Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ser Oculto

Já nem sei quem tu és.
E o que queres de mim.
Não consigo ver teu rosto.
Ele se multiplica.
De tua boca trocadilhos.
Não consigo acreditar no som emitido.
Nada de fato faz sentido.
Este tempo todo eu aqui...
A estender-te  a mão.
A espera de um gesto de carinho.
De uma palavra de amor.
Em troca:
Indiferença...
Abandono.
Solidão.
Agora dizes que me amas.
Que não podes viver sem mim.
Não posso acreditar.
É embuste.
Ao acabares de pronunciar tais palavras,
sorrateiro vasculhas minhas gavetas.
Perro!
Quem julgas ser?
Olha para tuas mãos...
 Nelas ainda  resquício amoral,
Provando que não es quem pensas ser.
Não podes sair por ai julgando.
Nem sabes o real sentido da palavra amor.
Pois se soubesses...
Mudavas de direção.
E ainda virias me pedir perdão.

Iolanda Brazão
Enviado por Iolanda Brazão em 15/09/2008
Reeditado em 15/09/2008
Código do texto: T1178758

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Iolanda Brazão
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
345 textos (32896 leituras)
3 áudios (633 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 01:42)
Iolanda Brazão