Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESCURIDÃO

Ó solidão, para onde foram as lagrimas dos meus olhos? É noite, fale mais alto, grita no espaço vazio, preciso te ouvir. Sou escuridão; ah! fosse eu luz. Não estou calmo, calmo é o fundo do meu coração, lá escondem-se monstros brincalhões. Olho em redor à procura da solidão, o que ela é? Criatura inefável que brinca com os meus monstros, ela me ama! Mas, eu, que amo somente a quem me ama, será que amo a solidão? A minha inesgotável vontade de viver não significa mais nada, levarei todas as promessas para o meu tumulo. Ó ser pessimista envolvido por uma cápsula de dor. Saia! deixe-me viver os meus pesadelos em paz, corte esse elo entre nós, morra e deixe-me morrer.
O FILHO DO LOBO
Enviado por O FILHO DO LOBO em 28/09/2007
Reeditado em 28/09/2007
Código do texto: T672878

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (FERNANDO LOES O FILHO DO LOBO). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
O FILHO DO LOBO
Salvador - Bahia - Brasil, 39 anos
5 textos (201 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/12/17 05:41)
O FILHO DO LOBO