Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEONEL XI - EU QUERO ME CASAR COM VOCÊ! - CAPÍTULO 5

                       CAPÍTULO V – EU QUERO ME CASAR COM VOCÊ!


                                 Leonel começou a chorar, abraçado a Vitória, pela simples lembrança do atentado sofrido no apartamento de Gil.
- Não sei como... quando acordei no hospital, eu não era mais eu. Não sei como, voltei a me lembrar dessa última encarnação, perdi a memória de Leonel Marques e fiquei alguns dias como Leo Torres. Só quem conseguia entender o que estava se passando comigo era seu irmão e a Cristina. Foi isso que me manteve vivo e são.
- E como você saiu dessa... situação?
- Nem sei. Eu estava no quarto dele, onde minha tia dorme até hoje no casarão e tocava “Gilda” ao piano. Pensei muito nela e senti saudades. Uma saudade dolorida e sem esperança, como era a que Leo Torres tinha sentido desde que ela tinha se casado com seu melhor amigo. De repente me senti estranho e acho que... devo ter desmaiado, não sei.  Às vezes penso que minha avó me trouxe de volta. Ela era o motivo da minha tristeza. Quando acordei de novo, minha tia Cristina e meu pai estavam do meu lado e eu voltei ao normal.
- Eu só acredito porque você está dizendo, amor... ela disse.
- Eu gostaria de saber explicar como isso aconteceu, mas não consigo. É tudo muito surreal pra mim também, mas é a mais pura verdade. A casa da minha avó, que a Cristina ofereceu pro seu irmão morar em Serra Negra, está vazia desde o falecimento dela, alguns meses atrás. Foi nessa casa que a Gilda e o Haroldo moraram e foram felizes, depois do nascimento da Cris, filha dos dois. A vida deles tinha sido muito atribulada até esse momento. Leo Torres viveu ainda por seis anos depois que o filho deles nasceu e nunca... nunca deixou os dois em paz. Ele não se conformava em ter perdido a mulher que amava e o filho para o melhor amigo, que tinha se tornado inimigo, por causa do preconceito que o pai dela tinha contra ele, que afinal de contas... não era na época um cara que qualquer pai quisesse unir a sua filha, por várias razões, que nem vale a pena repetir. Muita gente tinha errado antes... pra terminar assim. Só sei que... o Floyd vai voltar a morar na casa que já foi dele e dessa vez eu tenho certeza que ele vai ser feliz plenamente.
- Também espero.
- E se ele vai voltar... quero voltar com ele...
  Vitória olhou para ele e perguntou:
- Voltar com ele?
- Quero voltar pra minha casa. Estou com saudades do meu pai, do meu irmão... da minha família.
- Da Helena...
- Não é essa saudade que você está pensando, mas quero ver meu sobrinho crescer dentro dela e acompanhar essa gravidez até o fim. Ela pode ainda precisar da minha ajuda. Esse bebê que vem vindo aí é muito importante pra mim também.
- Por quê?
   Leonel respirou, indeciso se poderia continuar com as revelações que ainda existiam, mas desistiu.
- Essa é outra situação que eu vou te contar... mais pra frente, depois que ele nascer. Se tudo correr bem. Acho que ainda posso ajudar a Helena e meu irmão e ao mesmo tempo ficar perto do Floyd. Não quero ficar longe dele.
- E de mim?
- Também não, mas como não está nos seus planos se casar comigo... sem querer ser tradicionalista demais, a gente... pode voltar cada um pra sua casa e...
   Vitória o abraçou apertado, aflita.
- Você vai me deixar?
- Não... Se você quiser, a gente continua namorando, mas você aqui em Diadema e eu lá em Serra Negra.
- E como eu vou namorar você... de longe? Por carta? Por fax? Dentro do carro no caminho de Serra Negra pra Diadema e vice versa?
- Vitória, eu não posso ficar aqui em São Paulo. Minha casa é lá. Meu pai está lá, a Cristina... E com a nova condição do Floyd, eu quero e preciso estar junto dele todo tempo. Vou doar a medula que ele precisa e espero ter a sorte de ser compatível...
- Eu também vou! Meu pai vai! Todo mundo vai!
- Pois é... Meu propósito maior agora é esse. A vida do Floyd. Eu tenho a obrigação moral de lutar pela vida dele. Ele não é só meu amigo querido, é meu anjo da guarda. Nasceu perto de mim de novo pra me proteger e eu tenho que retribuir isso de algum jeito. Gostaria de poder amá-lo do jeito que ele gostaria, mas isso não é possível. Agradeço a Deus por ele ter o Caio que faz isso por mim e muito bem. E eu vou ajudar os dois.
- Não quero namorar você à distância... Não quero! Eu te amo!
- Também te amo e você sabe disso, mas não vou ficar com você do jeito que você quer. Quero me casar e ter filhos. Isso é muito importante pra mim.
   Ela deslizou a mão pelo rosto dele e ficou pensativa e indecisa.
- Então... Como a gente fica? Não vou ficar batendo sempre na mesma tecla. Não acho que você deva fazer nada com que não se sinta bem...
- Eu quero me casar com você!
   Leonel ficou olhando para ela, sem reação. Não tinha certeza do que estava se passando dentro da cabeça dela.
- Você ouviu? – ela perguntou.
- Ouvi... e repito: não quero que você se veja obrigada a fazer nada que seja contra a sua natureza... Não estou te colocando contra a...
- Eu quero me casar com você, Leonel Marques!  Você não me ouviu direito? Quer que eu fale em inglês, japonês?!

 

                        LEONEL (REENCARNAÇÃO) XI – CAPÍTULO 5
                             “EU QUERO ME CASAR COM VOCÊ!”
                                OBRIGADA, SENHOR, POR TUDO!
                    FAZEI DE MIM UM INSTRUMENTO DE VOSSA PAZ!
                            NÃO PERMITA QUE EU ME APARTE DE VÓS
                                                 OBRIGADA
Velucy
Enviado por Velucy em 07/09/2020
Código do texto: T7056957
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1877 textos (12951 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/20 19:25)