Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dia 132 – Mateus 08 – 11. Purificação estendida, Perdão vitalício.


08 de Maio de 2019

Jesus então desce do monte e com ele uma grande multidão(Mt 8.1); após seu discurso com palavras cheias do Espírito, muitos o começam a seguir, quantos o seguiram até o fim ainda não sabemos, mas ao menos a curiosidade impeliu muitos a o seguir.
Logo ao descer um leproso vem até Jesus e afirma que sabe que Jesus o pode purificar (vs 2). É interessante vermos que em nem um momento de seu discurso Jesus afirma isso; outro ponto que nos chama atenção é histórico: Pelo que se sabe, nem um judeu nunca havia sido curado de lepra, salvo Miriam, irmã de Moisés.
A lepra era tido como uma punição imposta por Deus, dessa forma, os judeus entendiam que, quando o messias aparecesse, ele poderia limpar os leprosos. Essa cura ministrada por Jesus assinala sua messianidade.
Encerrando essa passagem observamos mais um detalhe, Jesus ao dizer “eu quero”, usa uma conjugação que nos traz a ideia de ação contínua, algo como “estou querendo”, ou “continuo querendo”; Talvez com isso, Jesus tenha querido dizer que sempre quis purificar os leprosos, ou ainda que desejava o purificar além da lepra. Lemos que Jesus o tocou e o purificou enquanto falava; é possível que a ideia da ação contínua indicasse uma purificação maior, espiritual. Cabe um estudo mais profundo do texto em questão.
Vemos também uma menção aos que viriam de outras terras e se sentariam com Abraão (vs 11), enquanto muitos filhos do reino seriam lançado nas trevas. Penso que aqui Jesus faz uma referência aos gentios, povo distantes mas que viriam e o serviriam.
Outra passagem interessante nós lemos no capítulo 9, dos versos 1 ao 8. Um paralítico é levado até Jesus, que não o cura, mas vendo sua fé, afirma que os pecados dele estão perdoados. Vale ressaltar que aqui, Jesus utiliza um tempo verbal muito interessante, o perfeito; que nos traz a ideia de uma ação pontilinear, ou seja, que ocorreu em dado momento específico do passado, mas que estende-se ao longo do tempo; ou seja, ou pecados daquele homem foram perdoados e esse perdão perduraria.
No momento de sua conversão, Jesus perdoa-lhe os pecados, dai em diante, você recebe um perdão vitalício da parte de Deus; essa é uma ação linear, ou seja, ininterrupta e contínua. Isso nos faz pensar sobre alguns pontos interessantes; Deus não espera que peçamos perdão para nos perdoar (após conversos), quando viemos a Ele, já o encontramos de braços abertos pois o perdão já nos foi expedido.
Imagine que um amigo lhe ofendeu pela manhã e foi embora, de tarde você se lembra do valor da sua amizade e por isso lhe perdoa a transgressão; a noitinha você recebe, surpreso, a visita desse amigo, que arrependido vem lhe pedir perdão, então você o abraça e diz que já o perdoou. Seu perdão foi emitido mesmo antes do pedido; guardadas as devidas proporções, é da mesma forma com Deus. Não digo com isso que não devemos nos arrepender e confessar nossos erros; mas sim que já temos o perdão derradeiro de Deus.
Mas e a cura? Parece-me que Jesus não planejava curá-lo fisicamente; lemos no verso 6 que a cura que acontece é para que os escribas soubesse quem Jesus tinha poder. Vejo aqui que a cura física não era o plano inicial de Jesus, de fato ele veio para nos trazer a cura espiritual, isso me reforça a ideia do comentário feito ao leproso; Jesus queria purificá-lo ainda mais do que ele imaginava.
Temos aqui mais um fato interessante, a cura de um endemoniado mudo (Mt 9.32); o que para nós é algo simples, tinha um significado muito forte para os judeus. Na cultura daquela época, acreditava-se que para se expulsar um demônio era preciso saber o seu nome (recentemente vimos um exemplo disso no filme “invocação do mal 2”), sabendo o nome de uma entidade ter-se-ia pode sobre ela; mas com expulsar um demônio que deixa a pessoa muda? Como perguntar seu nome? Ninguém poderia o expulsar, somente o messias, era como pensavam naquela época.
Jesus aqui dá mais uma prova que de fato era o Messias, utilizando da crença popular para provar que era o que haveria de vir. Os fariseu, no entanto, mesmo cientes dessa crença popular, encontraram outra explicação para o poder de Cristo: Jesus expulsava os demônios, porque tinha parte com eles (vs 34), Jesus deveria ser ligado ao Diabo.
No capítulo 10, em seu primeiro verso, Jesus dá autoridade aos seus discípulos para que operem maravilhas, o curioso é saber que ele entrega essa autoridade aos 12, ai incluso Judas. É provável então admitir que Judas tenhas expulsado demônios, curado doenças e feito outras coisas conforme a palavra de Jesus.
Na sequencia, Jesus afirma que a pregação do evangelho lhes traria perseguições, mas aquele que fosse fiel até o fim, esse seria salvo. Não podemos entender aqui que essa fidelidade é um meio para se obter a salvação, se assim fosse, a Salvação não seria pela graça (conforme Ef 2.8), e sim um mérito; o que vemos aqui é que os que de fato são salvos são os que perseveram até o fim. Jesus nos mostra uma evidência de uma verdadeira conversão, a perseverança; perseverança essa em sua fé na pessoa de Cristo.
O verso 23 do capítulo 10 provavelmente fez os discípulos pensarem que sua volta estava eminente. Futuramente pretendemos retornar a esse verso a fim de lançar maior luz nessas palavras de Jesus;
Adriel M
Enviado por Adriel M em 08/05/2019
Código do texto: T6642098
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adriel M
Itaboraí - Rio de Janeiro - Brasil, 28 anos
194 textos (814 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/06/19 01:49)
Adriel M