Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A restauração da semelhança divina no homem.

 
Há duas coisas que restauram a semelhança divina no homem, e estas são a especulação da verdade e o exercício das virtudes, pois nestas coisas o homem é semelhante a Deus, o qual é justo e sábio, embora o homem seja justo e sábio mutavelmente, e Deus imutavelmente.
 
Nem todos chegam ao conhecimento.
 
Mas devemos mencionar agora constatar-se que, embora haja uma multidão de aprendizes, dentre os quais diversos se sobressaem pelo engenho e se destacam pelo exercício, tão poucos e tão numeráveis encontramos que alcançam a ciência. Faço silêncio daqueles que são obtusos e tardios para o entendimento. O que mais me move e mais me parece digno de indagação é de onde se origina acontecer que duas pessoas, iguais pelo engenho e dedicam-se a uma mesma lição com igual estudo, não alcançam por um efeito semelhante o seu entendimento.

A primeira coisa que se deve considerar a este respeito é que em qualquer obra há duas coisas necessárias: a obra, e a razão da obra, as quais são tão conexas que uma sem a outra ou são inúteis ou pelo menos não tão eficazes. No sexto capítulo do Livro da Sabedoria está escrito:

"Melhor é a prudência
do que a fortaleza",

porque muitas vezes os pesos que não podemos mover com as nossas forças, podemos levantá-los utilizando a arte. Assim também acontece em qualquer estudo. Aquele que diante de uma multidão de livros não guarde o medo e a ordem da leitura, como que andando em círculos no meio de uma densa floresta, perde-se do reto caminho. É de pessoas assim que a Sagrada Escritura diz que

"estão sempre aprendendo, mas nunca
chegam ao conhecimento da verdade".

O discernimento vale tanto que sem ele todo ócio se torna torpeza, e todo trabalho se torna inútil; quem dera que todos nós o abraçássemos sempre!
 
Três obstáculos iniciais para o estudante.
 
Há principalmente três coisas que costumam ser de obstáculo para os estudantes: a negligência, a imprudência e a sorte.

A negligência ocorre quando abandonamos inteiramente as coisas que devemos estudar, ou pelo menos as aprendemos com menor diligência.

A imprudência ocorre quando não observamos a ordem e o modo conveniente nas coisas que aprendemos.

A sorte ocorre nos eventos e nos acasos motivados algumas vezes pela natureza, outras pela pobreza, pela enfermidade, pela obtusidade natural da inteligência ou mesmo pela raridade dos mestres; porque se não se encontram os que ensinam, ou não se encontram os que ensinam corretamente, acamos por abandonar o nosso propósito.

Nestas coisas, portanto, a respeito da primeira, isto é, da negligência, o estudante deve ser admoestado; a respeito da segunda, isto é, a imprudência, o estudante deve ser instruído; a respeito da terceira, a sorte, o estudante deve ser ajudado.
 



carlos roberto smith
Enviado por carlos roberto smith em 28/08/2005
Reeditado em 15/07/2010
Código do texto: T45880


Comentários

Sobre o autor
carlos roberto smith
Palmas - Tocantins - Brasil, 70 anos
34 textos (66719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/05/20 18:10)
carlos roberto smith