE PROCURAR AJUDA:
Alcoólicos Anônimos no Brasil
Av. Senador Queiroz, 101, 2º and. Cj. 205
São Paulo – SP
Cx. Postal 3180 – CEP 01060-970
Tel: (011) 3229-3611
http://www.alcoolicosanonimos.org.br

Antonio Maria S Cabral
Enviado por Antonio Maria S Cabral em 09/09/2007
Reeditado em 28/04/2009
Código do texto: T644997
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Maria S Cabral
São Luís - Maranhão - Brasil
1277 textos (157341 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 00:53)
Antonio Maria S Cabral