Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MARÍLIA PÊRA

CARTA-POEMA ENVIADA À MINHA MARÍLIA PÊRA,
QUANDO ELA ESTAVA EM PORTUGAL
COM OS PAIS

Marília, meiga sobrinha,
Recebi, com mil agrados,
Sua mimosa cartinha,
Cheia de “vinhos” e “fados”...

Cada frase ou oração
Tem um quê de original,
Pois nos toca o coração
Se nos fala em Portugal.

Esse distante país,
Plantado à beira do mar,
Só porque o destino quis,
Vive o Brasil a adorar.

É tal qual o pai que, ausente,
No olhar triste tendo um brilho,
Aguarda, ansiosamente,
Voltar a abraçar o filho...

Mas nos deixemos de histórias,
Minha sobrinha gentil,
Que estas coisas tão simplórias
´stão na “História do Brasil”...

Mudemos, pois de programa,
Que a verdade se propala...
O “luxinho” está na cama
E o Dindinho... nem se fala...

O “bruto” ronca a valer
Como sabe muito bem:
Parece um trem a gemer
Nas encostas de Belém...


As crianças têm pintado
Como quê, nesta avenida...
Vivem soltas um bocado,
Mas andam cheias de vida...

O Nirson passou de ano,
E o Nirtão, o “colossal”,
Anda agora a todo pano
Pra ir pro colegial...

O Tangerini e a Dinah
Vão muito bem, obrigado!
Ela está boa, ele está
Um “professor escolado”...

O Nirton passou o dia
Na rua, arrastando um carro...
E uma chorava, outra ria
A cada encontro, um esbarro...

Co´o “chofer”, rota a camisa,
Era tal a barafunda,
Que um furúnc´lo da Marisa...
Arrebentou, não confunda...

Mas suas cartas chegaram
Na ocasião bem propícia,
Pois todos se acomodaram,
Desde a Gracinha à Letícia...

E eis-me aqui a redigir
Em resposta à sua carta,
Para faze-la sorrir,
Se de saudade está farta...

Do Brasil, esse bilontra,
Sempre repleto de escolhos,
Quem dele longe se encontra
Sente um “argueiro” nos olhos...

Esse argueiro de que trato,
Quase ao léu e sem maldade,
É, em resumo, um retrato
Do que se chama Saudade!

Eu quisera me alongar
Nestas linhas; mas não posso:
Já são horas de deitar
E de sono me alvoroço...

Abraços mil no paizinho
E, na mamãe, outros tantos,
Distribua-os com carinho
Para torna-los mais santos.

Mil beijinhos das crianças
E dos demais, já se vê!
E um punhado de esperanças
Do titio... em você...  (*)

Autor: Maurício Marzullo,

Advogado e poeta
12 de setembro de 1915, Rio de Janeiro, RJ;
17 de maio de 2008, Cabo Frio, RJ.

Ao meu querido e inesquecível tio Maurício Marzullo,
a homenagem do sobrinho e fã Nelson Marzullo Tangerini

(*) Publicado no jornal NOVA GAZETA, de Montijo, Portugal,
em abril de 2002.

n.tangerini@uol.com.br, tangerini@oi.com.br, nmtangerini@yahoo.com.br
Nelson Marzullo Tangerini
Enviado por Nelson Marzullo Tangerini em 31/05/2008
Código do texto: T1013722
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Marzullo Tangerini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
310 textos (24129 leituras)
9 e-livros (127 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/19 22:55)
Nelson Marzullo Tangerini