Monólogo a Tinta

Do mantra que segue

Bem leve e o orvalho

Me deito em teu vento

Teu ventre ou teu lado

És tu, poesia,

Eu embreagado

De sonhos

De letras

De vinho

e pecado.

Mas se em tua reza

Me pego acordado

É hora de, em sonho,

em transe, insensato

Ser tu, poesia!

Eu sempre calado

Gritando

Em versos

E verbos

passados.

Júnior Leal
Enviado por Júnior Leal em 19/02/2010
Reeditado em 01/11/2011
Código do texto: T2096081
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.