Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bela Adormecida

         Foi para night se divertir. Lá pelas tantas, foi tomada pelo sono profundo. No mesmo mês foi ao ginecologista e o diagnóstico  do Papa Nicolau constatou que a bailarina tinha sido vítima do Bela e divertida Madrugada Cinderela.
     Sua mãe havia lhe alertado que conto de fadas são relatos, retalhos da realidade. Passados 9 meses, com o troféu enganchado na cintura, deu razão a mãe. Antes tarde que nunca.
              Como não é de aço, põe o troféu no canto da cama da vovó e vai reviver o passado; porém, de olhos abertos. Aprendera  que cochilou, o cachimbo cai. Aí o fumante/espreitador agacha, apanha-o na mão, espia, cheira e se aprovado pelo controle de qualidade, enche-o com a mais pura erva do diabo, toca fogo e bafora na boa. Afinal, cachimbo pouco fumado de Bela Adormecida não tem dono; muito menos preferência por esse ou aquele fumante.


Diapasão do Ciclo Vital

                  Passei toda a noite estirando os ossos feito cão,  na espreguiçadeira;  novelando os dedos polegares, contando estrelas e apreciando a comunicação do vento com as folhagens, quando repentinamente conclui que iria viver um dia à menos.
              Quantos dias iguais ao de ontem, ou de outra maneira, ainda me restariam? Mordendo os lábios, sei que não morri; também não vivo a vida que preconizam a meu respeito. As maravilhas da vida não desconhecem a grandeza das águas do mar.
      A cotovia vocalizou um pio estranho. Era a morte do santo Padre. Tomei banho e troquei de roupa, pois iria ao velório. Sempre respeitei as autoridades da cidade, então, é dever meu obrigatório, solidarizar com nossos irmãos católicos. Que Deus receba a alma desse Santo Homem no aprisco do céu. Só faltou fazer milagre.
             Miséria pouca é tolice. Como havia recebido o pagamento da aposentadoria, passei na venda do Sô Benvindo e comprei umas guloseimas, salgados e refrigerantes para passarmos a noite; que provavelmente, seria fria, pois estamos em pleno inverno, com o marrom/vermelho da seca pastando os campos e as campinas das pradarias. O inverno é contrário a primavera; e enquanto o primeiro sinaliza a perda; o segundo, recicla, afina, revitaliza a perda.


Migração

               Em cada bater de asas, ouço as notas da liberdade voando. Em cada linha que traço no céu, desnudo um horizonte. Em cada fruta amadurecida pelo sol, é alimento que farta-me. Em cada galho de árvore, um repouso para passar a noite. Em cada sombreado, uma debicada para o merecido descanso. Em cada lufada de vento, uma retomada econômica de energia.
     Em cada regato de água cristalina e límpida, um banho refrescante em nome do revigoramento. E em cada pássaro canoro cantando livremente, encontro seus versos. Para compôr a letra da música "Vida de pássaro, é vida simples e humilde", basta sensibilidade nos olhos e empatia no coração.

    Após muitos dias de viagem, encontro um habitat ideal para passar o inverno e renovar a prole.  
Mutável Gambiarreiro
Enviado por Mutável Gambiarreiro em 24/09/2018
Reeditado em 05/10/2018
Código do texto: T6458430
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mutável Gambiarreiro
Jegue é - Tovuz - Azerbaijão
2323 textos (53968 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/11/19 20:58)
Mutável Gambiarreiro