Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As inquietudes das Palavras

Talvez agora,
Eu devesse mesmo calar a boca
Quem muito fala
Fala tanto que às vezes inventa
Palavras sem sentindo
Palavras tortas
Que como lanças sem destino
Acabam atingindo
Um que estiver distraído a sua volta...

Mas quem se importa?
Quem?

Se for eu quem fala
Se for eu quem escreve
Se for eu quem prepara
Essas palavras letárgicas para seus enterros...


As palavras dentro de mim
Nem sempre responsáveis por si
Muitas vezes
Vem em mutirões rompendo o cerco
Batendo com os pés a porta
Como mulheres apertadas para fazer xixi
A porta de um único banheiro
E por isso muitas vezes elas gritam!
E por isso muitas vezes elas berram!
E eu nada mais faço que
Gentilmente abrir-lhes a porta...


ULISSES de ABREU
Enviado por ULISSES de ABREU em 27/01/2007
Reeditado em 04/10/2011
Código do texto: T360840


Comentários

Sobre o autor
ULISSES de ABREU
Viçosa - Minas Gerais - Brasil
608 textos (209243 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/20 02:24)
ULISSES de ABREU