Natal, ontem e hoje!

Era tão simples o meu Natal...

Colhia um azevinho no quintal,

Havia no ar, suave fragrância

Reinavam a paz e a alegria

Quando do monte o pinheiro trazia;

Era o Natal da minha infância!

Contavam-nos histórias de sonhar,

De um velhinho que nos ia visitar

Com um saco cheio de lembranças...

Em todas as casas ele entrava

P'las chaminés , onde deixava

Prendas nos sapatinhos das crianças

Enquanto preparava os docinhos

Minha mãe cheia de carinhos,

Não se esquecia de recomendar:

"Se dormires vais verlogo cedo,

Que o Pai-Natal sem nehum medo,

P'la chaminé desceu para te deixar ...

O que pediste muito em segredo!

Eram assim os nossos sonhos...

De olhos brilhantes e risonhos

E na mais pura inocência...

Construíamos a nossa imagem

De um Pai - Natal em viagem...

Ouvindo a nossa pertinência!

Não sabíamos o que era maldade

E que por mera crueldade ...

Num futuro próximo veria crianças

De alma pura e corpos vazios

Sem horizontes e sonhos vadios ...

E sem chaminés de Esperanças ..

.

Iriam se cruzar com meu olhar ,

E meio indiferente eu ia atravessar

Aquela rua cheia de gente ...

E normalmente eu seguia meu rumo...

Deixando para trás o resumo...

Daquela vida ...daquele indigente...

Cecília Rodrigues

Dezembro_2007

Cecília Rodrigues
Enviado por Cecília Rodrigues em 11/12/2007
Código do texto: T774371
Classificação de conteúdo: seguro
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.