Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEONEL XI - FINAL

                                CAPÍTULO XII – FINAL

                                                               
                 A igreja matriz de Serra Negra estava repleta com os amigos e convidados das famílias Marques e Fontes. Ia acontecer naquele dia o casamento dos filhos das duas famílias e Bruno Marques, pai do noivo, dividia essa alegria com Teodoro Fontes, pai da noiva.
   Leonel já havia se posicionado no seu lugar no altar, ao lado de Floyd, seu padrinho e Bruno. A madrinha da noiva era Cristina, que também já estava posicionada no altar, muito bonita num vestido muito elegante cinza claro, que ela quis assim para combinar com o terno do irmão e do noivo.
- Nervoso, filho? – Bruno perguntou.
- Você nem imagina, pai. Mas escuta... ainda não vi meu irmão em lugar nenhum. O Leandro não veio mesmo?
- Não... O Lucas não estava muito bem e a Helena achou melhor não viajar com ele doente de Valinhos até aqui. Se ela não vinha, ele também não veio.
- Eu acho que a Helena só atrasa a vida do Leandro.
- E você diz isso pra mim? Eu sei disso há muito tempo. Mas acho que a doença do meu neto foi só uma desculpa pra ela não vir ao seu casamento.
- Não é possível. É muita maldade com o coitado do Leandro.
- Ninguém me tira da cabeça que ela ainda é apaixonada por você.
- Sinto muito por ele, mas eu estou em outra e bem outra e ela já está demorando muito...
   Leonel olhou para a porta da igreja, preocupado. Virou-se para Floyd.
- Cadê sua irmã, Floyd?
   O rapaz sorriu e olhou no relógio.
- Calma, cara. São cinco pras cinco. Isso é que é pressa de se amarrar...
- Ainda tenho medo que ela desista.
   Floyd sorriu sutilmente.
- Você é tão bobo!

  Às cinco horas em ponto, começou a tocar “Gilda”, de Leo Torres. Vitória e Cristina haviam pedido ao padre que tocasse no lugar da marcha nupcial tradicional e ele, tendo conhecimento da importância e do respeito que muita gente tinha por Gilda Alcântara Marques na cidade, consentiu, por ser o casamento do neto dela.
  A canção tocada apenas ao piano emocionou a todos que conheciam o significado dela: Leonel, Cristina, Bruno e Floyd.
  A porta da igreja se abriu e Vitória apareceu apoiada do braço de Teodoro, linda, num quimono branco, bordado de flores de lis prata e azul, bem claro. Os cabelos longos estavam presos no estilo típico japonês e ela carregava nas mãos um buquê de flores de lótus.
  Leonel sorriu ao vê-la entrar e olhou para Floyd que retribuiu o olhar, sorrindo também.
- Pronto. Sua noiva chegou. Baixa a bola e curte. Leo Torres vai realizar finalmente seu maior sonho. Vai se casar com uma mulher de olhinhos puxados.
  Leonel olhou para Cristina que olhou para ele também e piscou, sorrindo. Ele piscou de volta e voltou a olhar para Vitória.
- Leo Torres não está aqui agora, Floyd. Vamos esquecer dele por enquanto? Eu sou Leonel Marques, apaixonado por Vitória Yumi Fontes. Aquela boneca japonesa que está entrando na igreja. Sua irmã, meu amigo.
- Vamos nos prometer uma coisa?
- O quê?
- Nunca mais lembrar de Leo Torres.
- Prometido.
  Leonel olhou e piscou para ele. Floyd fez o mesmo.
  Vitória chegava ao altar, Teodoro entregou a filha a Leonel e apertou sua mão. Foi então ficar ao lado de Cristina que já havia pegado o buquê das mãos de Vitória.
  Leonel beijou a testa da noiva e os dois se ajoelharam na frente do padre. A cerimônia começou.
  Durante quase meia hora, eles ouviram as palavras de praxe de todo casamento, prometeram fidelidade um ao outro e na hora da troca das alianças, Caio apressou-se, discretamente ficou perto de Floyd e fez o mesmo com ele. Os dois colocaram as alianças de ouro nos dedos da mão esquerda um do outro e finalmente receberam as bênçãos do padre. Os noivos se beijaram... e eles também... muito discretamente.
  Leonel Marques e Vitória Yumi Fontes Marques estavam finalmente casados. Teodoro Fontes Junior e Caio Rueda simbolicamente também... por que, não? Sonhar era de graça! Quem sabe um dia aquilo se tornasse possível.
     

                        LEONEL (REENCARNAÇÃO) XI – FINAL
                                             “FINAL”
                            OBRIGADA, SENHOR, POR TUDO!
                   FAZEI DE MIM UM INSTRUMENTO DE VOSSA PAZ!
                       NÃO PERMITA QUE EU ME APARTE DE VÓS
                                                               
                      PRÓXIMO SONHO: “RETORNO AO PARAÍSO”
               Adoraria ter a sua companhia messa aventura também!
                                      É UM CONVITE!
           Este romance começa na página 84 da minha escrivaninha.
             Demorou 6 meses para ser postado, 3 capítulos por dia,
        mas se você ler como lê um livro, não acho que demorará 2 meses.
                     Não precisa nem comentar, se não quiser.
          Só quero que leia e, se quiser, comente comigo por e-mail.
                                  BOA TARDE E OBRIGADA
                                 DEUS ABENÇOE A TODOS!
Velucy
Enviado por Velucy em 09/09/2020
Código do texto: T7058933
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Velucy
São Paulo - São Paulo - Brasil
1880 textos (12960 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 15:18)