Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhando Vitrines

Por tantas paredes de vidro
Cheias do mais atraente colorido
Já passaram esses meus olhos
Tentando distinguir, no ruído
Dessa cidade tão cheia
Tentei não cair nessa teia
Na selva das emoções
Sempre a fugir dos leões:
Esses sentimentos predadores,
Em disfarce de promessas
Que em verdade são dores
Que nos atacam depressa
E sem hesitar...
Que nos surpreendem
Sem jamais errar.

Por tantas desnecessidades,
Vaguei querendo também
O que não precisava, vaidades
Um nada que me convém
Perdi contato comigo,
Quis apenas a minha ambição
Perdi também o abrigo
Da verdade em meu coração
Me tornei um ser de consumo
Atrelado ao só querer mais
Procurei sem achar, e sem rumo
Nada levei, só deixei para trás.

Hoje o mundo não mais se sustenta
Planeta que pede um sincero arrego
E consumimos até a placenta
Da mãe-terra de onde nascemos
E se me vejo errado no meio
Exagerando em tanto consumo,
Na vitrine vejo o reflexo feio
Do ser humano que perdeu o rumo.
E se quero o que não preciso
Mas vou lá e pego mesmo assim
Estou multiplicando o prejuízo
Até para quem vir depois de mim...

Não olharei mais tantas vitrines
Vou ignorar apelo dessa ilusão
Chega de contribuir para com crimes
Contra o mundo que temos nas mãos.



Odemilson Louzada Junior
Enviado por Odemilson Louzada Junior em 08/06/2009
Código do texto: T1638532
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Odemilson Louzada Junior
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 45 anos
299 textos (14056 leituras)
1 áudios (33 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/11/19 07:39)
Odemilson Louzada Junior