Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEO II - TRATO - CAP. 14

                               CAPÍTULO XIV – TRATO
                                   
                                    Em seu quarto, Leo havia deitado na cama e não falou nenhuma palavra. Haroldo sentando numa cadeira perto dele, não sabia o que fazer para animar o amigo.
- Leo, não fique assim, cara. Tome um banho, relaxe, durma um pouco. Parado aí você mais parece um... zumbi!
- Eles bem que tentaram... ele falou em voz baixa.
- Que foi que aconteceu lá? Você reagiu à prisão?
  Leo balançou a cabeça negando.
- Nem reagiu?
- Não... Nenhum palavrão... Nada... Eu não fiz nada... Foi a primeira vez que eu fui preso por motivo nenhum, Haroldo. E você sabe que aquela cadeia já me conhece bem...
   Ele sorriu triste. Uma lágrima rolou pelo canto de seu olho e foi cair no travesseiro.
- Eram cinco... Cinco!  Tiveram o cuidado de me bater no corpo inteiro, menos... no rosto e nos braços... pra não deixar vestígios... marcas visíveis...
   Leo suspirou dolorido e engoliu o choro. Enxugou a lágrima teimosa com raiva.
- Odeio essa gente!
- Tudo isso pela Gilda? – Haroldo perguntou, penalizado.
- É o que está valendo a pena... se não fosse por ela, eu já tinha voltado lá e metido uma bala na cabeça de cada um deles...
   Ele se levantou com certa dificuldade e foi até o piano. Sobre ele muitas fotos suas em porta-retratos colocados pela mãe antes de morrer. Ele pegou um deles, quebrou a moldura e tirou a fotografia. Justamente a que tirou dias antes da morte dela.
- Haroldo, me faz um favor? Entrega isso a ela... e diz que eu... vou cumprir o nosso trato. Ela sabe qual é. Diga que eu estou bem e que passo na escola na sexta-feira.
- Pode deixar, Haroldo disse, apanhando a fotografia.
- Obrigado pelo que você tem feito... Não vou poder te pagar nunca...
   Samuel abriu a porta do quarto e entrou.
- Haroldo, eu gostaria de falar a sós com meu filho, por favor.
- Ele vai sair quando eu quiser, Leo disse, sem se alterar.
   Vendo que a situação ia ficar difícil, Haroldo disse:
- Eu já estava mesmo indo embora, seo Samuel. Você precisa de mais alguma coisa, Leo?
- Não, obrigado de novo...
   Haroldo bateu em seu ombro, demonstrando apoio e saiu do quarto. Samuel fechou a porta.
- Hoje foi pela Gilda... Espero que aprenda a lição.
   Leo olhou para o pai surpreso do que já suspeitava, mas não tinha ideia de que o velho fosse confessar tão cedo.
- Ou você toma juízo, rapazinho, e se afasta dela de uma vez, ou da próxima vez, não vai ficar vivo pra contar a estória.
   Leo conseguiu sorrir e dizer:
- Sim... papai.
  Samuel não respondeu ao deboche e saiu do quarto. Leo colocou as mãos no rosto, sentindo o ódio explodir no peito. Sentou-se ao piano e começou a tocar.

    Leo e Gilda não se viram nem falaram mais pelo resto da semana.
    Alcântara percebeu que a filha estava um pouco mais triste, depois do que havia acontecido com o rapaz, mas achou que era normal, pois a moça não tocava mais no assunto e parecia calma como sempre.
   Samuel Torres também estranhava o comportamento do filho. Leo passava grande parte de seu tempo no quarto, compondo, ou simplesmente deitado na cama ouvindo música.

   Na tarde de quinta-feira, o velho resolveu saber o motivo de tal recolhimento. Ao entrar no quarto, viu Leo deitado em sua cama com um copo de uísque nas mãos, mas não estava bêbado.
- Se eu soubesse que uma surra bem dada fosse o suficiente para te deixar bonzinho assim, já teria feito isso bem antes, ironizou o velho, sorrindo.
   Contendo-se, Leo não respondeu. Apenas bebeu mais um gole e lambeu os lábios, olhando para o pai.
- Vou dar uma chegada no sítio que eu comprei na estrada pra capital. Não quer ir comigo? Vai acabar enferrujando, se ficar trancado aqui por mais tempo.
   Leo balançou a cabeça negando. Samuel chegou a pensar que o filho estivesse planejando alguma coisa, mas não adiantava forçá-lo a dizer nada. Conhecia Leo muito bem. O jeito era deixá-lo em paz e confiar.
- Volto cedo. Se a sua irmã ligar, diga a ela que traga o Lúcio aqui, no domingo. Estou com saudade do meu caçula.
   Ainda em silêncio, Leo tomou outro gole. Samuel saiu.
   O rapaz deixou escapar um suspiro e olhou para o copo, mordendo o lábio inferior. Então, subitamente, atirou o copo em seu próprio retrato na parede junto do piano. O vidro do quadro se quebrou inteiro e a moldura caiu.


                               LEO II – CAPÍTULO 14
                                          “TRATO”
                          OBRIGADA, SENHOR, POR TUDO!
                 PELA PIEDADE, PELO AMOR E PELAS BÊNÇÃOS!
                                CONTINUE NOS PROTEGENDO
                         COM SEU ESCUDO DE MISERICÓRDIA!
                                BOA TARDE E OBRIGADA!

Velucy
Enviado por Velucy em 26/06/2020
Reeditado em 27/06/2020
Código do texto: T6988528
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1830 textos (12406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/07/20 15:50)