Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AFINAL, NUNCA FUI MAU.

                                                       AFINAL, NUNCA FUI MAU.

JÁ SEI DE ONDE VEIO A CACHAÇA
JÁ SEI DE ONDE VEIO A MACONHA
JÁ SEI DE ONDE VEIO A BRISOLA
JÁ SEI DE ONDE VEIO EU.
SEPAREI O CÉU DO INFÉRNO
JAMAIS PUDE JUSTIFICAR
É PURA INSENSATEZ,
E SE AS LÁGRIMAS QUE DERRAMEI
FOSSEM REGAR UMA FLOR
NÃO TERIA CHORADO EM VÃO.
HÁ UMA MARQUIZE NA CABEÇA
E UM CHÃO SUJO DE RUA
QUE HOJE POSSO VER.
NUNCA FUI UM PACIENTE LOUCO
A ESTRADA SO ME REFLETIA
OS OUTROS LOUCOS DE MIM.
NUM POR DE SOL NUBLADO
COM O ROSTO SECO
NEM O VENTO SENTIA
QUALQUER PREÇO ME INVADIA
ENVIANDO-ME A LUGAR NENHUM.
AGORA SOLTO, O BEIJA-FLOR,
PREDOMINA NO MEU SER,
POR ISSO OLHO OS JARDINS
DE UMA SIMPLES CASA
QUE PERMANEÇO POR ELA
ATE O DIA DO ATO FINAL.
ESPERO RECEBER UM BÔNUS
AFINAL, NUNCA FUI MAU.


                                              CONDOR AZUL.
Condor Azul
Enviado por Condor Azul em 31/03/2018
Código do texto: T6295949
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condor Azul
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 57 anos
837 textos (29990 leituras)
1 áudios (185 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/11/19 23:40)
Condor Azul